quinta-feira, 26 abril, 2018

Rabada

INGREDIENTES

  • Azeite de oliva para refogar

  • 1 rabada limpa e cortada

  • Sal a gosto

  • Pimenta do reino a gosto

  • 2 cebolas em cubos

  • 1 folha de louro

  • 2 dentes de alho picados

  • ½ xícara de vinho tinto seco

  • 600 ml de caldo de carne

  • 1 lata de tomates pelados

  • 3 batatas cortadas em rodelas

  • 1 maço de agrião

INSTRUÇÕES

  1. Refogar no azeite de oliva as rabadas. Temperar com sal e pimenta.

  2. Adicionar a cebola, a folha de louro e o alho.

  3. Refogar tudo até começar a grudar no fundo da panela.

  4. Juntar o vinho tinto e deglacear.

  5. Adicionar o caldo de carne e os tomates pelados. Cozinhar por 1 hora ou até que a carne comece a soltar do osso. Se necessário adicionar mais água.

  6. Acrescentar as batatas e deixar cozinhar por 30 minutos.

  7. Por fim, juntar o agrião. Deixar ferver por 5 minutos e servir.

(Tastemade)

Como administrar meu dinheiro? 5 dicas para quem não sabe por onde começar

Quando você está presa naquele enrosco financeiro, parece que não há saída nenhuma. As dívidas se acumulam, as faturas ficam esquecidas em algum canto e as contas não param de chegar. É tanta informação que dá até um aperto.

Eu montei um passo a passo para quem está nesta mesma situação, mas quer assumir o controle da vida financeira e resolver o problema de uma vez por todas. Confira!

1) Abra todas as contas e cobranças

Ignorar as cartas e faturas nunca é uma boa ideia. Pegue tudo o que você tiver em casa e anote as datas e valores em uma planilha. A ideia aqui é que você veja exatamente todas as contas que paga mensalmente.

2) Pegue os extratos bancários e faturas dos últimos 3 meses

Com eles, você vai poder montar a sua planilha de gastos dos últimos 3 meses. Para isso, basta pegar cada um dos gastos e classificar em 3 categorias: essenciais, supérfluos e pagamento de parcelas. O ideal é que os seus gastos com essenciais correspondam a 50% do seu salário; com supérfluos, a 20% e com parcelas, a 30%. 

3) Liste todas as suas dívidas

Para poder quitá-las, o primeiro passo é saber exatamente quanto você deve, para quem e as taxas de juros cobradas. Com as informações organizadas, você vai conseguir ver por onde começar: com as dívidas com os maiores juros, ok?

4) Corte os gastos exagerados

O ideal é que você consiga encaixar os seus gastos dentro da fórmula do 50/20/30: 50% para essenciais, 20% para supérfluos e 30% para pagamento de parcelas. Na hora de preencher a sua planilha, você vai ver onde estão os exageros. Por exemplo: se você estiver gastando muito mais do 50% com os essenciais, vai ter que cortar algumas das suas despesas para conseguir chegar na meta de 50%.

5) Renegocie e refinancie as dívidas

Resolver as dívidas não é tão simples assim – mas isso não quer dizer que seja impossível. Se você perceber que está gastando muito mais do que 30% com o pagamento de parcelas, vai ter que sentar com o credor para renegociar as parcelas. Outra alternativa é tentar conseguir um empréstimo pessoal, com juros menores, para poder quitar as dívidas todas e ficar apenas com este.

Viu? Com foco e consistência, você consegue montar um plano e segui-lo para poder sair do enrosco de uma vez por todas!

(Finanças Femininas)

Casais que têm a mesma renda ficam mais tempo juntos, afirma pesquisa

Você tem a mesma renda que o seu parceiro? Já teve discussões por causa deste assunto? Os relacionamentos mudaram e hoje as mulheres têm conquistado ainda mais o seu espaço no mercado de trabalho. Se a renda for a mesma ou muito parecida entre um casal, a chance do casamento dar certo é bem maior e o risco de separação diminui, é o que mostra um estudo da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos.

Segundo o estudo, a igualdade de renda oferece aos casais mais estabilidade e deixou claro que quando o casal une suas economias a satisfação conjugal é muito maior. Para a psicóloga Marina Simas de Lima, O fenômeno social em que faz com que as pessoas escolham parceiros com as características socioeconômicas semelhantes se chama casamento seletivo.

