quinta-feira, 26 abril, 2018

Gorila foge de jaula e causa pânico em zoológico de Londres

Um gorila que escapou de sua jaula obrigou os visitantes de zoológico de Londres, na região central de Regent’s Park, a se protegerem no interior de uma cafeteria e de outros espaços fechados durante cerca de três horas, até que o animal fosse capturado após ser atingido por dardos tranquilizantes.

A polícia chegou ao zoo por volta das 17h20 (13h20 de Brasília), após ser alertada por funcionários do parque, que fecharam as instalações e pediram aos visitantes que buscassem refúgio em locais fechados.

Durante o fechamento do zoo, diversas pessoas que se encontravam no recinto relataram através das redes sociais como os agentes da Scotland Yard patrulhavam armados pela parte externa dos edifícios.

As forças de segurança utilizaram um helicóptero dotado com uma câmera infravermelho, capaz de detectar o calor, para localizar o gorila, segundo os veículos de imprensa britânicos.

“Estávamos tomando um café no restaurante principal quando, de repente, fecharam o recinto com todos nós dentro e nos avisaram que tinha acontecido um incidente”, relatou à emissora “BBC Radio London” Brad Evans, umas das testemunhas do ocorrido.

“Os funcionários nos ofereceram chá e café de graça. Obviamente, perguntamos o que estava acontecendo e nos disseram que um gorila tinha escapado de sua jaula e que não poderíamos sair. Enquanto estávamos lá, vimos muitos policiais chegando com uma enorme quantidade de armas”, explicou Evans.

Outra testemunha, Jonny Briers, afirmou ao jornal “Evening Standard” que viu o gorila “forçando o vidro” de seu recinto pouco antes de o zoo emitir o alerta.

“Já tínhamos visto como ele estava fazendo isso um pouco antes. Quando estávamos saindo, começou a soar uma sirene. Vimos os funcionários do zoo correndo e eles nos avisaram para que que ficássemos dentro de algum lugar fechado. Fomos até o aquário e eles fecharam as portas”, detalhou Briers.

G1

Indonésia aprova pena de morte e castração química para pedófilos

O Parlamento da Indonésia aprovou novas medidas punitivas, entre elas a pena de morte e a castração química, contra os culpados por violência sexual a menores, publicaram nesta quinta-feira (13) diversos veículos de imprensa locais.

A medida, proposta pelo governo do primeiro-ministro Joko Widodo, também permite o uso de aparelhos eletrônicos de rastreamento para aqueles criminosos colocados em liberdade após cumprir suas penas.

Esta regulamento controverso, aprovado na quarta (12), criou uma preocupação na câmara com a oposição de três partidos políticos que obrigou a debater a série de medidas durante os últimos dois meses, segundo o jornal “Jakarta Globe”.

Alguns dos partidos permanecem “indecisos” diante da falta de explicação do Executivo sobre o procedimento para implementar a castração química. Associações médicas do país também remeteram suas objeções éticas pelo uso do castigo.

Widodo propôs a mudança legislativa, no mês de maio, depois do estupro coletivo a uma menina de 14 anos e seu posterior assassinato em uma escola da ilha de Sumatra, no oeste da Indonésia. O caso envolveu manifestações de ativistas e incendiou as redes sociais em uma chamada para reforçar as punições para os crimes de pedofilia.

G1

Jovem morre após jejum religioso de 68 dias

Uma adolescente de 13 anos morreu após passar 68 dias sem comer, na Índia. Aradhana Samdariya ingeria apenas água quente, seguindo uma tradição do Jainismo. A morte levantou um debate sobre os limites destas práticas religiosas.

A menina morreu dois dias após o término do jejum. A denúncia de uma organização que defende os direitos das crianças provocou as investigações da polícia local.
“Os pais dela, Laxmi Chand e Manshi Samdariya, estão sendo acusados de homicídio culposo (causar morte por negligência) e crueldade contra menores”, afirmou um porta-voz das autoridades indianas à BBC.

