quinta-feira, 24 agosto, 2017
Foto/divulgação

Confira 7 benefícios que trabalhar fora traz às mães

Um estudo recente, feito pela American Psychological Association, concluiu que mães que trabalham em período integral são mais felizes e saudáveis do que as que não trabalham. Baseado na pesquisa, o site Your Tango listou 7 benefícios que a um emprego pode trazer para as mamães e suas famílias:

1. Realização pessoal

Após a maternidade, é normal que a maioria das mulheres deixe paixões, talentos e objetivos de lado. No entanto, essa atitude pode fazer com que ela se sinta insatisfeita e até ressentida.

 

2. Controle financeiro

Por também contribuir financeiramente para o funcionamento da casa, a mãe que trabalha não fica dependente apenas dos ganhos do marido. Além disso, o fato de ter um salário e participar da vida financeira da família faz a mulher se sentir confiante, apta a tomar decisões sobre dinheiro e acaba com a culpa por estar gastando os ganhos de outra pessoa.

 

3. Identidade própria

Ser mãe não deve fazer com que as mulheres abandonem suas identidades próprias, mas é comum que isso aconteça. Trabalhar fora permite e até exige que ela mantenha sua identidade. Essa atitude é importante até para a criança que, conforme cresce, descobre que é um ser humano independente da mãe. Além disso, mulheres que não têm sua própria identidade podem encontrar problemas na hora de deixar seus filhos crescerem e serem independentes.

 

4. Vida social

Mesmo que ser mãe signifique ter dias cheios e uma companhia constante, muitas mulheres se sentem sozinhas e isoladas. Afinal, a maternidade traz muitas mudanças e manter o contato com amigos se torna um verdadeiro desafio. Trabalhar em tempo integral garante que a mulher tenha a oportunidade de constuir e manter conexões sociais com adultos. Pode parecer simples, mas, para algumas mães, essa atitude ajuda a mantê-las sãs.

 

5. Independência

Ter um emprego pode fazer com que a mulher se sinta no controle de sua vida. Ao mesmo tempo em que valoriza a contribuição do marido, ela sabe que não depende dele para viver. E essa sensação de auto-suficiência é importante para a autoestima de uma mãe.

 

6. Pai e marido mais dedicado

Uma das maiores vantagens de trabalhar fora é que a ausência da mulher em alguns momentos vai ajudar o homem a se tornar um pai e marido mais dedicado. Com a jornada dupla da mãe, o pai participa mais da rotina da criança e cria novos vínculos com os filhos.

 

7. Exemplo para os filhos

Trabalhar fora dá às mulheres a oportunidade de ser um exemplo completo para seus filhos, afinal ela pode ensiná-los muito sobre prioridades, decisões e sacrifícios. Filhos de mães que trabalham em tempo integral aprendem mais cedo que há recompensas para quem trabalha duro, como férias em família, melhores estudos, prática de esportes e outras atividades, entre outros benefícios.

¨¨ Terra ¨¨

Foto/divulgação

10 passos para mulheres ganharem mais

Ganhar mais, quem não quer? A maioria de nós busca isso se dedicando mais, estudando mais, trabalhando mais. No entanto, pode não ser suficiente.

Muitas mulheres, por exemplo, costumam achar que fazendo bem o que tem que ser feito é o suficiente para avançar no mercado corporativo. Não é bem assim, de acordo com Denise Damiani e Cyntia de Almeida, autoras do livro Ganhar mais, gastar menos e investir, o livro do dinheiro para as mulheres. Segundo elas, a remuneração tende a aumentar quando entendemos o próprio valor pessoal, divulgamos o trabalho que está sendo feito e nos mantemos conectados com “mentores”, ou seja, pessoas que verdadeiramente possam nos ajudar a crescer no ambiente corporativo.

Muitas mulheres acham que o resultado do trabalho fala por si só e que é “feio” falar em dinheiro. Inclusive, estudos recentes comprovam que ao receber uma oferta de emprego, na grande maioria dos casos, a mulher aceita o primeiro salário que lhe é oferecido, diferentemente dos homens que negociam.

