domingo, 22 abril, 2018

Inscrição para o Enem 2017 está aberta; veja como fazer passo a passo

Foto: Divulgação/Inep
Foto: Divulgação/Inep

Por: G1

 

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 começaram na manhã desta segunda (8). O sistema seria liberado às 10h, segundo previsão do MEC, mas a abertura foi adiantada e os candidatos já começaram a ter acesso ao site por volta das 8h30.

Será possível fazer a inscrição durante duas semanas. O prazo vai até as 23h59 de sexta (19). A taxa subiu para R$ 82 e o boleto precisa ser pago até 24 de maio.

Para fazer a inscrição, você precisar saber:

  • qual o endereço de acesso
  • quais os documentos necessários
  • como definir sua senha
  • como pedir atendimento especializado
  • como e quem pode solicitar a isenção

O processo de inscrição está distribuído em seis seções no site do Enem: “Dados pessoais”, “Recursos”, “Prova”, “Ensino Médio”, “Escola” e “Questionário”.

Veja abaixo o passo a passo:

1. Site para inscrição

As inscrições ocorrem somente no site www.enem.inep.gov.br/participante. Neste ano, a página está com novo layout baseado na cor verde

2. Documentos básicos

Para começar o processo, o candidato precisa saber o número do CPF e a data de nascimento.

Após digitar esses dois dados, na tela seguinte aparecem preenchidos automaticamente nome do participante, nome da mãe e data de aniversário. Isso ocorre porque o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) cruzou as informações com o banco de dados da Receita Federal.

Em caso de erro, é preciso clicar no item que registra a incongruência. O estudante que relatou problema deverá procurar a Receita e solicitar a alteração do dado com problema.

3. Dados pessoais

Depois que o sistema inseriu automaticamente os três primeiros dados, o estudante precisa colocar o número do RG, endereço* e outros dados pessoais.

 

4. Pedido de atendimento especializado

Após informar os dados pessoais, o candidato passa para a seção “Recursos”. Nela vai ter que responder se precisa de atendimento especializado ou atendimento específico para fazer a prova.

São exemplos de casos que justificam o atendimento especializado: autistas, com baixa visão, cegueira, deficiência física, deficiência intelectual, déficit de atenção, discalculia, dislexia, surdez, deficiência auditiva, surdocegueira e visão monocular.

Nesta edição será oferecida, em caráter experimental, prova em vídeo libras para auxiliar participantes surdos ou com deficiência auditiva. Esses participantes poderão selecionar apenas um tipo de recurso, já que também estará disponível a opção do tradutor-intérprete de libras.

Os estudantes que solicitarem atendimento especializado terão que indicar o código de Classificação Internacional de Doenças (CID) e anexar o laudo médico em formato .pdf, .png, .jpg no ato da inscrição.

Uma comissão do Inep analisará a documentação anexada e deve enviar uma resposta sobre o deferimento do pedido em um prazo de 30 dias após o fim das inscrições.

Quem consegue atendimentos especializados tem uma hora extra de prova.

5. Atendimento específico

Gestantes, lactantes, idosos, alunos em classe hospitalar – que por motivos de saúde estudam em unidades médicas – têm o direito a atendimento específico desde que informem sua condição no ato da inscrição.

A partir deste ano, essa solicitação também poderá ser feita para candidatos diagnosticados com algumas doenças. Por exemplo, diabéticos que usem bomba de insulina. O CID será exigido no momento da inscrição.

O atendimento específico não dá direito a uma hora adicional de prova.

6. Escolha do idioma e cidade da prova

Na sequência, dentro da seção “Prova”, o estudante deve selecionar inglês ou espanhol como língua estrangeira no Enem.

Além disso, durante essa fase da inscrição, o concorrente terá que indicar a cidade onde deseja realizar o exame, que pode ser diferente daquele cadastrado na seção de dados pessoais.

7. Informações sobre o ensino médio

Na seção “Ensino Médio”, os participantes precisam informar a sua situação em relação à conclusão dos estudos.

O sistema dá quatro opções para o candidato escolher: “já concluí o ensino médio”; “estou cursando a última série/ano do ensino médio”; “estou cursando o ensino médio, mas não concluirei no ano letivo de 2017” e “não estou cursando e não concluí o ensino médio”.

Nesta fase, candidatos com menos de 18 anos que não vão concluir o ensino médio neste ano, os “treineiros”, receberão uma informação de que estão impossibilitados de usar os resultados da prova para acesso ao ensino superior.

8. Escola

Esta seção só é exigida para os candidatos que afirmaram que vão concluir o ensino médio em 2017. O participante terá que informar a unidade federativa, o município e nome da escola, ou o código da instituição.

9. Questionário socioeconômico

A penúltima etapa é o questionário socioeconômico, onde os candidatos informam questões sobre escolaridade e profissão dos pais e renda familiar. Neste ano, os estudantes respondem 27 itens. Até 2016, eram 50.