Os pais da menina disseram que não a forçaram a fazer o jejum. “Ela pediu permissão para jejuar. Falamos para ela parar depois de 51 dias, mas ela não queria desistir. Foi voluntário, ninguém a forçou”, disse o pai da jovem.

No entanto, os ativistas argumentaram que “o guru da família disse a eles que, se a filha ficasse 68 dias sem comer, os negócios deles iriam prosperar”.
Mas ativistas argumentam que os pais queriam que a menina jejuasse porque “o guru da família disse a eles que, se a filha ficasse 68 dias sem comer, os negócios deles iriam prosperar”.

Jejum

O jejum é uma prática comum das religiões indianas, especialmente o Jainismo. A eligião é conhecida por jejuns prolongados e por um ritual chamado santhara, quando a pessoa deixa de comer e beber para se preparar para a morte.

Jornal de Brasília

Bebê morre em creche após se enforcar com o próprio colar

Uma criança de apenas 1 ano e 6 meses morreu após ter se enforcado com o colar que usava. O caso aconteceu em uma creche em Fontana, na Califórnia, Estados Unidos, no último dia 5.

De acordo com o jornal “Daily Mail”, o menino chegou a ser socorrido e hospitalizado, mas não resistiu. O caso está sendo investigado pelas autoridades da região.

Funcionários da creche relataram que as crianças estavam “na hora do cochilo”, no momento do acidente. O bebê usava um cordão feito com pedras de âmbar.

A mãe da vítima, Danielle Morin, chegou ao local por volta das 17h, quando o filho era socorrido por paramédicos. O menino chegou a ficar internado por cinco dias, mas seu estado de saúde piorou. Com isso, na última segunda-feira (10), a mãe concordou que ele fosse tirado do suporte de máquinas que o mantinham vivo.

Segundo Danielle, os funcionários da creche não deram a ela muitas explicações sobre o ocorrido. O local já havia sido investigado anteriormente pelo Departamento de Serviço Social da Califórnia.

 Jornal de Brasília

Obama anuncia missão tripulada para Marte na década de 2030

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, escreveu um artigo para a emissora CNN nesta terça-feira (11) em que afirma que seu país fará missões tripuladas a Marte na década de 2030. As informações são da Agência Ansa.

“Nós temos uma meta clara e vital para o próximo capítulo da história espacial dos Estados Unidos: enviar humanos para Marte na década de 2030 e trazê-los em segurança de volta para a Terra, com a ambição de ficar por lá por um tempo prolongado”, escreveu o presidente.

Segundo Obama, para atingir o objetivo é preciso “continuar com a cooperação entre o governo e inovadores privados e nós estamos prontos para seguir nosso caminho”. “Dentro de dois anos, as empresas privadas vão enviar pela primeira vez astronautas para a Estação Espacial Internacional”, acrescentou afirmando que mais de “mil empresas” estão trabalhando atualmente em iniciativas privadas para o Espaço.

O mandatário ressaltou ainda que as missões que vão ser realizadas nos próximos anos, tanto pela Nasa como pelas empresas privadas serão um aprendizado. “[As missões] irão nos ensinar como humanos poderão viver longe da Terra – algo que nós precisaremos entender para as longas jornadas para Marte”.

Obama ainda falou sobre sua empolgação pelas missões espaciais desde quando era criança no Havaí e ressaltou os “grandes investimentos” feitos por seu governo, desde 2008, na modernização da Nasa.

“Eu ainda tenho o mesmo sentimento de admiração sobre nosso programa espacial que eu tinha quando criança. Ele representa parte essencial de nosso caráter – curiosidade e exploração, inovação e ingenuidade, forçando os limites do que é possível e fazê-lo antes de qualquer pessoa”, destacou Obama lembrando que os norte-americanos já enviaram missões de reconhecimento a todos os planetas do Sistema Solar, até mesmo para Plutão.

