quinta-feira, 24 agosto, 2017
Foto: Reuters

ONU abre inscrições para selecionar jovens profissionais

Foto: Reuters
Foto: Reuters

Por: Agência Brasil

 

O Programa Jovens Profissionais (YPP, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas está com as inscrições abertas para a temporada 2017. Os selecionados receberão um convite para trabalhar na ONU nas áreas contempladas pelo YPP.  A informação é da ONU News.

O projeto tem dois objetivos: 1) trazer para as Nações Unidas novos talentos que tenham nascido em países com pouca representação profissional dentro da organização; e 2) reconhecer o talento de funcionários da ONU que buscam promoção de categoria.

Este ano, o concurso envolve três setores de trabalho: 1) Política, Paz e Setor Humanitário, para as áreas de direitos humanos, assuntos civis, políticos e humanitários, direito e segurança; 2) Administração e Gerência, para quem tem experiência em administração, auditoria, finanças, recursos humanos e ética; e 3) Informação Pública e Conferências, para quem é das áreas de conferências, documentação, informação, línguas e protocolo.

São vários os critérios para a candidatura. Entre eles,  ser cidadão de um dos países-membros da ONU que participam do Programa Jovens Profissionais 2017. Angola, Brasil, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Timor-Leste são nações incluídas na lista. É preciso também ter 32 anos ou menos, diploma de bacharel na área escolhida, e ser fluente em inglês ou francês.

Etapas

Pela primeira vez, os escolhidos para fazer a prova na área de Política, Paz e Setor Humanitário farão o exame em outubro, usando uma plataforma online. Para as outras duas categorias, a prova será escrita e a pessoa precisa estar presente no dia 14 de dezembro, em vários locais ao redor do mundo.

As candidaturas devem ser feitas pela internet, no site inspira.un.org, até 22 de agosto. Haverá uma triagem e os candidatos selecionados nesta primeira etapa terão o direito de fazer a prova. Quem for aprovado na parte escrita do exame passa depois por uma entrevista. Candidatos que tiverem sucesso em todas as fases receberão o convite para trabalhar nas Nações Unidas.

Foto: Divulgação

Mensagem de paz nos tempos modernos

Por: Gabriel Freire Torres

 

Foram tempos difíceis para o mundo. Uma guerra que devastou e trouxe resultados negativos hoje completa 73 anos de um dos passos mais marcantes para o seu término.

Tendo em vista esta situação, peço para que cada um construa hoje o seu “DIA D”. Trabalhe, estude e viva da sua melhor maneira.

Que nesses tempos sujos onde o poder insiste em nos separar, possamos ser cada vez aliados, fortalecendo assim a união do povo e dando início a uma longa caminhada de recuperação da humanidade.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Reprodução/ Instagram (Esquerda) Twitter (Direita)

Adolescente com câncer terminal faz último pedido e recebe mais de 30 mil cartas

Foto: Reprodução/ Instagram (Esquerda) Twitter (Direita)
Foto: Reprodução/ Instagram (Esquerda) Twitter (Direita)

Por: Extra

 

Diagnosticada com um raro tumor no cérebro no ano passado, Sabine Wortelboer, de 15 anos, lutou contra a doença enquanto respondeu ao tratamento. No entanto, o resultado dos últimos exames mostrou um avanço do câncer, e a adolescente escolheu deixar o hospital onde estava nos Estados Unidos e voltar para sua casa, na Holanda.

Na última quinta-feira, Sabine publicou em rede social seu último desejo: receber cartas de muitas pessoas. O pedido foi atendido e, até esta terça-feira, ela recebeu mais de 30 mil. O serviço postal holandês precisou até mesmo montar uma equipe especial apenas para processar as correspondências endereçadas à casa de Sabine, segundo a emissora “RTLNieuws”.

“Eu acharia muito bom, pela última vez, se recebesse cartas de muitas pessoas. Quem quiser, pode enviar para minha nova casa: Dullaert Rua 33 em Hulst, 4561 KA. Eu acho que é hora de dizer adeus. Muito amor, Sabine”, escreveu a adolescente em publicação no Facebook.