– Hoje, as pessoas realmente procuram escolher parceiros (as) que tenham o mesmo nível de educação, de cultura e de renda para se casar. Isso não quer dizer que o amor não possa surgir entre pessoas com renda, gostos e nível educacional diferentes. Mas, com o passar do tempo, pode ser que essas diferenças comecem a pesar na dinâmica do casal e diminuir a satisfação com o relacionamento.

Os casais, na maioria dos casos, desejam prosperar, crescer profissionalmente e, consequentemente, querem ter uma renda similar, de acordo com a psicóloga Denise Miranda de Figueiredo.

– Dinheiro é sinônimo de poder, então quem ganha mais, teoricamente, pode mais no casamento. Entretanto, isso é ruim e não deve fazer parte de uma relação saudável. Assim, rendas parecidas ou iguais também reduzem ou zeram esses conflitos conjugais – dizem Denise e Marina.

Para finalizar, as especialistas comentam que a relação que o casal estabelece com o dinheiro também é importante:

– Precisamos lembrar que o dinheiro é importante, mas não é o mais relevante dentro de uma relação. O dinheiro jamais será a base de um relacionamento verdadeiro. O aspecto econômico oferece conforto, ajuda a conquistar sonhos, mas somente um vínculo afetivo sólido dará a base para tais conquistas –concluem.

(Revista Donna)

Psicólogo revela as 15 perguntas que determinam se seu relacionamento irá durar ou não

Ele diz que se você responder SIM a estas perguntas, você está em um relacionamento que vale a pena!

  • Relacionamentos são extremamente importantes. Eles afetam a saúde e a maneira que enxergamos o mundo. Quando um relacionamento é bom, ele faz bem e traz luz à vida.

  • No começo de um relacionamento, quando tudo parece ser maravilhoso, é difícil ver os defeitos que podem levar a um término. Por isso é importante analisar o relacionamento antes de fazer um compromisso mais sério para se assegurar de que você está tomando a decisão certa.

  • Não existe uma palavra chave ou um segredo para fazer um relacionamento durar, mas o psicólogo, Gary W Lewandowski, especializado em relacionamentos, da Universidade de Monmouth, descobriu as 15 perguntas que podem decifrar se um relacionamento vai durar.

  • Ele explicou ao The Independent que decidiu elaborar essas perguntas para solucionar a pergunta que ele mais ouve: “Como eu sei se estou em um relacionamento certo?”.

  • “Esta é provavelmente a pergunta que as pessoas mais têm, mas que são menos capazes de responder por elas mesmas. Quando elas tentam determinar, elas nem sempre sabem fazer as perguntas corretas e focam na coisa errada”, explica ao The Independent.

  • A pesquisa que o psicólogo fez, foi inspirada na lista de Keltner, que consiste em determinar se um jogador de baseball merece entrar no Hall da Fama do Baseball Nacional. A lista de Lewandowski é baseada em instinto e também ciência, porque ele acredita que os dois são necessários quando o assunto é tomar decisões.

  • “Eu fiz uma lista de 15 perguntas para iluminar o que realmente importa. Como a lista de Keltner, minha abordagem para avaliação de relacionamento é intencionalmente não científica”, diz Lewandowski.

  • Apesar do teste não ser científico, o psicólogo baseou suas perguntas em pesquisas já existentes que revelavam o que contribui para um relacionamento saudável. Mas, ele deixa bem claro que essas perguntas servem para relacionamentos sérios, comprometidos e com amor sustentável.

  • Se você quer se beneficiar com este teste e aprender algo, você deve responder as perguntas com honestidade.

  • As respostas devem ser um simples “sim” ou “não”:

    1. O seu parceiro faz de você uma pessoa melhor, e você faz o mesmo por ele?

    2. Você e seu parceiro se sentem confortáveis em compartilhar sentimentos, confiar um no outro, ser próximos, e evitar se preocupar com um término?

    3. Você e seu parceiro aceitam um ao outro por quem são, sem tentar mudar o outro?

    4. Quando há desentendimentos, você e seu parceiro se comunicam com respeito, sem desprezo ou negatividade?

    5. Você e seu parceiro dividem as decisões, poder e influência no relacionamento?

    6. O seu parceiro é seu melhor amigo, e você é o dele?

    7. Você e seu parceiro pensam mais em “nós” do que “você” e “eu”?

    8. Você e seu parceiro compartilhariam com o outro suas senhas de rede social e conta bancária?

    9. Você e seu parceiro têm opiniões boas sobre um ao outro – sem ter uma visão positiva superinflacionada?

    10. Seus amigos e os amigos do seu parceiro acreditam que você está em um bom relacionamento e que irá resistir ao tempo?