10. Imprimir boleto ou pedir isenção

Os alunos que declararam a conclusão do ensino médio em 2017 e que estão matriculados na rede pública de ensino recebem isenção automática da taxa de inscrição e o processo é finalizado após o preenchimento do questionário socioeconômico.

Os demais concorrentes terão mais uma etapa pela frente: podem pedir para gerar o boleto de pagamento da inscrição ou solicitar isenção da taxa. Nesse último caso, os estudantes deverão identificar o motivo para esse requerimento.

Quem pode ter isenção da taxa

  1. Concluintes do Ensino Médio matriculados na rede pública de ensino;
  2. Membros de família de baixa renda em situação de vulnerabilidade socioeconômica inscritos no CadÚnico;
  3. Membros de família com renda familiar per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que cursaram todo o Ensino Médio na rede pública ou como bolsista integral em escolas particulares.

Ao declarar carência socioeconômica ou ao cadastrar o Número de Identificação Social (NIS), o estudante receberá automaticamente a informação se a isenção foi validada. Se a solicitação não for aceita, o sistema vai gerar a Guia de Recolhimento da União (GRU).

11. Definição de senha e dados de contato (e-mail e telefone)

Antes de finalizar ou imprimir o boleto, é preciso indicar número de telefones fixo e celular, além de e-mail. (Neste ano, após polêmica com a falta de segurança na edição anterior, o Inep determinou que a recuperação da senha só vai ocorrer via SMS ou e-mail.)

Logo após inserir esses dados pessoais, os candidatos devem escolher uma senha com no mínimo seis e no máximo 10 caracteres. Ela pode ter apenas números e letras, com distinção de minúsculas e maiúsculas.

O Inep ressalta que os participantes devem guardar suas senhas para evitar possíveis complicações. No ano passado, milhares de pessoas ficaram com o acesso temporariamente restrito ao sistema porque esqueceram suas senhas e precisaram criar uma nova.

12. Conclusão da inscrição

Para quem não é isento, o boleto poderá ser impresso (ou salvo em PDF) nesta última etapa. Ele pode ser pago em qualquer banco até 24 de maio.

Ao concluir todas as etapas do registro, será gerado o número da inscrição em uma página com o resumo das informações recebidas. A situação do cadastro deverá ser consultada pelo participante nessa etapa do processo.

13. Prazo para mudança de dados

Até o término das inscrições – 19 de maio –, os participantes têm a opção de atualizar os dados de contato, mudar o município escolhido para a realização das provas e a opção de língua estrangeira, e solicitar atendimento especializado ou específico. Terminado o prazo, não será possível fazer qualquer alteração.

Nome social

Travestis e transexuais podem solicitar o uso do nome social no exame. Para isso, devem fazer sua inscrição normalmente no site até 19 de maio.

Entre 29 de maio e 4 de junho, devem entrar novamente na página do participante do Enem e solicitar o uso do nome social. O candidato deve ter documentos comprobatórios de sua condição.

Aplicativo do Inep

A inscrição não pode ser realizada pelo aplicativo do Inep sobre o Enem. Entretanto, o app lançado em 2016 foi reformulado. Agora, há uma seção de notícias destinada ao público geral. Assim, professores e pais vão conseguir acompanhar determinadas áreas que não exigem o login do participantes.

O app vai fornecer aos usuários o espelho da redação, gabaritos e o resultado individual. A ferramenta está disponível nas plataformas Android e IOS.

Candidatura em conjunto de EUA, México e Canadá deve ser a única para Copa de 2026

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Por: Globoesporte.com

 

A Copa do Mundo de 2026 deverá ser disputada nos Estados Unidos, no México e no Canadá. Tudo indica que a candidatura tripla não terá concorrentes, no Mundial que será o primeiro no novo formato, com 48 seleções.

Segundo os planos da candidatura, lançada no mês passado em Nova York, os Estados Unidos receberiam 60 das 80 partidas, incluindo todas a partir das quartas de final. Já México e Canadá abrigariam 10 partidas cada um.

O Mundial de 2026 será o segundo organizado pelos americanos, que já receberam a Copa de 1994. O México foi sede em 1970 e em 1986, enquanto o Canadá jamais recebeu o torneio. O Conselho da Fifa ainda precisa decidir quantos dos países-sede se classificam automaticamente ao Mundial.

China x Conmebol em 2030

Nesta semana, durante seu congresso anual, que será realizado no Bahrein, a Fifa vai anunciar mudanças no processo de escolha da sede da Copa do Mundo. Assim, a sede da Copa de 2026, que seria anunciada em 2020, deve ser confirmada já em 2018.

Hoje, pelas regras da Fifa, os continentes que receberam uma Copa não podem concorrer para as duas seguintes. Essa regra está prestes a cair – o que abre caminho para a Ásia (que recebe a Copa de 2022, no Catar) poder organizar o evento em 2030.

