terça-feira, 23 janeiro, 2018

Alho negro é aposta do momento para ajudar a emagrecer; veja como usar

De acordo com o endocrinologista Pedro Assed, esse alimento é um ótimo termogênico e tem ação antioxidante; veja como inclui-lo na dieta

Alho é um alimento que está em 99% das casas e serve de temperos para os mais diversos preparos culinários. Ele já um item com bons nutrientes para a saúde – alguém tem uma avó que já indicou um cházinho com esse produto para combater gripes e resfriados – e, agora, ganha força em uma versão turbinada. É o alho negro, que segundo o endocrinologista Pedro Assed é a aposta do momento das dietas.

O médico, que também é membro da SBEM e mestre em endocrinologia pela UFRJ, afirma que o alho negro é um ótimo termogênico, tem ação antioxidante e traz diversos benefícios para a saúde. Além disso, não é tão ardido quanto o alho tradicional, apresentando um sabor adocicado e, por isso, fica muito agradável em diversas receitas.

Como é feito o alho negro?

Esse alimento nada mais é do que o alho tradicional depois de passar por uma fermentação, na qual é exposto a uma temperatura de 65ºC em um ambiente de umidade controlada por um longo período. Ele ganhou esse nome pela cor que apresenta após a fermentação.

O produto está ganhando força no mercado de alimentos naturais e já pode ser encontrado em lojas especializadas. De acordo com Assed, até seria possível preparar esse alho em casa, mas o processo é trabalhoso e bastante demorado. “Seria necessária uma estufa, sem contar o fator tempo – que é outro agravante. Após selecionar as melhores cabeças do alho comum, é preciso colocá-las em uma estufa por cerca de um mês e meio. Após esse período o alho fermenta sozinho”, explica o endocrinologista.

Benefícios do alho negro

A diferença mais facilmente notada desse alimento para o alho tradicional está no paladar. Durante o processo de fermentação, o sabor ardido é retirado graças à exposição da casca a longos períodos de calor e umidade. “Com isso, são eliminados alguns compostos do alho comum, em especial aqueles que conferem o gosto extremamente picante e causam mau hálito”, detalha Assed.

O processo ainda dá, digamos, uma turbinada no alimento. “O aquecimento também aumenta a concentração de alcina, que é o ingrediente ativo do alho”, fala o médico. Ao final, ele é contribui com diversos fatores, como por exemplo:

– melhora da proteção contra doenças crônicas, pois a alcina é um poderoso antioxidante e aumenta as defesas do corpo contra o estresse oxidativo;

–  aumento da resistência do sistema imunológico, em especial dos sistemas respiratório e digestório, ajudando assim na prevenção de infecções bacterianas e virais;

–  prevenção do câncer, já que o composto S-allycysteine, que se forma após a caramelização do alho, impacta diretamente na formação das células cancerígenas do organismo;

– controle do diabete porque as altas concentrações de alcina permitem um controle eficaz dos níveis de açúcar no sangue. Os ingredientes ativos do alho negro ajudam a retardar a liberação de insulina no corpo;

– é considerado um anti-inflamatório natural por inibe prostaglandinas – mediadores inflamatórios

– contribui ainda para uma melhora da saúde cardíaca. Estudos apontam que esse item é eficaz na redução dos níveis de homocisteína na corrente sanguínea, responsável por danificar as paredes dos vasos sanguíneos.

E por que esse alimento ajuda na dieta?

De acordo com o endroconogista, o benefício para quem busca a boa forma está na ação termogênica desse alho fermentado. “O alho negro aumenta a temperatura corporal, o que estimula o sistema nervoso e acelera o metabolismo basal de quem o consome. Desta forma, o corpo queima mais calorias e, consequentemente, perde mais gordura corporal”, detalha.

Além disso, o consumo desse item ajuda a combater a gordura nos órgãos. Assed explica que ele contribui para que seja liberada uma enzima no fígado que inibe a produção de gordura, o que proporciona a redução do colesterol, a diminuição da gordura hepática e uma menor deposição de gordura em outros órgãos.

Como consumir o alho negro?

A indicação do endocrinologista para aproveitar ao máximo o alimento é consumir o produto in natura, ou seja, cru. Uma sugestão é picá-lo e adicioná-lo a saladas. “O ideal seria consumir um dente por dia, devido aos benefícios nutricionais, mas de acordo com a receita essa a quantidade pode variar para dar o sabor desejado”, completa Assed.

Não há riscos em usar esse alho em preparos quentes, mas isso pode comprometer alguns nutrientes. “Se for refogado ou submetido a altas temperaturas, as enzimas importantes deste alimento se desnaturam”, alerta o médico.

Pedro Assed ainda afirma que o alho negro tem uma boa durabilidade, podendo ser armazenado por mais de três meses na geladeira. Com isso, também se torna uma aposta prática para a dieta de 2018.

(Delas) 

 

Ad

Outras notícias