    11. O seu relacionamento está livre de sinais ruins como traição, inveja e comportamento controlador?

    12. Você e seu parceiro compartilham dos mesmos valores políticos, religiosos, matrimoniais e parentais?

    13. Você e seu parceiro estão dispostos a sacrificar seus interesses pessoais, desejos e objetivos um pelo outro sem terem empecilhos?

    14. Você e seu parceiro têm personalidades agradáveis e são emocionalmente estáveis?

    15. Você e seu parceiro são sexualmente compatíveis?

  • Lewandowski diz que a melhor resposta às perguntas é um “sim” rápido e certeiro. “Ficar em um relacionamento ruim é a pior coisa para você”, diz.

O psicólogo explica que quando o assunto é escolher com quem você irá passar o resto da sua vida, a certeza de que você está tomando a decisão certa é essencial. Então, você deve correr atrás de mais informações. Responda também outras perguntas, fale com seus amigos (como é sugerido na pergunta 10).

Utilize de sua mente e coração para tomar decisões importantes.

(Família.com.br)

 

O seu corpo pode apresentar estes 8 sintomas se você anda muito estressado

Você sabia que o estresse pode afetar o corpo de curto a longo prazo?

  • O estresse afeta todas as pessoas. Ele está presente no dia a dia e isso é normal. Mas, o estresse excessivo pode deixar uma pessoa doente tanto mental quanto fisicamente.

  • Segundo o WebMD, o estresse é uma reação do corpo a situações de risco, sejam elas reais ou não. Quando a pessoa se sente ameaçada, uma reação química ocorre no corpo, fazendo com que ela se prepare para agir de forma a evitar ser prejudicada.

  • Esta reação química está caracterizada pela produção e liberação de neurosubstâncias como adrenalina, noradrenalina e cortisol. “As duas primeiras dilatam os vasos sanguíneos de órgãos vitais do corpo, a fim de preservá-los perante a situação de risco, e diminuem a circulação dos locais menos importantes. Já o segundo, aumenta a glicemia e transforma gordura em energia disponível”, explica a psiquiatra, Elizabeth Zamerul Ally, ao Vix.

  • Esta reação de se sentir ameaçado coloca o corpo em alerta, fazendo com que os batimentos cardíacos aumentem, a respiração fique mais rápida, os músculos se contraiam e a pressão sanguínea aumente.

  • Estar em alerta o tempo todo não faz bem porque o corpo humano pode suportar o estresse, ou seja, estar em estado de alerta, apenas em proporções baixas.

  • O estresse pode afetar uma pessoa na maneira em que ela age, pensa e até mesmo sua saúde física. O Healthline listou alguns dos sintomas que podem surgir por causa do estresse. Estes sintomas podem variar de acordo com o organismo de cada pessoa.

  • Sintomas físicos

  • 1. Acne

  • O estresse pode causar acne. Primeiro porque pessoas estressadas tocam seus rostos com mais frequência e isso pode espalhar bactérias e causar acne. Segundo, alguns estudos já comprovaram que o surgimento de acne pode estar associado a níveis altos de estresse.

  • 2. Dor de cabeça

  • Estudos descobriram que o estresse pode contribuir para o surgimentos de dor de cabeça. Uma pesquisa feita com 267 pessoas descobriu que um acontecimento estressante ocorreu antes do surgimento da dor de cabeça crônica de 45% das pessoas participantes.

  • 3. Problemas digestivos

  • Um estudo feito com 2.699 crianças descobriu que situações estressantes estavam associadas ao aumento do risco de constipação. O estresse pode causar diarreia, náusea e problemas digestivos como a síndrome do intestino irritável.

  • 4. Dores musculares ou dores crônicas

  • Dores crônicas ou musculares podem ser causadas por causa do estresse excessivo. Um estudo descobriu que altos níveis de liberação do hormônio cortisol podem estar associados à dor crônica.

  • 5. Batimento cardíaco acelerado

  • O batimento cardíaco acelerado pode ser um sintoma do estresse elevado. Um estudo mediu o batimento cardíaco em resposta a eventos estressantes e não estressantes, e foi descoberto que o batimento era significativamente mais alto em situações estressantes.