O irmão da adolescente, Sol Wortelboer, é um apresentador de televisão e aproveitou a notoriedade para divulgar nas redes sociais uma campanha de financiamento coletivo que tornou possível a ida de Sabine para os Estados Unidos fazer o tratamento contra o tumor. Inicialmente, a adolescente pareceu reagir à medicação, mas uma inflamação gastrointestinal impediu que o tratamento continuasse. Com isso, o câncer voltou de forma mais agressiva. De acordo com a mãe da adolescente, Ilse Wortelboer, sua filha não tem mais muito tempo de vida, informou o jornal holandês “Algemeen Dagblad”.

“Depois do resultado, decidi parar com toda a medicação. Não está funcionando mais”, afirmou Sabine.

Em uma publicação no Instagram, Sol registrou a gratidão pelas mensagens positivas enviadas à irmã.

“Um dos 30 mil cartões que Sabine recebeu. Palavras não conseguem descrever nossa gratidão. Estou sendo levado por uma onda de amor. Sabine caminha em direção à luz”, escreveu Sol.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, discursa durante manifestação pelo 1º de Maio, em Caracas - AFP

Maduro convoca ‘assembleia cidadã’ para nova Constituição na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convocou nesta segunda-feira uma Constituinte “popular” para redigir uma nova Carta Magna, cujos integrantes serão eleitos por setores da sociedade e não pelo voto universal.

“Convoco o poder constituinte originário para alcançar a paz de que o país precisa, para derrotar o golpe fascista, uma Constituinte cidadã, não de partidos políticos. Uma Constituinte do povo”, disse Maduro, diante de milhares de simpatizantes reunidos no centro de Caracas por ocasião do Dia do Trabalhador.

O presidente socialista anunciou que entregará nesta segunda-feira ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) as bases do processo, que contempla a eleição de 500 constituintes, uma parte por setores sociais que escolherão diretamente seus representantes e a outra parte por municípios.

“Será uma Constituinte eleita com voto direto do povo para eleger uns 500 constituintes: 200 ou 250 pela base da classe operária, as comunas, missões, os movimentos sociais (…) Os movimentos de pessoas com deficiência vão ter seus constituintes próprios eleitos, os pensionistas”, detalhou o presidente.

Maduro disse que os demais constituintes “vão ser eleitos em um sistema territorializado, com caráter municipal e local”.

A atual Carta Magna venezuelana – em vigor desde 1999 – estabelece que a Assembleia Nacional Constituinte é convocada para “transformar o Estado, criar um novo ordenamento jurídico e redigir uma nova Constituição”.

Pode ser convocada pelo presidente no Conselho de Ministros, o Parlamento mediante acordo de dois terços de seus integrantes, os conselhos municipais (câmaras de vereadores) ou através das assinaturas de 15% dos eleitores.

Os membros da Constituinte de 1999 foram eleitos mediante votação nacional e não por setores, como propõe Maduro, e pertenciam majoritariamente ao chavismo.

“Entrego-lhes do poder que me deu Hugo Chávez, vão vencer a batalha”, acrescentou o chefe de Estado, que dará detalhes de seu anúncio nas próximas horas.

Oposição repudia ‘prostituinte’

A liderança opositora rejeitou a convocação de Maduro, advertindo que ela aprofunda a crise política e reafirma uma tentativa de “golpe de Estado” contra o Parlamento, pois o que se pretende é convocar uma Constituinte “escolhida a dedo”.

Maduro “quer dar um salto de uma vez a um sistema tipo [o de] Cuba”, denunciou Julio Borges, presidente do Parlamento, único dos poderes controlado pela oposição.

“Diante da fraude constitucional da Constituinte que o ditador acaba de anunciar, povo na rua a desobedecer semelhante loucura!”, reagiu o líder opositor e ex-candidato à Presidência, Henrique Capriles.

O deputado opositor Henry Ramos Allup assegurou que “o que Maduro convocou não é uma constituinte, mas uma ‘prostituinte’”.

A oposição acusa Maduro de tentar dar um golpe de Estado, depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) assumiu os poderes do Legislativo e retirou a imunidade dos deputados.

As duas medidas foram anuladas em meio a uma forte pressão internacional, mas os opositores consideram que a violação permanece.

AFP

oto: Campanha de buscas / Facebook / BBCBrasil.com

Sequestro e assassinato de menino chocam o Uruguai

Por: BBC BRASIL

Ele chamava de “papai” o homem que o matou com um tiro.

No último sábado, terminaram de forma trágica as buscas por Felipe Romero, de 10 anos, que foi sequestrado por Fernando Sierra, técnico do time de futebol no qual o menino jogava e com quem mantinha uma relação muito próxima.