Para mudar isso, vamos falar de dinheiro, de remuneração e encontrar o caminho para ganhar mais. A coluna separou os 10 passos ensinados no livro do dinheiro para as mulheres. Em síntese, são pequenos esforços que repetidos dia após dia podem fazer uma grande diferença na sua vida e, inclusive, no seu orçamento.

 1. Valorize-se desde o princípio
Se possível, comece negociando o valor que irá cobrar pelo seu trabalho. Convém avaliar se há margem para subir o valor, mesmo se não for possível é importante que fique claro seus interesses quanto à remuneração.

2. Conheça o terreno como a palma da sua mão
Saiba se tem muita gente fazendo o que você faz, quanto é pago, quem paga, se é uma onda passageira ou se tem potencial de crescimento, por exemplo. Essas são algumas das perguntas que pode começar se fazendo. Além disso, converse com 15 a 20 pessoas próximas e tire daí uma reflexão positiva sobre o seu mercado repetindo as questões-chave para ficar mais clara a situação no seu nicho.

3. Diga sim ao trabalho, às pessoas e ao sucesso
É preciso aceitar os desafios que resultem em sucesso e visibilidade e otimizar seus esforços e seu tempo. Abrace missões desafiadoras e não se esconda atrás de pequenas tarefas que ocupam seu tempo. Quando a gente gosta do que faz é mais fácil encontrar entusiasmo e motivação.

4. Não tenha vergonha de se vender
Não adianta ter uma ideia incrível, batalhar ou fazer um trabalho excepcional se não souber vender. Não seja modesta em relação à sua qualificação ou às suas realizações. Vender ou se vender é uma questão de sobrevivência. Ache o seu jeito, o importante é comunicar.

5. Cultive relacionamentos positivos
Significa criar laços e alianças com outros profissionais entusiasmados e dedicados ao trabalho. Procure um chefe que seja seguro o bastante para reconhecer seu valor sem temer a concorrência, nem esconder ou sabotar seu desempenho. O fluxo da positividade só traz benefícios para você e para os outros. Troque, compartilhe, se aproxime de quem admira.

6. Procure um mentor
Um mentor é um profissional da sua área que tem mais experiências e que se dispõe a orientá-lo em sua carreira. Cultive essas relações. Outra forma de ter um mentor é por meio de livros, ler biografias de empresários ou profissionais de destaque pode não se reverter em ganhos diretos, mas traz insights valiosos sobre estratégias e atitudes que podem virar vantagens para você.

7. Esqueça a linguagem dos sinais
Tudo o que você quer deve ser dito claramente e direcionado à pessoa certa. Se você deseja subir na empresa, assumir novos desafios, expandir seu negócio ou mudar de rumo, seja direta. Expresse sua vontade. Se estiver com medo de ser considerada agressiva, saiba que assertividade e agressividade são bem diferentes.

8. Não se perca no meio do trajeto
Essa dica é importante especialmente para quem tende a se perder em algum ponto do caminho, seja por falta de meta ou foco. Para saber se está no caminho em direção a maiores ganhos, peça feedback e saiba ouvir o que seus chefes têm a dizer. A reposta revelará os próximos passos dentro ou fora da empresa que está, na tarefa que executa ou em outros caminhos que ainda vai buscar. Ouça!

9. Cuide do emocional
Para ter sucesso é fundamental treinar sua capacidade de ouvir negativas sem se deixar abalar. Isso é especialmente verdadeiro quando lidamos com vendas – seja de produtos, serviços ou da própria imagem. Temos que aprender a ouvir muitos nãos, mas sempre partir para o próximo contato pensando no sim, que deve estar no nosso horizonte sem preguiça e sem medo. A sorte vem disfarçada, muitas vezes de um não agora para um belo sim depois.