Depois que a China passou a investir pesado em futebol – incluindo duas estatais patrocinando a Fifa – dirigentes da entidade que manda no futebol mundial tratam como “inevitável” que o país organize em breve a Copa do Mundo.

 

A Conmebol faz campanha para que a Copa do Mundo de 2030 seja feita no Uruguai (que organizou o primeiro Mundial, em 1930) e na Argentina. Duas semanas atrás, no Chile, o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, discursou na presença do presidente da Fifa, Gianni Infantino:

– Pode ter certeza que estamos de olho em 2030, quando queremos celebrar o centenário da Copa do Mundo, aqui no continente que que viu nascer a Copa do Mundo.

Casos de dengue, zika e chikungunya caem 89% nos primeiros meses de 2017 em comparação com 2016

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por: G1/Bem Estar

Nos primeiros meses de 2017, até o dia 15 de abril, o Brasil registrou 113.381 casos suspeitos de dengue, 43.010 de chikungunya e 7.911 de zika. Somadas, as três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti tiveram uma redução de 88,9% no número de casos em comparação ao mesmo período de 2016. Os dados são de boletim epidemiológico elaborado pelo Ministério da Saúde.

É importante observar que o ano passado teve um número muito alto de casos de arboviroses (doenças transmitidas por mosquitos): foi o segundo ano com maior número de dengue desde o início dos registros, em 1990, perdendo só para 2015. Também foi recordista em zika e chikungunya, doenças que chegaram mais recentemente ao país e que, portanto, não têm muitos dados anteriores para comparação.

Dengue

Em 2017, forma 113.381 casos de dengue até 15 de abril. No ano passado, havia 1.180.472 casos na mesma época. A região Sudeste concentrou o maior número de casos, 32,9% do total registrado no país, mas a região com maior incidência foi o Centro-Oeste, com 160 casos a cada 100 mil habitantes.

Houve 17 mortes por dengue este ano, em contraste com 507 mortes no mesmo período do ano passado. Além disso, houve 57 casos de dengue grave e 793 casos de dengue com alarme.

Chikungunya

Quanto à chikungunya, foram 43.010 casos em 2017, ante 135.030 no ano passado. A região Nordeste é a que registrou maior incidência. Além disso, este ano teve 9 mortes confirmadas pela doença. Ao longo de todo o ano de 2016, 196 pessoas morreram de chikungunya no país.

Zika

O país teve 7.911 casos de zika em 2017, em comparação com 170.535 no mesmo período do ano passado. A região Centro-Oeste é a que apresentou maior incidência e não houve nenhuma morte confirmada pela doença este ano.

Corpo de Bombeiros de Três Lagoas ‘empresta’ viatura de resgate de Bataguassu

Foto: Hugo Leal
Foto: Hugo Leal

Por: Cenário MS

 

O 5° Grupamento de Bombeiros Militar de Três Lagoas está há quase duas semanas sem as duas viaturas de resgate após os veículos apresentarem problemas mecânicos. Como alternativa para resolver o problema, uma unidade de resgate da Corporação dos Bombeiros de Bataguassu, foi cedida para o município, nesta sexta-feira (5).  

De acordo com a assessoria de imprensa do 5° Grupamento, a viatura de resgate já está disponível para atender as ocorrências de urgência e emergência.

Conforme o Jornal do Povo, a outra unidade é nova e foi entregue aos bombeiros em dezembro do ano passado. Entretanto, está encostada no pátio do 5º Grupamento, com problemas nos freios, aguardando uma licitação do governo do estado para ser consertada.

“Nós estamos aguardando o sistema Taurus autorizar o serviço. É uma espécie de licitação online rápida, mas que ainda não foi liberada. Assim que isso acontecer, a manutenção dela vai ser feita aqui na cidade mesmo”, explica o tenente do Corpo de Bombeiros, Hoanderson de Sá.

A assessoria da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública informou à reportagem que os veículos serão consertados de forma emergencial e que até o final deste mês deverão retomar os atendimentos.

Corumbaense é o campeão Sul-mato-grossense de futebol

Foto: Reprodução/TV Morena
Foto: Reprodução/TV Morena

Por: Gabriel Freire Torres – Divisa Notícias

 

O Corumbaense é campeão Sul-mato-grossense de futebol!

Após 33 anos de sua última conquista da primeira divisão do estado, a equipe de Corumbá ergueu a taça após vitória contra o Novo de Campo Grande, na tarde deste domingo (7).

Um empate na primeira partida fora de casa garantia que o placar inalterado trouxesse o título para o Corumbaense, porém a equipe foi para cima e abriu o placar com William.

Andrinho foi o responsável por calar a torcida da casa e anotar o empate para o Novo, mas aos 33 minutos do segundo tempo Julio anota um gol contra para a festa da torcida do Carijó Corumbaense.

Detalhe para o tempo exato do gol do título: Após trinta e três anos sem erguer a taça da elite, aos trinta e três do segundo tempo o time de Corumbá definiu o placar e trouxe a festa para a torcida da cidade.