Tão próxima que a psicóloga que tratava o menor, após notar comportamentos estranhos no garoto, recomendou à mãe deste que Serra deixasse de ver Felipe, como confirmou a tia do menino, Maíra del Carmen Romero, à BBC Mundo.

Sem permissão da mãe, Sierra foi buscá-lo na escola na quinta-feira. Foi a última vez que se teve notícia deles – até o sábado, quando os dois foram encontrados sem vida a 150 km de Montevidéu, capital do país.

Sierra atirou contra o menino e depois se matou, segundo confirmou o chefe de polícia da cidade Maldonado, onde os dois viviam.

Unidos pelo futebol

Felipe era filho de um conhecido ex-jogador de futebol, Luis Romero, que era um “pai ausente”, segundo disse sua mãe, Alexandra Pérez, ao jornal El País do Uruguai. “Não era tanto assim”, refuta sua tia à BBC Mundo.

Sierra e Felipe se conheceram em 2015, por meio da equipe infantil do Club Defensor de Maldonado. Sierra era o técnico da equipe em que o menino jogava.

Apesar de Sierra ter ficado a cargo do grupo do qual Felipe fazia parte por pouco tempo, eles desenvolveram uma relação próxima.

“Ele levava e trazia Felipe dos treinos, das partidas, andavam juntos para todos os lados, ele o tratava como se fosse seu filho, e Felipe o tratava como se fosse seu pai. Por mais de uma vez, Felipe o chamou de papai”, diz Myriam Sosa, dirigente do Club Defensor Maldonado responsável pela divisão infantil.

Até sua morte, Sierra ainda trabalhava como técnico. Ele se apresentava como um “amigo da família” conta Sosa, e, por isso, ninguém estranhava tanta proximidade entre ele e o garoto.

“Fernando sempre foi uma pessoa tranquila, muito correto, muito educado com os pequenos, muito respeitoso. Ninguém podia pensar que algo assim aconteceria”, diz Sosa.

Sierra participava de reuniões na escola de Felipe, o levava e buscava depois das aulas e até mesmo viajou de férias ao Brasil com o garoto, com a permissão de seus pais.

A tia do menino diz que o pai autorizara a viagem porque a ideia original era que família toda fosse junta – ou seja, Felipe, sua mãe, sua irmã e Sierra.

‘Eu me mato’

O treinador se tornara a figura paterna de Felipe, até que, depois de algumas viagens que fizeram juntos, a psicóloga do menino chamou a mãe do garoto para conversar.

“Ela notou sinais de que algo não estava bem com Felipe”, contou a mãe do garoto ao El País . Foi recomendado que ela não deixasse mais o menino sozinho com o treinador.

A mãe de Felipe decidiu confrontar Sierra. Na quarta-feira, enquanto seu filho treinava, ela puxou Sierra de lado para conversarem a sós.

“Veja bem, Fernando, as psicólogas me alertaram que não pode voltar a ficar sozinho com Felipe. Entenda como queira. Mas precisa aceitar o que estou te pedindo. Por favor”, disse ela, como relatado ao El País .

“Se não posso mais ver o Felipe, eu me mato”, foi a resposta do treinador, segundo a mãe do menino.

Na quinta-feira, ele foi buscá-lo na escola. Ninguém estranhou, pois era comum.

O pior desfecho

O caso mobilizou o Uruguai. Foram criadas campanhas em redes sociais, e os amigos da família se ofereceram como voluntários para participar das buscas por Felipe.

Ele chamava de “papai” o homem que o matou com um tiro.

No último sábado, terminaram de forma trágica as buscas por Felipe Romero, de 10 anos, que foi sequestrado por Fernando Sierra, técnico do time de futebol no qual o menino jogava e com quem mantinha uma relação muito próxima.

Tão próxima que a psicóloga que tratava o menor, após notar comportamentos estranhos no garoto, recomendou à mãe deste que Serra deixasse de ver Felipe, como confirmou a tia do menino, Maíra del Carmen Romero, à BBC Mundo.

Sem permissão da mãe, Sierra foi buscá-lo na escola na quinta-feira. Foi a última vez que se teve notícia deles – até o sábado, quando os dois foram encontrados sem vida a 150 km de Montevidéu, capital do país.