Da Ansa

Coreia do Sul diz que está pronta para ataque preventivo contra Coreia do Norte

A Coreia do Sul está pronta para fazer um ataque preventivo contra a Coreia do Norte caso apareçam sinais de uso iminente de armas nucleares pelo país. A informação foi dada hoje (10) pelo representante do Ministério da Defesa da República da Coreia, Mun San Gun.

Segundo a agência Yonhap, que cita Mun San Gun, a Coreia do Sul “poderá realizar um ataque preventivo baseando-se no direito à autodefesa”.

O anúncio é feito no início das manobras navais conjuntas das marinhas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos – Invincible Spirit 2016 -, que ocorrem ao longo de toda a extensão da costa sul-coreana, no Mar Amarelo, Mar do Japão e perto da ilha de Jeju.

Participa dos exercícios o porta-aviões americano Ronald Reagan, que se encontra na Base Militar em Yokosuka, no Japão. O navio tem capacidade para transportar cerca de 80 aviões e 5,4 mil homens. O Ronald Reagan está acompanhado pelos destróiers Curtis Wilbur (DDG-54), John S. McCain (DDG-56), Fitzgerald (DDG-62), Stethem (DDG-63) Barry (DDG-52), sendo também possível a participação do bombardeiro estratégico stealth B-2, que será deslocado a partir da Base Aérea americana de Andersen, na ilha de Guam, no Pacífico. Espera-se que os exercícios conjuntos sirvam de alerta para a Coreia do Norte.

No dia 9 de setembro, apesar da proibição por parte do Conselho de Segurança, a Coreia do Norte fez seu quinto teste nuclear, considerado o maior da história do país, com potência equivalente a 10 toneladas de explosivo. Todos os três mísseis lançados caíram na zona econômica exclusiva do Japão, o que foi avaliado como uma ameaça direta para a segurança do país.

Sputnik

Presidente colombiano Juan Manuel Santos ganha Nobel da Paz 2016

O presidente colombiano Juan Manuel Santos ganhou o Prêmio Nobel da Paz pelo esforço de pacificação do país, que vive uma guerra civil que já dura mais de 50 anos. Ele foi um dos líderes da negociação que chegou ao acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). O acordo, entretanto, foi rejeitado em referendo. O anúncio da premiação foi feito nesta sexta-feira (7), em Oslo, na Noruega.

“O fato de a maioria dos eleitores ter dito não ao acordo de paz não significa necessariamente que o processo de paz está morto”, disse a presidente da Comitê Nobel norueguês, Kaci Kullmann Five, segundo a France Presse.

O presidente colombiano disse estar emocionado e grato pelo prêmio, disse um representante do comitê à emissora NRK, segundo a Reuters.

Esforço pela paz
O acordo de 297 páginas, que foi elaborado durante 4 anos em Havana, aconteceu após três tentativas fracassadas durante os governos de Belisario Betancur, César Gaviria e de Andrés Pastrana. A vitória do “Não” no plebiscito de domingo (2) tinha sido considerado um duro golpe ao governo de Santos e teria colocado em dúvida o sucesso do processo para superar o conflito.

O resultado apertado das urnas – 50,21% para o “Não” e 49,78% para o “Sim” – evidencia um país dividido sobre como alcançar a paz que todos dizem almejar. Grupos contrários ao acordo, liderados pelo ex-presidente Álvaro Uribe, acusam o governo de ceder demasiadamente à pressão das Farc e de deixar abertura para que os guerrilheiros não sejam punidos. Apesar da rejeição, o cessar-fogo continua.

Santos tem 65 anos e se formou em Harvard. Ele vem de uma das famílias mais ricas da Colômbia, segundo a agência Associated Press. Como ministro da Defesa há uma década, ele foi responsável por alguns dos maiores reveses militares dos rebeldes das Farc, incluindo uma incursão em 2008 na região da fronteira com o Equador, que resgatou três norte-americanos que eram mantidos em cativeiro havia mais de cinco anos.