A festa se espalha na cidade que é considerada a Capital do Pantanal, onde os jogadores desfilam por um carro do corpo de bombeiros.

Que esse seja o princípio de uma grande onda de apoio a equipe, fazendo com que o esporte no Mato Grosso do Sul  cresça cada vez mais.

Parabéns Corumbaense!

É CAMPEÃO!

Fim dos estaduais: Diferentes emoções em todos os cantos do país.

Foto: Marcos Ribolli/Globoesporte.com
Foto: Marcos Ribolli/Globoesporte.com

Por: Gabriel Freire Torres – Divisa Notícias

 

É o fim dos estaduais!

As duas maiores torcidas do Brasil garantem o título em seus estados.

Corinthians e Flamengo ainda que com realidades diferentes tiveram as mesmas vibrações nesta tarde de domingo (07).

Um confuso Campeonato Carioca, com direito a um campeão da Taça Rio, um campeão para a Taça Guanabara e outro como Campeão geral. Assim se definiu essa edição do considerado “O mais charmoso do Brasil”.

Guerrero artilheiro, dono da nove e também do carinho da torcida Rubro Negra. Definitivamente o peruano caiu nas graças da torcida Flamenguista.

Por outro lado, atravessando a ponte Rio-SP se encontra a antiga casa do camisa 9 da Seleção peruana. Do céu ao inferno Guerrero foi no Corinthians, pois a memória curta fez com que o herói do mundial de 2012 se tornasse o ingrato que abandonou a equipe.

Guerrero lembra Romero, que ainda muito criticado guardou o seu gol contra a querida Ponte Preta. 40 anos depois de um duelo equilibrado e de tradição, o Corinthians dessa vez ganhou sem nenhuma dificuldade da querida Macaca campineira, conquistando assim o seu 28° título estadual.

Em Minas deu Galo!

Com a vantagem do empate, o Atlético não se acomodou e saiu na frente com Robinho, que ainda teve um gol mal anulado no primeiro tempo.

Na segunda etapa, Ábila empata e traz esperanças para a torcida Cruzeirense, que logo se entrega ao ver Elias anotar o segundo do Alvinegro mineiro.

No Rio Grande do Sul foram várias chances para o Colorado definir o placar durante o jogo. Muitos desperdícios que puniram no final com uma vitória nos pênaltis da equipe do Novo Hamburgo. Detalhe para as três primeiras cobranças perdidas pelo Inter, sendo a primeira desperdiçada pelo ídolo D’Alessandro.

Coritiba e Vitória garantiram o título após empates no placar de 0 a 0 contra os seus maiores rivais e garantem a festa de suas torcidas, enquanto no Brasil inteiro a palavra do dia é esperança.

Esperança que veste verde, a cor da Chapecoense, Bi campeã catarinense.

Uma honraria construída em conjunto com a equipe do ano passado, eternamente gravada em nossos corações.

Que venha muitos títulos como esse, querida Chape!

 

Que me perdoe quem possa se sentir incomodado, mas hoje posso dizer: Tive um excelente dia!

MP vai investigar Haddad e aliados de Alckmin em SP

Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF
Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF

 

Por: Época/Negócios – Globo.com

 

O Ministério Público do Estado de São Paulo deu início à instauração de uma série de inquéritos para investigar os crimes apontados por executivos e ex-executivos da Odebrecht nos acordos de colaboração firmados com a Procuradoria-Geral da República. Entre outros, serão investigados o ex-prefeito da capital Fernando Haddad (PT), integrantes do governo Geraldo Alckmin (PSDB) – o governador é alvo de pedido de inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) -, deputados estaduais e ex-diretores de estatais.

Na mira da promotoria estão obras nas linhas 2, 4, 5 e 6 da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), um emissário submarino da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o Trecho Sul do Rodoanel e a Rodovia Carvalho Pinto, ambos tocadas pela Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), além de uma rodovia construída pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e uma obra não especificada pelos delatores da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

No caso de Haddad, os investigadores querem saber se a Odebrecht obteve vantagens junto à Prefeitura durante a gestão do petista (2013-2016) ao efetuar repasses via caixa 2 para sua campanha. O Estado apurou que ao menos quatro procedimentos preparatórios para instauração dos inquéritos civis haviam sido protocolados até anteontem. Os promotores pretendem instaurar todos os inquéritos até a próxima sexta-feira.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), enviou o conteúdo das delações para o Ministério Público Federal. Por isso, o órgão estadual ainda deverá pedir o compartilhamento das informações. Por enquanto, para a abertura das investigações, os promotores se valem do conteúdo divulgado na internet.

O Ministério Público paulista discute ainda a criação de um Núcleo de Atuação Integrada no Combate à Corrupção (NAI-CC) para centralizar as investigações relacionadas à Lava Jato nos âmbitos criminal e cível.