10. Mantenha sempre um lastro financeiro
A segurança financeira lhe dará a coragem para fazer movimentos arriscados, negociar condições interessantes de salário e batalhar pelo que você deseja. Essa reserva de emergência pode exercer efeitos incríveis sobre sua autoestima, poder de negociar e finanças como um todo. Além de tudo o que foi dito, lembre-se que ganhar mais é bom, especialmente se for combinado com o gastar menos e investir. Uma pessoa pode ser rica ganhando R$ 5 mil por mês e poupando R$ 3 mil em vez de alguém que ganha R$ 100 mil e gasta R$ 110 mil. Vá em frente, dê o primeiro passo e comunique o que você quer!

¨¨ Revista Donna ¨¨

Foto/divulgação

Pesquisa revela que mulheres lideram a maioria das novas empresas no Brasil

Global Entrepreneurship Monitor 2016pesquisa desenvolvida pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), revelou que 51,5% das empresas brasileiras criadas nos últimos três anos e meio são fruto de projetos pensados e executados por mulheres. Entre as áreas de maior atuação, estão serviços domésticos e beleza.

Quase metade (48%) das empreendedoras afirma ter aberto um negócio por necessidade, reflexo da recente crise em grandes empresas, que afetou a renda de inúmeras famílias no país. Nos novos negócios, além de serviços domésticos e de beleza, as empresárias oferecem opções em vestuário e acessórios (12,3%) e alimentação (10,3%)

Mesmo com a crescente presença empreendedora, as mulheres continuam em minoria nos cargos de liderança de marcas já consolidadas. Nesse caso, os homens ocupam 57,3% dos cargos. A diferença, no entanto, já foi maior. Em 2009, ultrapassava 14%, índice que começou a diminuir no ano seguinte.

O relatório ressalta ainda que as mulheres investem mais em novas empresas, mesmo com mais dificuldades de fazer os negócios prosperarem. “Tal fenômeno pode estar associado a condições como preconceito de gêneromenor credibilidade pelo fato de o mundo dos negócios ser mais tradicionalmente associado a homens, maior dificuldade de financiamento e dificuldade para conciliar demandas da família e do empreendimento“.

¨¨ Revista Donna ¨¨ 

Foto/divulgação

Receita de Quibe de Forno

Aprenda a preparar passo a passo essa deliciosa receita de Quibe de Forno, é fácil, rápida e super prática. 

O quibe é um prato típico do Oriente médio, mas faz muito sucesso entre os brasileiros. Existem várias receitas para o preparo do quibe, hoje trouxemos a receita de quibe de forno.

Ingredientes

Massa
300 g de trigo para quibe;
500 g de carne moída;
4 dentes de alho pequenos amassados;
1 cebola pequena ralada ou cortada (como preferir);
Sal a gosto;
6 folhas de hortelã picadas;
1 cubinho de caldo de carne;
3 colheres de sopa de azeite;
3 copos de água fervida.Recheio:

Recheio
1 pote de cream cheese;
2 copos de requeijão;
50 g de queijo parmesão ralado.

Modo de preparo

Recheio
Misture bem os três ingredientes e reserve.

Quibe
Deixe uma assadeira média untada com azeite reservada.
Coloque a farinha para quibe numa vasilha e despeje aos poucos os 3 copos de água fervida para hidratá-la. Deixe descansar enquanto tempera a carne.
Misture o alho, a cebola, a hortelã, e o sal na carne moída.
Junte a farinha para quibe com a carne temperada até ficar bem misturadinho.
Coloque uma camada fina da massa no fundo e nas laterais da assadeira, depois despeje o recheio e espalhe bem.
Coloque o resto da massa por cima, com muito cuidado porque o recheio fica molinho. Despeje um pouco de azeite por cima.
Leve ao forno preaquecido por um período de 20 a 25 minutos.
Obs: Não deixe muito tempo no forno para não ficar ressecado.

Dica
Se preferir, acrescente no recheio cenoura ralada, ervilha, azeitona ou milho. Fique à vontade para incrementar a receita.

¨¨ Portal Angels ¨¨ 

 

Foto/divulgação

Atitudes que trazem sorte para o seu dia a dia

Muitas pessoas usam objetos, talismãs, fazem simpatias e orações para atrair boa sorte no dia a dia. Entretanto, algumas mudanças de hábitos e comportamento também podem ajudar aumentar a chance de coisas boas acontecerem.