O conflito na Colômbia provocou a morte de 260 mil pessoas e deixou quase 7 milhões de deslocados internos e 45 mil desaparecidos.

G1

Após morte de filha recém-nascida, pai mata pediatra

Um pediatra morreu esfaqueado no hospital da cidade de Laiwu, na China. Li Bohua. 34 anos, levou 15 facadas. O suspeito do assassinato, identificado como Chen Jianli, é o pai de uma menina que morreu pouco após seu nascimento.

A recém-nascida morreu em decorrência de uma pneumonia. Chen já está detido e aguarda o término da investigação para que seja julgado. Ele utilizou uma faca e um punhal no crime.

As informações são do jornal “South China Morning Post”.

Em 2 dias, Itália salva quase 11 mil imigrantes em embarcações ilegais

Mas drama das mortes durante as travessias continua, com o resgate de 28 corpos que estavam nos barcos

Nas últimas 48 horas, a Central de Operações da Guarda Costeira de Roma coordenou 78 distintas ações em alto-mar, que salvaram quase 11 mil imigrantes que estavam em embarcações ilegais no Mar Mediterrâneo.

Só nesta quarta-feira (5), 33 operações salvaram mais de 4,6 mil pessoas. Porém, o drama das mortes durante as travessias continua, com o resgate de 28 corpos que estavam nos barcos que tentavam chegar à Itália através do Canal da Sicília. Os mortos se juntam a outras 10 vítimas fatais resgatadas entre domingo (2) e segunda-feira (3) no mesmo local.

As milhares de pessoas estão sendo transportadas tanto por navios da Guarda Costeira e da operação europeia Frontex, como em embarcações comerciais que estão próximas aos locais de resgate.

Assim que conseguem subir a bordo de barcos mais seguros, os imigrantes são levados aos portos italianos que fazem a identificação das pessoas e as encaminham para centros de acolhimento geridos por diversas entidades locais e internacionais.

Em um desses salvamentos, o Corpo de Socorro italiano precisaram fazer três partos emergenciais nos próprios navios. Desde o início da crise imigratória, há cerca de quatro anos, milhares de mulheres, crianças e adolescentes tentam uma vida melhor na Europa fugindo de guerras, da fome e de conflitos civis.

De acordo com dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 302,9 mil pessoas chegaram à Europa pela travessia do Mar Mediterrâneo. Além disso, 3,5 mil perderam a vida durante a navegação – sendo mais de três mil delas nas rotas que levam às ilhas do sul italiano. (ANSA)

Comissão parlamentar polonesa rejeita proibição de aborto

Decisão ocorreu após milhares de mulheres irem às ruas protestar

Após os protestos maciços dos últimos dias, comissão do parlamento polonês recomendou a rejeição da proposta que pretende proibir, em absoluto, o aborto no país. Agora, a recomendação será submetida à votação do plenário da Câmara, o que deve ocorrer amanhã.

A decisão foi revelada pouco depois que o vice-primeiro-ministro da Polônia, Jaroslaw Gowin, reconheceu que asmanifestações das mulheres contra a proibição total do aborto tinham feito o seu partido, que governa com maioria absoluta, refletir sobre o assunto. Por isso, ele garantiu que o parlamento não aprovará a proposta.

Por sua vez, a Igreja Católica polonesa reiterou hoje, em comunicado, seu apoio à proibição, embora se distanciou da possibilidade de impor penas de prisão para as mulheres que abortem e para os médicos que pratiquem a interrupção da gravidez.

A proposta, que incluía penas de prisão para as mulheres que interrompessem voluntariamente a gravidez, foi admitida para trâmite parlamentar em 23 de setembro.

A legislação vigente, que data de 1993 e é considerada uma das mais restritivas da Europa, só permite a interrupção da gravidez em caso de violação ou incesto, quando representa um risco para a saúde da mãe e quando o feto apresenta más-formações graves.

Notícias ao Minuto