Delações

Ao todo, oito executivos da Odebrecht delataram pagamentos ilícitos envolvendo obras do governo paulista. Em seis casos, os delatores detalham o esquema e apontam quem teriam sido os operadores e destinatários finais dos recursos, todos oriundos do Setor de Operações Estruturadas da empresa, conhecido como “departamento de propina”.

No caso da Linha 2-Verde do Metrô, por exemplo, há menção a pagamentos para os ex-diretores Sérgio Brasil, Luiz Carlos Frayze David e Décio Tambelli, e a um consultor que atuaria junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ainda no Metrô, Sérgio Brasil também teria recebido R$ 500 mil para modificar um edital da Linha 6-Laranja em 2013.

Desse contrato, que é uma Parceria Público-Privada (PPP) assinada pelo consórcio Odebrecht-Queiroz Galvão com o governo Alckmin, teriam saído R$ 6,8 milhões destinados ao atual secretário estadual de Planejamento, Marcos Monteiro, para a campanha à reeleição do governador Alckmin, em 2014. Mais R$ 1,5 milhão está atribuído a um contrato de construção de emissário submarino na Praia Grande, assinado com a Sabesp. O ex-diretor da estatal e hoje deputado federal João Paulo Papa (PSDB-SP) teria levado R$ 300 mil. Monteiro e Papa negam ter recebido pagamentos.

Essas três obras aparecem em planilha entregue à Lava Jato pelo ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior, o BJ, que admitiu ter autorizado pagamentos de propina a partir de 2008. Ele ainda cita projetos da EMTU e da Linha 4-Amarela do Metrô como fontes de repasses ilícitos, mas ficou de fornecer ao MPF detalhes sobre as operações e os nomes dos beneficiários. No caso da Linha 2, BJ cita também que o contrato assinado pela Odebrecht “foi utilizado para pagamento de futuras campanhas políticas do PSDB”.

BJ e outros seis executivos da empreiteira também delataram propina envolvendo as obras do Trecho Sul do Rodoanel e um acordo para que o governo do Estado pagasse uma dívida de R$ 191,6 milhões com a Odebrecht, ambas durante o governo José Serra (2007-2010). Nos dois casos, o agente público citado pelos delatores é o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, que nega as acusações.

Deputados

Seis deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo serão investigados com base nas citações dos delatores da Odebrecht. Fernando Capez (PSDB), Barros Munhoz (PSDB), Roberto Massafera (PSDB), João Paulo Rillo (PT), Luiz Fernando Teixeira Ferreira (PT) e Campos Machado (PTB) são citados nas delações como beneficiários de propina.

Na lista, há dois ex-presidentes da Assembleia Legislativa. Capez é suspeito de receber, por meio de uma ONG, R$ 100 mil. O outro é Munhoz, que, segundo delatores da Odebrecht, recebeu R$ 50 mil por meio de caixa 2 para campanha eleitoral.

Domingo de decisões agitam o Brasil de norte a sul

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

 

Por: Gabriel Freire Torres – Divisa Notícias

É domingo de futebol!

 

Muita coisa eu já vi acontecer no futebol.

Do óbvio ao milagre, eu já vi promessas se tornarem realidade e outras não passarem de simples promessas.

Viradas históricas eu também já presenciei, da mesma forma que já vi o óbvio simplesmente acontecer.

Em São Paulo o Corinthians busca o 28° título estadual de sua história e larga com uma bela vantagem.

A Ponte Preta é como o bandido dos tradicionais filmes de faroeste, pois sempre causou vários duelos tensos, conquistou batalhas, mas nunca a guerra. Veremos hoje o resultado desta história.

No Rio a vantagem é Rubro Negra contra o Fluminense.

O Flamengo tem melhor elenco, melhor fase, a vitória no primeiro jogo e uma torcida apaixonada vibrando em seu apoio nessa tarde no Maracanã. Outra coisa que o Flamengo tem é a certeza de que um duelo contra o Fluminense que também vem forte nunca é simples.

Em Minas há um Cruzeiro x Atlético

A vantagem de jogar pelo empate é do Galo, a melhor fase é do Galo, mas a sede de fazer bonito e levar o rival as lágrimas são de ambas as equipes.

O Mineirão lota e com certeza o clima será de um grande espetáculo.

No Sul temos o Inter contra a surpresa do Novo Hamburgo, mas um pouco mais para cima da região temos o tão famoso AtleTiba.

Coritiba e Novo Hamburgo largam em vantagem, apesar de que o Internacional tem o objetivo de trazer alegrias para a torcida que sofreu demais nesses últimos tempos, enquanto o Furacão paranaense quer dar a volta por cima após duas derrotas seguidas em casa pelo placar de 3 a 0.

Em Recife tem o querido Sport contra o Salgueiro.

Embalado pela vaga na final da Copa do Nordeste, o Leão da Ilha vai com tudo para cima da surpresa pernambucana e promete força máxima para a conquista de mais uma taça.

Na Bahia temos o BaVI!