  • 6. Insônia

  • O estresse pode causar problemas no sono e insônia, consequentemente podendo causar baixa energia. Um estudo feito com 2.316 participantes mostrou que situações de alto estresse estão associadas ao aumento do risco de insônia.

  • 7. Infecções frequentes

  • O estresse pode causar problemas ao sistema imunológico e isso pode fazer com que pessoas estressadas estejam mais sujeitas a infecções e doenças, como gripe. Uma análise feita com 27 estudos mostrou que o estresse estava conectado a maiores chances de desenvolvimento de infecção do trato respiratório superior.

  • 8. Suadouro

  • O alto nível de estresse pode ser o causador de suadouro excessivo. Um estudo analisou 20 pessoas com uma condição que se caracteriza no suadouro excessivo das mãos e descobriu que o estresse e esforço demasiado aumentaram o nível de suadouro dessas pessoas significativamente.

  • Sintomas emocionais e mentais

    • Agitação

    • Dificuldade em manter a mente quieta

    • Baixa autoestima

    • Preocupação constante

    • Memória ruim

    • Falta de foco

    • Pessimismo

  • A presença de um, alguns ou vários sintomas citados acima por si só não caracteriza estresse. Todos os sintomas citados, tanto os físicos como os emocionais e mentais podem ser causados por outro motivo, transtorno ou doença. Por isso consulte um profissional para receber um diagnóstico.

  • Consequências do estresse excessivo a longo prazo

  • Como já foi dito, o estresse normal não é algo para se preocupar. Mas há algumas consequências do estresse excessivo a longo prazo, como:

    • Problemas mentais, como depressão e ansiedade.

    • Problemas cardiovasculares, como pressão alta

    • Obesidade

    • Problemas menstruais

    • Problemas na pele e cabelo, como acne e queda capilar

    • Problemas gastrointestinal, como gastrite

(Família.com.br)

8 dicas de estilo que podemos aprender com as blogueiras

Dicas simples podem fazer toda a diferença no resultado final, deixando seus looks muito mais estilosos

É só abrir o Instagram que surgem diversas imagens de blogueiras glamourosas em festas, eventos, viagens, sempre com seus looks exclusivos para cada ocasião.

Mesmo que a maioria deles não seja acessível, podem servir como inspiração para quem quer se vestir com mais estilo, seja no trabalho, no lazer ou no dia a dia.

Confira essas oito dicas ao se vestir para se parecer com uma verdadeira blogueira de moda, mesmo quando você não é.

1. Aposte nos acessórios

Uma roupa básica pode ganhar uma nova cara dependendo dos acessórios. Um brinco grande, alguns colares, uma pulseira diferente, um relógio com brilho ou tudo isso junto. Não tenha medo de ousar.

2. Misture peças diferentes

Muitas das ideias de estilo inovadoras das blogueiras consiste em fazer combinações completamente inesperadas. Seja criativa no seu armário e comece a misturar peças incomuns. A moda está constantemente se reinventando e é algo subjetivo, então tudo bem criar seu próprio estilo.

3. Use óculos de sol

Dos modelos aviadores ao gatinho, os óculos icônicos fazem a diferença em qualquer look. E dominam o Instagram das blogueiras. Escolha modelos sofisticados, mesmo que para as ocasiões mais casuais.

4. Jogue um casaco sobre os ombros

Pegue um casaco e cubra seus ombros. Pronto! Você vai parecer que está saindo de uma reunião com Anna Wintour (sem o estresse). Essa é uma boa dica para dar um toque chique para uma roupa mais básica. E é também uma ótima técnica para poder usar jaquetas que você ama.

5. Faça sempre as unhas

Não importa a forma que você prefere para suas unhas. Enormes, postiças, curtinhas, apenas com base ou com cores chamativas… O importante é ter as unhas bem-feitas e bem cuidadas. Especialmente quando for fotografar o look para compartilhar nas suas redes.

6. Chapéus, chapéus e chapéus

Eles podem ser usados em todas as estações do ano, com todos os tipos de roupa e em todos os formatos. E ainda podem ajudar a disfarçar aquele dia em que não deu tempo de lavar o cabelo. Se não quiser nada muito ousado, opte pelo clássico, como o Panamá.