Sierra atirou contra o menino e depois se matou, segundo confirmou o chefe de polícia da cidade Maldonado, onde os dois viviam.

Unidos pelo futebol

Felipe era filho de um conhecido ex-jogador de futebol, Luis Romero, que era um “pai ausente”, segundo disse sua mãe, Alexandra Pérez, ao jornal El País do Uruguai. “Não era tanto assim”, refuta sua tia à BBC Mundo.

Sierra e Felipe se conheceram em 2015, por meio da equipe infantil do Club Defensor de Maldonado. Sierra era o técnico da equipe em que o menino jogava.

Apesar de Sierra ter ficado a cargo do grupo do qual Felipe fazia parte por pouco tempo, eles desenvolveram uma relação próxima.

“Ele levava e trazia Felipe dos treinos, das partidas, andavam juntos para todos os lados, ele o tratava como se fosse seu filho, e Felipe o tratava como se fosse seu pai. Por mais de uma vez, Felipe o chamou de papai”, diz Myriam Sosa, dirigente do Club Defensor Maldonado responsável pela divisão infantil.

Até sua morte, Sierra ainda trabalhava como técnico. Ele se apresentava como um “amigo da família” conta Sosa, e, por isso, ninguém estranhava tanta proximidade entre ele e o garoto.

“Fernando sempre foi uma pessoa tranquila, muito correto, muito educado com os pequenos, muito respeitoso. Ninguém podia pensar que algo assim aconteceria”, diz Sosa.

Sierra participava de reuniões na escola de Felipe, o levava e buscava depois das aulas e até mesmo viajou de férias ao Brasil com o garoto, com a permissão de seus pais.

A tia do menino diz que o pai autorizara a viagem porque a ideia original era que família toda fosse junta – ou seja, Felipe, sua mãe, sua irmã e Sierra.

‘Eu me mato’

O treinador se tornara a figura paterna de Felipe, até que, depois de algumas viagens que fizeram juntos, a psicóloga do menino chamou a mãe do garoto para conversar.

“Ela notou sinais de que algo não estava bem com Felipe”, contou a mãe do garoto ao El País . Foi recomendado que ela não deixasse mais o menino sozinho com o treinador.

A mãe de Felipe decidiu confrontar Sierra. Na quarta-feira, enquanto seu filho treinava, ela puxou Sierra de lado para conversarem a sós.

“Veja bem, Fernando, as psicólogas me alertaram que não pode voltar a ficar sozinho com Felipe. Entenda como queira. Mas precisa aceitar o que estou te pedindo. Por favor”, disse ela, como relatado ao El País .

“Se não posso mais ver o Felipe, eu me mato”, foi a resposta do treinador, segundo a mãe do menino.

Na quinta-feira, ele foi buscá-lo na escola. Ninguém estranhou, pois era comum.

O pior desfecho

O caso mobilizou o Uruguai. Foram criadas campanhas em redes sociais, e os amigos da família se ofereceram como voluntários para participar das buscas por Felipe.

O próprio Ministério do Interior se encarregou de dar a triste notícia. “A busca pelos desaparecidos teve o pior desfecho”, comunicou em sua conta no Twitter.

“Lamentavelmente, na manhã de hoje, uma equipe localizou em Villa Serrana os corpos sem vida.”

A notícia deixou a todos na cidade de Maldonado sem chão. “Aqui, todo mundo se conhece. Nunca poderíamos imaginar uma situação assim”, diz a tia de Felipe, sem conseguir conter a emoção.

p1

Avião de carga turco cai no Quirguistão; há ao menos 37 mortos

avião de carga turco caiu nesta segunda-feira (16) perto do aeroporto de Manas, no Quirguistão, matando ao menos 37 pessoas, a maioria moradores de um vilarejo atingido pelo Boeing 747, de acordo com a Reuters.

A visibilidade era ruim e havia névoa quando o piloto tentou pousar, às 7h31 (23h31 de domingo em Brasília), segundo a administração do aeroporto. O avião ia de Hong Kong para Istambul e estava prevista uma escala em Manas, cidade próxima à capital do Quirguistão, Bishkek.

Ao menos 37 pessoas morreram e 15 edificações foram danificadas pela queda do avião, de acordo com o Ministério de Emergências do país. A agência France Presse, citando fontes do governo, afirmou que um erro de pilotagem provocou o acidente.