Existem aspectos da vida sobre os quais não temos controle, mas em outros é possível executar ações para alcançar o que queremos, desenvolvendo suas qualidades pessoais, é possível vencer a má sorte. Não basta ter boa sorte se a pessoa não consegue segurar as rédeas da própria vida.

Sendo a sorte o resultado de qualquer ação, a boa ou a má sorte depende do processo decisório. Por isso, quando se decide tomar uma decisão, é preciso colocá-la em prática. Um exemplo muito comum é aquela pessoa que se dá conta que precisa emagrecer, mas não faz qualquer movimento para perder peso. Não muda a alimentação e continua sedentária. Inevitavelmente ela terá um mau resultado, ou uma má sorte.

Pessoas sortudas não esperam as coisas acontecerem, elas têm participação ativa em suas vidas, pois executam ações específicas para conseguir o que querem. Ao longo dos anos, essas ações se tornam hábitos e a boa sorte as acompanha para sempre. Para incorporar tais hábitos e impulsionar a boa sorte, trouxemos algumas dicas que podem ajudar você controlar as forças do destino, superando as adversidades e obter êxito em suas ações.

– Agir com cautela. Isso não significa ser pessimista ou ter medo de se arriscar, mas pensar duas vezes antes de agir dá tempo ao seu consciente e subconsciente de analisar condições importantes. Manter-se sempre alerta também é uma ótima maneira de não deixar oportunidades passarem.

– Conversar com as pessoas. Ter contatos é um fator importante para aumentar as possibilidades de boas oportunidades aparecerem. Por isso, procure não se isolar ou evitar aproximar-se e fazer amigos: pode ser que na fila do supermercado você conheça uma pessoa valiosa em sua vida.

– Não se deixe convencer do seu azar. Em vez de culpar sua má sorte por algo que deu errado, seja crítico, identifique os motivos do seu problema, aprenda com o erro e siga em frente.

– Tenha menos medo. Se você, frequentemente, se vê com medo e acuada ao ter que tomar decisões, pode estar deixando passar boas oportunidades. A chance que você esperava pode estar em uma direção que você não esperava seguir, por isso, não se acanhe em frente à possibilidade de mudanças.

– Ouça sua intuição. Atente-se à sua voz interior na hora de tomar decisões porque a intuição considera aspectos que, muitas vezes, você não sabia que eram importantes para você. Isso não significa que você deve agir impulsivamente, mas não desconsidere seus sentimentos.

– Saiba o que importa para você. Focalize seu tempo e energia nas coisas que são importantes, tanto no trabalho quanto no lazer.

– Você pode fazer. O sucesso da vida é impulsionado por uma combinação de habilidades e motivação; um alimenta o outro.

– Molde sua aprendizagem. Não tenha medo de dizer ‘Eu não sei’. Ao admitir que desconhece algo, terá curiosidade de ir em busca da resposta e ganhar mais conhecimento.

– Trabalhe duro. Não se trata de suar a camisa. As pessoas de melhor desempenho sabem quando precisam focalizar seus esforços para ter o máximo de resultados.

– Viva o momento. A espontaneidade é uma parte crucial da vida, rigidez excessiva significa perder oportunidades e diversão.

– Compartilhe o sucesso. Elogios e agradecimentos criam uma atmosfera positiva. Mostre apreciação pelo sucesso dos outros.

¨¨ Portal Angels ¨¨

Foto/divulgação

Umectação reversa: aprenda o passo a passo da técnica para nutrir os cabelos ressecados

O óleo de coco, o de rícino ou mesmo o azeite de oliva são ótimas opções. No caso do azeite, ele precisa ser extravirgem com acidez de 0,1% a 0,5%

Existem diversas formas de usar óleo vegetal nos cabelos. A mais popular é a umectação capilar, que nutre profundamente os fios, reduzindo o frizz e devolvendo o brilho e maciez. Mas você sabia que existe uma nova técnica que também promete deixá-los bem mais saudáveis e nutridos? É a umectação reversa, muito indicada para quem está com as madeixas porosas e ressecadas. Vem saber mais sobre esse tratamento e aprenda o passo a passo!