Após o empate no primeiro jogo o Rubro Negro baiano tem a vantagem para buscar amenizar a dor da eliminação ontra o rival pela Copa do Nordeste.

Em cada estado uma festa e muitos eu não citei, mas todo o Brasil estará ligado em Santa Catarina.

Estamos contigo, Chape!

Mil perdões ao Avaí, clube do simpático Guga, mas hoje os guerreiros precisam mostrar que da dor se fez o recomeço e do recomeço se faz títulos.

No primeiro jogo a Chape venceu por 1 a 0 na Ressacada e hoje a Arena Condá estará repleta de boas energias do céu até a terra.

 

Olhando de primeira, vemos que hoje é um domingo de futebol.

Olhando de segunda, vemos que hoje terminam os principais estaduais.

Mais tarde olharemos em uma terceira análise o que esse esporte nos reservou para hoje.

Velho comandante novo: Cuca volta ao Palmeiras

Foto: Cesar Greco/Fotoarena
Foto: Cesar Greco/Fotoarena

Por: Gabriel Freire Torres/Divisa Notícias

 

Cuca retorna ao Palmeiras cinco meses após a conquista do Campeonato Brasileiro. Nesta sexta-feira (05) , o “novo” comandante alviverde acertou um contrato até o fim de 2018 após a demissão de Eduardo Batista, que não seguiu os planos esperados pela diretoria.

Após a conquista do título nacional, Cuca alegou que não desejava continuar no comando da equipe para aproveitar a família. Bom, parece que ele aproveitou, afinal foram cinco meses de um merecido descanso, mas agora há outra família necessitada de atenção e uma equipe para cuidar.

Não pode se negar que o treinador conhece a casa, boa parte do elenco e ainda tem grande confiança da torcida, mas a própria experiência de Eduardo Batista mostra que nada no futebol é simples.

Cuca foi do inferno ao céu no Palmeiras em sua última passagem. Contestado a princípio, ele acabou se superando mais uma vez em sua carreira e tirou o alviverde da incômoda fila de 22 anos sem um título nacional na primeira divisão.

No Palmeiras se constrói um teatro.

A torcida no papel de plateia nunca fez feio.

Os jogadores no papel de atores buscam o ritmo da perfeição.

Cuca é o diretor renomado que busca novo sucesso em mais uma temporada da peça.

Resta saber o que o enredo reserva para eles.

Lula ‘tinha conhecimento de tudo’, diz ex-diretor da Petrobras a Moro

Foto: Reprodução/UOL
Foto: Reprodução/UOL

Por: G1

O ex-diretor da Petrobras Renato Duque acusou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ter recomendado que destruísse provas da propina recebida por petistas fora do Brasil no escândalo do Petrolão. Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro nesta sexta-feira (5), ele também relatou três encontros com o ex-presidente, entre 2012 e 2014, quando já não trabalhava mais na estatal e Lula não era mais presidente.

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, Duque foi indicado pelo Partido dos Trabalhadores para a diretoria de Serviços, área responsável por grande parte da propina de contratos da Petrobras destinada ao partido. Até esta sexta, Duque havia se mantido em silêncio sobre seu papel na estatal. Foi a primeira vez que ele falou sobre o esquema a Moro.

Duque disse que encontrou Lula em 2012, 2013 e 2014. “Nessas três vezes, ficou claro, muito claro pra mim, que ele tinha o pleno conhecimento de tudo e detinha o comando”, afirmou Duque.

Os advogados do ex-presidente Lula afirmam que o depoimento de Renato Duque é uma tentativa de fabricar acusações ao ex-presidente. “Como não conseguiram produzir nenhuma prova das denúncias levianas contra o ex-presidente, depois de dois anos de investigações, quebra de sigilos e violação de telefonemas, restou aos acusadores de Lula apelar para a fabricação de depoimentos mentirosos”. 

O ex-diretor de Serviços da Petrobras foi ouvido pelo juiz Sérgio Moro em uma ação penal da Operação Lava Jato que apura se o ex-ministro Antonio Palocci recebeu propina para atuar a favor da Odebrecht. A denúncia trata de pagamentos feitos para beneficiar a empresa SeteBrasil, que fechou contratos com a Petrobras para a construção de 21 sondas de perfuração no pré-sal.

Duque já foi condenado a mais de 50 anos de prisão em quatro ações da Lava Jato e é réu em pelo menos outros seis processos decorrentes da operação que estão em andamento na 13ª Vara Federal de Curitiba.

 

Como réu neste processo, ele havia ficado em silêncio durante interrogatório realizado em 17 de abril e pediu para ser interrogado novamente pelo juiz.

Segundo Duque, no último encontro, em julho de 2014, já com a Lava Jato em andamento, Lula perguntou se ele tinha recebido algum dinheiro das sondas no exterior. O ex-presidente teria alertado a ele: “Presta atenção no que eu vou te dizer: Se tiver alguma coisa, não pode ter. Não pode ter nada no teu nome, entendeu?”.