O ministro de Transportes afirmou que havia cinco pessoas a bordo do avião, identificado como um Boeing 747-400 da Turkish Airlines. A companhia aérea, no entanto, afirma que a aeronave pertencia a outra companhia turca, a ACT Airlines.

“Nossas condolências às famílias daqueles que perderam suas vidas no trágico incidente envolvendo uma aeronave ACT Airlines no Quirguistão”, publicou a Turkish Airlines em sua conta no Twitter. A ACT confirmou à agência de notícias Reuters, que era dona do avião e disse que ele caiu ao fim da pista de pouso “por razão desconhecida”.

Equipes de resgate recuperaram o corpo de um piloto e de moradores locais até o momento.

O Quirguistão é um país da Ásia Central, ex-integrante da União Soviética, e faz fronteira com o Cazaquistão, o Uzbequistão, o Tajiquistão e a China.

Casa ficou danificada na queda de avião no Quirguistão, nesta segunda-feira (16) (Foto: Radio Free Europe/Radio Liberty/Handout via Reuters)Casa ficou danificada na queda de avião no Quirguistão, nesta segunda-feira (16) (Foto: Radio Free Europe/Radio Liberty/Handout via Reuters)

Casa ficou danificada na queda de avião no Quirguistão, nesta segunda-feira (16) (Foto: Radio Free Europe/Radio Liberty/Handout via Reuters)

Equipe de resgate trabalha no local da queda de um avião de carga turco, um vilarejo próximo ao aeroporto de Manas, no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)Equipe de resgate trabalha no local da queda de um avião de carga turco, um vilarejo próximo ao aeroporto de Manas, no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)

Equipe de resgate trabalha no local da queda de um avião de carga turco, um vilarejo próximo ao aeroporto de Manas, no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)

Membros da equipe de resgate se reúnem perto das vítimas da queda de um avião de carga turco no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)Membros da equipe de resgate se reúnem perto das vítimas da queda de um avião de carga turco no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)

Membros da equipe de resgate se reúnem perto das vítimas da queda de um avião de carga turco no Quirguistão (Foto: Vladimir Pirogov/Reuters)

 Reuters
p1

Após 7 anos, Haiti ainda tenta se recuperar de terremoto

Mesmo após sete anos da tragédia, o Haiti ainda enfrenta inúmeros problemas causados pelo terremoto que devastou o país em 12 de janeiro de 2010. Milhares de pessoas ainda estão desabrigadas, vivendo em condições precárias e enfrentando surtos de doenças.

Após o sismo de 7 graus na escala Richter registrado às 16h53 do dia 12, ao menos 230 mil pessoas morreram, outras 300 mil ficaram feridas e mais de 1,5 milhão de haitianos perderam suas casas. Desde a capital, Porto Príncipe, até em cidades menores, houve devastação em larga escala. As informações são da agência de notícias Ansa.

Diversas instituições e governos anunciaram que enviariam diversos tipos de ajuda que, mesmo constantes, não foram suficientes para dar condições dignas de vida a todos aqueles que foram afetados pelo tremor.

Uma das instituições que ajuda o povo haitiano há sete anos é a Caritas Italia, entidade gerida pela Igreja Católica, e que divulgou um relatório sobre a pobreza no mundo que tem como foco o Haiti.

Segundo a instituição, “até agora foram financiados 250 projetos de solidariedade, num montante de quase 24 milhões de euros e em diversos âmbitos”.

Além de tentar se recuperar do terremoto de 2010, o Haiti enfrentou outra catástrofe climática em 2016. Em outubro, a passagem do furacão Matthew matou mais de mil pessoas e afetou mais de dois milhões, segundo dados das Nações Unidas.

Agência Brasil

p1

Atirador mata cinco e fere oito em tiroteio em aeroporto da Flórida

Um homem armado abriu fogo nesta sexta-feira (6) no aeroporto de Fort Lauderdale, a 50 km de Miami, na Flórida (EUA), deixando cinco mortos e oito feridos, informou o gabinete do xerife do condado de Broward, onde se situa a cidade. As informações são da Agência France-Press.

“Cinco pessoas mortas; oito feridos foram levados a um hospital da região”, reportou o gabinete do prefeito do condado de Broward, em sua conta no Twitter.