A umectação reversa é feita nos cabelos ainda úmidos

A gente está acostumada a aplicar o óleo vegetal nos cabelos secos e semisujos, pois, dependendo do produto natural usado, ele não penetra nos fios. Por isso, a cutícula não precisa estar aberta para receber os nutrientes.

Na umectação reversa, o processo é diferente. Você vai lavar os cabelos e aplicar somente algumas gotas do óleo misturadas à sua máscara de hidratação nas partes mais detonadas dos seus fios. Esse método vai potencializar a nutrição e deixá-los mais soltinhos, alinhados e sedosos, além de ser muito prático de fazer.

Qual óleo posso usar na umectação reversa?

Não existe restrição de produto ao fazer essa técnica de nutrição. Vale lembrar, no entanto, que o óleo vegetal precisa ser puro, totalmente natural. Por isso, fique sempre de olho na composição! Algumas boas opções são o óleo de coco, o de rícino – que ainda estimula o crescimento capilar -, de abacate ou mesmo o azeite de oliva. No caso do azeite, deve-se usar o tipo extravirgem com acidez de 0,1% a 0,5%, mais do que isso não é recomendado, ok?

Aprenda o passo a passo do tratamento para nutrir os cabelos

A umectação reversa é muito fácil de fazer e você só vai precisar de 30 minutos. Quanto mais poroso estiver o seu cabelo, melhor será investir em óleos mais densos, como o de coco, para uma nutrição mais profunda. No entanto, se estiver acostumada com outro produto natural, não tem problema! Confira o passo a passo:

1º passo: lave os fios somente com shampoo para retirar as impurezas dos fios. É indicado, nesse caso, um produto antirresíduos, para uma limpeza mais completa.

2º passo: depois da lavagem, retire o excesso da umidade com uma toalha de microfibra, sem secar completamente os cabelos.

3º passo: aplique por todo o comprimento e pontas a sua máscara de hidratação. O óleo vegetal é nas partes que estão mais ressecadas ou danificadas por conta de química. A quantidade varia conforme a sua necessidade.

4º passo: prenda os cabelos e deixe a mistura agir por 30 minutos. Em seguida, enxágue bem somente com água fria e finalize com o seu creme para pentear de costume. O resultado é incrível!

¨¨ Fique Diva ¨¨

Foto/divulgação

10 atitudes simples para te ajudar a superar a insegurança

O fantasma da insegurança vem assombrando a sua vida? Pequenas mudanças de comportamento podem te ajudar a lidar melhor com esse sentimento

Sabe quando bate aquele medo ou aquela sensação de impotência que não te deixa seguir em frente? Essa é a insegurança, uma sensação conhecida por quase todo mundo justamente porque ela não precisa aparecer como um problema constante e de forma geral. Na verdade, a insegurança está presente em diferentes aspectos da vida, dependendo de cada pessoa e de suas experiências anteriores.

“Quando falamos de insegurança, falamos de algo muito amplo. Isso é importante de se colocar porque não necessariamente eu sou uma pessoa insegura em todos os âmbitos. Posso ser uma pessoa insegura sexualmente, mas, por outro lado, sou segura profissionalmente. Posso falar bem em público, mas não conseguir lidar com meu nu. Ou então, sou segura pra estar entre os amigos mas, em contrapartida, não consigo dialogar com os meus pais. Então, a insegurança acontece de acordo com a personalidade, com a essência e com a experiência, aquilo que a pessoa arrecadou e aquilo que ela absorveu”, explica a psicóloga clínica Pâmela Magalhães.”

É com o exercício de um rever histórico-pessoal que se pode perceber onde a insegurança de cada um está mais destacada e então começar a fazer movimentos para se livrar dela de uma vez. A insegurança, se não combatida, pode gerar um desconforto real, atrapalhar a vida social, profissional, amorosa, entre outros aspectos.