Ainda conforme o réu, o ex-presidente perguntou se ele tinha recebido valores da empresa SBM em uma conta na Suíça, relatando que a ex-presidente Dilma Rousseff tinha a informação que um ex-diretor da Petrobras teria recebido dinheiro no exterior.

Duque negou ter recebido dinheiro da SBM. Lula então perguntou se Duque recebeu dinheiro das sondas. Ao juiz, Duque afirmou que tinha recebido, mas que, no encontro, negou a Lula que tivesse recebido valores.

Segundo Duque, Lula disse ainda que a ex-presidente estava preocupada com o assunto e que iria tranquilizá-la.

Os encontros foram todos a pedido de Duque, para agradecer a Lula o período que permaneceu na Petrobras.

Arrecadação de propina

Duque afirmou que Lula determinou, por meio do ex-ministro Paulo Bernardo, que, a partir de 2007, a arrecadação de propina ao PT por meio de contratos da Petrobras fosse negociada com João Vaccari.

O ex-presidente, ainda de acordo com Duque, era chamado de Chefe, Grande Chefe ou Nine nas conversas, segundo o ex-diretor de Petrobras.

“Eu fui chamado a Brasília e essa pessoa [Paulo Bernardo] falou: ‘Olha, você conhece uma pessoa indicada pelo…’. Ele fazia esse movimento [Duque passa a mão no queixo], não citava o nome. O presidente Lula era chamado como Chefe, Grande Chefe, Nine ou esse movimento com a mão. Você vai receber uma pessoa que está sendo indicada e ele vai conversar com você. Ele vai ser, agora, quem vai atuar junto às empresas que trabalham para a Petrobras. Foi quando eu conheci o Vaccari, em 2007”.

Moro perguntou a Duque como ficou definido o pagamento de propina ao partido político pelos estaleiros. “Os 2/3 do partido político, Vaccari me informou que iriam para o Partido dos Trabalhadores, para José Dirceu e para Lula. Sendo que a parte do Lula seria gerenciada por Palocci”, detalhou.

Conforme o réu, ele saiu da Petrobras em 2012 e não tinha nenhuma relação com a SeteBrasil. No entanto, ele recebeu dinheiro referente a esse contrato porque Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras e delator da Operação Lava Jato, pediu para usar a conta dele e, para isso, pagaria um percentual sobre os valores depositados.

Negociação de valores

Renato Duque descreveu ao juiz Sérgio Moro como foi a negociação da divisão dos valores das propinas pagas pelos estaleiros entre os funcionários da estatal, que eles chamavam de “casa” e o partido. Segundo ele, normalmente os pagamentos ilícitos eram divididos meio a meio entre casa e partido. No entanto, nesses contratos, houve uma definição diferente com atuação do ex-ministro Antonio Palocci.

“O desdobramento, pela primeira vez em todos esses anos, o Vaccari não deu uma posição final. O Vaccari falou assim: olha, nesse assunto específico, eu vou consultar o Antonio Palocci. Ele citou como doutor, se referia a Palocci como doutor ou doutor Antonio, nunca como Palocci, porque o Lula encarregou o Palocci de cuidar desse assunto”, explicou Duque.

Após conversar com Palocci, provavelmente em novembro de 2012 segundo o réu, Vaccari retornou e disse a Duque e Barusco que, nesse caso, os valores seriam divididos em 1/3 para a casa e 2/3 para o partido.

O ex-diretor afirmou ao juiz Sérgio Moro que recebeu aproximadamente 3,8 milhões no Banco Kramer, sem especificar a moeda. Segundo o acusado, o valor total da propina seria maior, pois o acordo era para que ela fosse paga ao longo da obra.

Duque informou, ainda, que chegou a calcular que o total destinado a ele, de 1/6 do valor da propina, somaria aproximadamente US$ 33 milhões. “Então, se multiplicar isso por seis, vai dar quase US$ 200 milhões”, pontuou. Dessa forma, de acordo com as contas de Duque, o PT receberia mais de US$ 130 milhões referentes aos contratos.

Indicação de José Dirceu

Duque afirmou que foi o ex-ministro José Dirceu quem decidiu escolhê-lo para a Diretoria de Serviços, após embate entre os ex-tesoureiros do PT Delúbio Soares e Silvio Pereira. Delúbio defendia a indicação de Irani Varella, enquanto Pereira preferia Duque.

“O José Dirceu, então ministro, foi chamado para dar uma decisão. A decisão dele foi clara. Ele falou: ‘Não, o PSDB já está contemplado na diretoria da Petrobras, e eu não vou atender a um pedido do doutor Aécio Neves. Então, quem vai ficar na diretoria é Renato Duque”.

O ex-diretor da Petrobras disse que se arrependeu de receber tanto dinheiro de propina. “Quando atingiu determinado valor, aquilo para mim era mais do que suficiente. Para que você vai querer juntar dinheiro? Eu não usei esse dinheiro. Quando atingiu 10 milhões de dólares, eu falei: é muito mais do que eu preciso para viver e minha terceira geração”.