Mais cedo, o gabinete do xerife havia anunciado o tiroteio no aeroporto internacional Hollywood de Fort Lauderdale, com vários mortos, e que um indivíduo estava sob custódia.

A prefeita de Fort Lauderdale, Barbara Sharief, confirmou que o atirador está sob custódia e que o motivo do ataque ainda é desconhecido.

“Era um atirador solitário e não temos evidências por enquanto de que tenha agido com ninguém mais. Ele está sob custódia e estamos investigando”, disse Sharief à rede CNN. Segundo a prefeita, o aeroporto foi fechado.

O governador da Flórida, Rick Scott, disse que estava a caminho do aeroporto para receber informações sobre o ataque.

Mais cedo, imagens de TV mostraram passageiros correndo para se proteger e outros reunidos na pista.

A Polícia informou ter emitido um alerta sobre o tiroteio às 12h55 locais (15h55 de Brasília). O aeroporto, localizado no sudeste dos Estados Unidos, serve de trânsito para turistas que embarcam em cruzeiros ou viajam para visitar países do Caribe.

“Um incidente está em curso no setor de retirada de bagagens do Terminal 2”, confirmou o aeroporto no Twitter.

O ex-porta-voz da Casa Branca Ari Fleischer também tuitou: “Estou no aeroporto de Ft. Lauderdale. Tiros foram disparados. Todo mundo está correndo”. Em outro tuíte, ele citou a polícia para informar que havia um atirador e cinco vítimas no incidente.

Agência Brasil

p1

Vietnamita é operado para retirar ‘tesoura’ esquecida em cirurgia há 18 anos

Um vietnamita passou por uma operação para remover de seu abdômen uma pinça cirúrgica esquecida pelos médicos durante um procedimento realizado há 18 anos, depois de relatar dores de estômago.

Ma Van Nhat, atualmente com 54 anos, foi submetido a uma cirurgia em 1998, após um acidente de carro, e apenas recentemente descobriu que os médicos deixaram um presente indesejado quando o fecharam.

Os médicos descobriram o instrumento cirúrgico de 15 centímetros perto de seu cólon após uma ultrassonografia recente.

O homem passou por uma operação de três horas no fim de semana para remover a pinça, de acordo com Ngo Trung Thang, vice-chefe de assuntos gerais do hospital Gang Thep Thai Nguyen, 80 quilômetros ao norte de Hanói.

“Ele está se recuperando bem”, disse Thang à AFP nesta terça-feira.

Nhat passou quase duas décadas “comendo, bebendo e tendo uma vida bastante normal”, de acordo com o site de notícias Suc Khoe va Doi Song, porta-voz oficial do Ministério da Saúde do Vietnã.

A ultrassonografia que descobriu a pinça só foi feita depois que Nhat relatou dores de estômago.

Autoridades informaram que estavam procurando os médicos que realizaram a cirurgia na província de Bac Kan em 1998, mas ainda não localizaram nenhum culpado.

p1

Turquia e Rússia fecham acordo de cessar-fogo na Síria

A Turquia e a Rússia fecharam um acordo de cessar-fogo em todo o território sírio, informou hoje (28) a agência oficial de notícias de Ancara, Anadolu. Agora, esse documento será submetido à aprovação do governo sírio e dos grupos de oposição do país que está há mais de cinco anos em guerra.

Entre os principais termos da negociação, Ancara e Moscou querem colocar a trégua em vigor já na madrugada desta quinta-feira (29) “em todas as zonas de combate entre as forças do governo e os rebeldes”. A única exceção será a continuidade de ataque contra “grupos terroristas”.

Desde a última semana, representantes do governo turco, russo e do Irã estão debatendo alternativas para por fim aos conflitos na Síria. O acordo fechado agora não inclui os ataques dos Estados Unidos e da coalizão internacional – incluindo os países europeus.

Até o acordo, o governo de Ancara não apoiava o presidente sírio, Bashar al-Assad, e realizava ataques especialmente nas fronteiras entre as duas nações – onde, além dos terroristas do Estado Islâmico (EI) e da Frente al-Nusra, combatia grupos curdos que querem criar uma região autônoma no território turco.

O que não ficou claro, segundo a Agência Ansa, é se Ancara continuará atacando os curdos. Isso porque, apesar de não contar com reconhecimento internacional, o governo de Recep Tayyip Erdogan considera “terroristas” diversos desses grupos que lutam contra seu governo.

Agência Brasil