A boa notícia é que a insegurança pode ser combatida e todos têm esse poder. Aproveite essas dicas preciosas e simples que vão te ajudar a lidar com esse sentimento:

1. Trabalhe o autoconhecimento

Um primeiro passo importante é o autoconhecimento. Quanto mais você conhecer a si mesma, mais fácil será identificar onde está sua insegurança e, a partir daí, perceber quais pequenas mudanças pontuais podem ser tomadas para começar a driblar esta condição.

2. Busque exemplos em quem você admira

Encontre pessoas e atitudes que podem ser referências pra você. Por exemplo, você tem medo de falar em público? Que tal observar grandes oradores e perceber como eles se apresentam diante de uma plateia? Imitando alguns ideais de segurança, você vai poder aos poucos internalizar aquela forma de se colocar, ficando mais segura e com mais repertório. Gradualmente, você perceberá que o imitar vai se transformando em seu próprio modo de agir, mais consistente e seguro.

3. Um passo de cada vez

A psicóloga Pâmela Magalhães sugere que começar com pequenos passos pode facilitar muito o processo: “uma dica legal é não pensar, logo de primeira, em grandes passos, em coisas barulhentas, porque é capaz da preguiça falar muito alto. Então, comece a fazer pequenos movimentos e assim vá se ajustando e se encorajando para seguir em frente. Deste modo, nos tornamos mais aptos e estimulados para algo maior ainda. Esse ciclo construtivo vai se desenvolvendo até que grandes coisas possam realmente ser efetivadas”.

4. Escute mais a si mesma

Um importante aspecto para superar a insegurança é focar mais em si mesma do que nos outros. Escutar as expectativas externas é sempre importante, mas ainda mais essencial é que você ouça as suas vozes internas. Focar no que o outro espera pode fazer com que você se esqueça do que realmente é importante para você mesma. Procure priorizar suas escolhas e intenções, pois buscar corresponder ao que as pessoas esperam pode ser um caminho eterno e sem fim.

5. Cuide de si mesma

Segurança e autoestima caminham lado a lado e uma pode influenciar na outra. “A insegurança está muito relacionada à autoestima. Procure fazer carinho em si própria, se estimar mais porque, quando isso acontece, nossa autoestima fica mais alimentada. Fazer coisas boas para si, cuidar do corpo, cuidar da saúde mental, cuidar do repertório para que ele fique cada vez mais firme, ir em busca de alguma coisa que você tem interesse, fazer movimentos benéficos para si mesma… Tudo isso faz com que a gente fique mais seguro com nossa autoestima, deixando cada vez menos espaço para a insegurança”, comenta Pâmela Magalhães.

6. Esqueça as inseguranças do passado

Será que você não está carregando crenças limitantes lá dos tempos do “arco-da-velha”? Se ontem você não conseguiu realizar alguma coisa, pode ser que hoje você já consiga. Às vezes uma pessoa acredita que é insegura em certo aspecto, mas essa sensação está baseada em uma experiência de muito tempo atrás que talvez já não seja real. Por exemplo, existem pessoas que há anos consideram que não têm capacidade de emagrecer. Outras que, por conta de uma experiência na juventude, acham que falar em público é muito difícil. Evite repetir para si inseguranças antigas quando, na verdade, a realidade já não é mais a mesma. Essa repetição pode favorecer a permanência da insegurança na sua vida.

7. Não se renda

Muitas vezes a insegurança está atrelada a uma desistência, um “largar de mão” de si próprio. Nesse caso, a pessoa fica no mesmo lugar esperando que algo milagroso aconteça. Comece a fazer movimentos para si própria, buscando o que é preciso fazer e que movimentos são possíveis no momento: “Não nascemos seguros, não nascemos cheios de parâmetros. Não nascemos, andando nem com o vocabulário que temos hoje. Não nascemos psicólogos ou jornalistas, mas sim, vamos adquirindo essas seguranças. Ou seja: o mesmo processo é possível com a segurança. Ela pode ser adquirida e esse movimento depende do impulso de cada um”, completa a psicóloga Pâmela Magalhães.