Em nota, a assessoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que a afirmação de Duque “já foi desmentida duas vezes”. “O lobista Fernando Moura afirmou textualmente em seu depoimento que, no caso mencionado por Renato Duque, Delúbio Soares usou indevidamente o nome do senador Aécio Neves para esconder uma indicação feita, na verdade, por ele próprio”, diz o texto. Leia a nota completa no fim da reportagem.

Ao final do interrogatório, Duque afirmou que se sente mais leve por ter falado. “Eu cometi ilegalidades. Quero pagar pelas ilegalidades, mas quero pagar pelas ilegalidades que eu cometi”.

O réu fez um comparativo da situação que vive com uma peça de teatro. “Eu sou um ator, tenho um papel de destaque nesta peça, mas eu não fui e não sou nem o diretor nem o protagonista desta história. Eu quero pagar pelo o que eu fiz”.

O ex-diretor da Petrobras ainda se colocou a disposição para esclarecer fatos e disponibilizar as provas que tiver. “Estou aqui para passar esta história a limpo”.

Ele disse que nunca tratou com o Palocci as questões das sondas.

O que dizem as defesas

A defesa de Antonio Palocci afirmou que as afirmações de Duque são “uma tentativa desesperada, uma bala de prata para tentar minimizar a sua condenação. A bala de prata é o último recurso”.

O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, afirmou que ainda não tomou conhecimento do depoimento de Renato Duque.

Verônica Sterman, responsável pela defesa do ex-ministro Paulo Bernardo, informou que a alegação de Renato Duque é mentirosa e totalmente fora de contexto. “Paulo Bernardo nunca esteve com Renato Duque”, diz a defesa.

O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D’Urso, afirmou: “As declarações do Sr. Renato Duque com respeito ao Sr. Vaccari não são verdadeiras. Trata-se de manifestação de alguém que está, há muito tempo, negociando delação premiada. Dessa forma, este depoimento deve ser recebido com total desconfiança e reservas.”

O G1 tenta contato com os outros citados na reportagem.

Veja a íntegra da nota da defesa de Lula:

O depoimento do ex-diretor da Petrobras Renato Duque é mais uma tentativa de fabricar acusações ao ex-presidente Lula nas negociações entre os procuradores da Lava Jato e réus condenados, em troca de redução de pena. Como não conseguiram produzir nenhuma prova das denúncias levianas contra o ex-presidente, depois de dois anos de investigações, quebra de sigilos e violação de telefonemas, restou aos acusadores de Lula apelar para a fabricação de depoimentos mentirosos.

O desespero dos procuradores aumentou com a aproximação da audiência em que Lula vai, finalmente, apresentar ao juízo a verdade dos fatos. A audiência de Lula foi adiada em uma semana sob o falso pretexto de garantir a segurança pública. Na verdade, como vinha alertando a defesa de Lula, o adiamento serviu unicamente para encaixar nos autos depoimentos fabricados de ex-diretores da OAS (Leo Pinheiro e Agenor Medeiros) e, agora, o de Renato Duque.

Os três depoentes, que nunca haviam mencionado o ex-presidente Lula ao longo do processo, são pessoas condenadas a penas de mais de 20 anos de prisão, encontrando-se objetivamente coagidas a negociar benefícios penais. Estranhamente, veículos da imprensa e da blogosfera vinham antecipando o suposto teor dos depoimentos, sempre com o sentido de comprometer Lula.

O que assistimos nos últimos dias foi mais uma etapa dessa desesperada gincana, nos tribunais e na mídia, em busca de uma prova contra Lula, prova que não existe na realidade e muito menos nos autos.

Veja aíntegra da nota de Aécio Neves:

Essa afirmação já foi desmentida duas vezes. O lobista Fernando Moura afirmou textualmente em seu depoimento que, no caso mencionado por Renato Duque, Delúbio Soares usou indevidamente o nome do senador Aécio Neves para esconder uma indicação feita, na verdade, por ele próprio. Também o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu declarou recentemente, em seu depoimento, que Aécio Neves não fez qualquer indicação de nomes para Furnas ou cargos na administração do PT.

Importante notar que Renato Duque afirma ter ouvido dizer essa informação a posteriori. Ou seja, trata-se de mais uma falsa afirmação feita com base apenas no “ouvir dizer”.

Segue para conhecimento trecho da delação de Fernando Moura sobre o caso mencionado por Duque. “…quando foi questionado sobre quem tava indicando o Varela, o Delúbio não podia falar que era ele e disse que foi indicação do Aécio Neves”.

Segue para conhecimento trecho da transcrição da Polícia Federal do depoimento de José Dirceu:

“Que não tem notícia de nenhuma indicação política realizada por Aécio Neves ao presidente Lula; Que Aécio Neves nunca solicitou ao declarante a condução ou permanência de qualquer pessoa a algum cargo durante o governo do PT.”