8. Pense positivo

As comparações com outras pessoas que conseguiram conquistar certas coisas que almejamos é um beco sem saída. Como dito antes, cada pessoa tem suas experiências e seus tempos. Ao visualizar pessoas que são referências no que você quer alcançar, em vez de supervalorizar a idade, o salário ou os resultados obtidos por outros, pense em como você pode chegar lá e evite ao máximo fazer comparações: elas podem tirar completamente sua energia de mudança.

10. Em crises, comece com algo em que você tem segurança total

Deu tudo errado, sua autoestima está te boicotando, entrou em um parafuso de insegurança achando que não vai conseguir alcançar tal objetivo? Uma boa dica para sair destas crises é fazer algo pequeno, mas que você saiba fazer muito bem. Você é boa na cozinha? Que tal largar tudo por alguns momentos e preparar aquele prato que você sabe que vai sair perfeito? Dessa forma os sentimentos de impotência ou de inaptidão vão diminuindo aos poucos e o monstro da insegurança é enfraquecido.

A insegurança pode nos acompanhar por toda a vida, em diferentes níveis, em diferentes aspectos da vida. O mais importante é saber que ela pode ser superada, através de pequenos passos e de pequenas mudanças de comportamento. Não se deixe derrotar por esse fantasma, agarre essas dicas e siga em frente cada vez mais preparada!

¨¨ Dicas de Mulher ¨¨

Foto/divulgação

Estudo revela qual é o batom preferido das mulheres: não é o vermelho!

Duas mil mulheres foram entrevistadas em uma pesquisa da SkinStore, multinacional que é referência em produtos de beleza e tratamentos de pele; confira qual é a cor do batom que mais faz sucesso entre elas

Quando se pensa em empoderamento feminino, um dos símbolos mais fortes relacionados ao assunto é o batom vermelho. A associação até se tornou uma máxima nas palavras da youtuber Jout Jout, em 2015, quando o vídeo “Não tira o batom vermelho” fez sucesso ao tratar de relacionamentos abusivos. Agora, porém, parece que o jogo virou. Um estudo feito pela SkinStore com duas mil mulheres revelou que, na verdade, o batom nude é o preferido do momento.

Os tons de vermelho continuam entre os top 5, mas as cores mais claras lideram o ranking. Atrás do nude, tom que as faz se sentirem mais bonitas e atraentes, vem o rosa claro, seguido do vermelho cereja, rosa escuro e vermelho vibrante.

Ela lista algumas vantagens dos batons nude, como o fato de que eles podem ser reaplicados para um ar mais intenso – mesmo assim, nunca parecerão exagerados. Além disso, eles dão a impressão de lábios mais volumosos tanto quando são usados nas versões com acabamento matte ou brilhante.

Você aposta em qual cor para sentir-se maravilhosa?!!!

¨¨ Gazeta do Povo ¨¨ 

Foto/divulgação

Orgasmo: 6 fatores que podem estar te impedindo de ter um

Distração, vontade de fazer xixi e falta de estimulação podem ser as causas. Não existe uma regra ou fórmula para atingir o orgasmo. O que funciona para uma mulher pode não funcionar para outra e o que dá certo para você e o seu parceiro atual pode não dar certo com outra pessoa. Mas se mesmo tentando várias formas, posições e estimulações diferentes você ainda não conseguiu, talvez seja melhor identificar as causas dessa ausência. O site da revista norte-americana “Cosmopolitan” listou seis fatores que podem te impedir de chegar ao clímax. Confira:

Foto/divulgação

APRENDA A NÃO SE IMPORTAR COM O QUE OS OUTROS PENSAM SOBRE VOCÊ

Não adianta negar: seres humanos gostam de causar uma boa impressão e têm medo do julgamento alheio com frequência. Esse receio, no entanto, acaba muitas vezes fazendo com que mudemos nossa forma de agir, ficando sem falar o que sentimos, pensamos e queremos.

Ainda que o desejo de ser bem quisto por todos esteja por trás desse tipo de medo, precisamos nos lembrar que é simplesmente impossível agradar a todo mundo e que, no final das contas, por causa desse medo acabamos deixando de ser quem realmente somos.

O fato é que as pessoas estão sempre julgando umas às outras e, à medida que novas informações sobre essas pessoas chegam até nós, o nosso julgamento a respeito delas é remodulado – esse é um processo natural e constante. Então, em vez de tentar agradar sempre, é possível aprender a aceitar esse método de julgamento e viver sem medo dele. Confira quatro dicas sobre o assunto a seguir:

1 – Lembre-se: nada dura para sempre

Nosso cérebro não é programado para guardar informações sobre a vida das outras pessoas, e a verdade é que, com o passar do tempo, vamos nos esquecendo dos julgamentos que já fizemos sobre muita gente. Da mesma maneira, julgamentos a nosso respeito são frequentemente esquecidos também.

A forma como enxergamos alguém tem a ver não com falhas cometidas, mas com coisas que uma pessoa faz e diz e, claro, com a maneira como ela interage conosco e o que essa interação nos faz sentir. Portanto, tenha em mente que julgamentos feitos a seu respeito serão esquecidos em breve, possivelmente.

2 – Entenda: é impossível não julgar

Não há nada que você possa fazer para impedir que alguém julgue suas ações e seu comportamento. Você não tem o poder de controlar o pensamento alheio – e tem mais: o fato de uma pessoa não expressar o que pensa a seu respeito não quer dizer que ela não tenha feito um julgamento sobre você.

Se a ideia é criar uma boa impressão em alguém que você está conhecendo, o jeito é explicar seus sentimentos e suas expectativas de modo que a pessoa possa sentir empatia e compaixão por você. Quando esses sentimentos estão presentes, os julgamentos negativos têm pouco peso.

3 – “Deixa que digam, que pensem, que falem”

Se é impossível não julgar e não ser julgado, e se eventuais julgamentos negativos a seu respeito não duram para sempre, então o negócio é deixar que nos julguem mesmo e ponto-final. Aceitar que as outras pessoas nos julgam é simplesmente libertador.

Em termos de relacionamentos amorosos, por exemplo, isso se manifesta a partir do momento em que entendemos que falar sobre sentimentos e expectativas é necessário – ao contrário do que muita gente pensa, isso não demonstra vulnerabilidade, mas sim segurança.

Sempre que você paralisar com medo do julgamento de alguém, pense no que acontecerá se essa pessoa realmente julgar o seu comportamento. Será assim tão grave? Você será prejudicado de alguma forma? Uma vez identificado seu maior medo, será mais fácil aceitar o fato de que sempre somos julgados.

No caso de relacionamentos sociais e amorosos, vale frisar que as pessoas ficam mais íntimas quando perdem o medo de ser julgadas. Falar o que sente é, sim, abrir portas para o julgamento, mas é também uma forma de ser mais livre.

4 – Já parou para observar seus próprios julgamentos?

Essa dica é extremamente valiosa. Pense na forma como você julga uma pessoa. Digamos que alguém do seu trabalho apareceu com um novo corte de cabelo que você achou horroroso. Você vai julgar? Vai. Vai comentar com algum colega? Talvez. Vai passar seu dia inteiro pensando nisso? Não.

Assim como você faz o julgamento, mas continua seguindo a vida e, em questão de dias já vai ter se acostumado com o novo corte de cabelo da pessoa do trabalho, as pessoas também não têm todo o tempo do mundo para colocar os julgamentos negativos que fazem a seu respeito como uma prioridade.

Esse exercício é bom ainda para que você mude sua postura. Será que a pessoa não se arrependeu do corte de cabelo também e não saiu de casa com receio de ser julgada? Será que ela não está insegura e chateada? Será que você precisa julgá-la ou é melhor entender que nem sempre saímos felizes do salão de beleza?

Quando a gente filtra esse tipo de pensamento e reflete sobre ele, nossa mente passa a se ocupar com coisas mais importantes e acabamos agindo como seres humanos melhores. Você não acha que isso faz sentido?

¨¨ Mega Curioso ¨¨