7. Bolsas estilosas

Para parecer inovadora e com estilo, você precisa ter boas bolsas. Há algumas lindas e únicas com bom preço, é só procurar bem. Muitas vezes no dia a dia fica mais fácil usar só uma bolsa, mas aprenda a escolher de acordo com a ocasião.

8. Confiança

A dica final e mais importante para se parecer com uma blogueira de moda é a confiança. O estilo é pessoal e deve ser baseado no que você gosta de usar, no que faz você se sentir bem e confortável em sua própria pele. Tente fugir do básico e busque novas tendências, use cores ousadas, sem medo.

Estas oito dicas são simples, mas fazem a diferença no resultado final. Com o tempo e a prática, se tornará cada vez mais fácil montar um look estiloso. E mantenha sempre a cabeça erguida, sem medo de arriscar!

(Dicas de Mulher)

“Ela é sensível e charmosa”, diz Túlio Gadêlha sobre Fátima Bernardes

Geralmente discreto, o pernambucano rasgou elogios para a namorada e até contou como eles se conheceram

Em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, Túlio Gadêlha, 30 anos, falou abertamente sobre sua relação com a jornalista Fátima Bernardes, 55. “Ela sensível, muito humana, culta, inteligente, bonita, charmosa”, disse, rasgando elogios à companheira.

Faz cinco meses que os dois estão juntos. Túlio conta que uma amiga dele que trabalha na Globo o apresentou para Fátima. E que no começo era só amizade, até que ele passou a ver a jornalista com outros olhos.

Desde que começaram o relacionamento, o público conheceu um novo lado de Fátima Bernardes: ela postou fotos românticas nas redes sociais e até se fantasiou no Carnaval. Está curtindo a vida com alegria e leveza.

Túlio, por sua vez, fala que é machismo atribuir à ele a fase atual dela. ” Eu já encontrei ela assim, desse jeito. Realizada profissionalmente, pessoalmente”, disse. Ele também comentou a diferença de idade entre eles. “É uma coisa que preocupa mais as outras pessoas do que a gente. Já tive outras namoradas mais velhas”, revela.

Se há conflito entre suas crenças pessoais e o trabalho de Fátima? Túlio garante que não. “Nunca mudei minhas posições, minha visão de mundo, minhas críticas. Ela continua trabalhando na mesma empresa, seu programa segue com as mesmas pautas. As pessoas é que tendem a achar que ‘ah, mudaram as pautas do programa’ ou ‘o Túlio não fala mais disso’”.

Túlio deve se candidatas a deputado federal em outubro, defendendo, entre outras bandeiras, a democratização da comunicação e o combate ao que chama de oligopólios midiáticos no país.

(Revista Claudia) 

10 CONSELHOS DE UMA PSICÓLOGA PARA SUPERAR O MEDO DE DIRIGIR

Se você tem medo de dirigir ou conhece alguém que tenha, valerá a pena perder, ou melhor ganhar alguns minutinhos lendo esse artigo onde trago dicas valiosas de como superar esta barreira, que mantém pessoas estacionadas na vida, e dar sinal verde para sua autonomia e liberdade. Afinal, o tempo passa e a vida cobra mudanças e vencer o medo de dirigir pode ser a maior delas, pois trata-se de um investimento para o resto da vida um beneficio seu e da sua família.

Psicologicamente falando o ato de dirigir é complexo, envolve diversas competências cognitivas, habilidades e atitudes. Requerendo do motorista um nível considerável de maturidade emocional e capacidade intelectual, as quais lhe permitam interpretar estímulos e reagir estrategicamente enquanto conduz seu veículo.Não à toa existe o teste psicológico para emissão de CNH. Dirigir é algo simples, mas muito complexo ao mesmo tempo. Por isso é preciso ter um bom estado de funcionamento cognitivo, psicológico e emocional e os testes ajudam nisso. 

Por vezes, podemos nos achar incapazes de dirigir, hora por alguma situação traumática que tenhamos vivenciado no passado, ou mesmo por uma crença errônea que nos faz acreditar que não conseguiremos dar conta do recado, ou devido a traço de personalidade perfeccionista, com dificuldades de entender e aceitar os erros do principio e com a necessidade de planejamento e certeza que vai dar certo. Observo clinicamente que a maioria da demanda possui medo errar ou medo da crítica e não propriamente medo de dirigir. O medo é inerente a todo ser humano e ele é bom, pois te proporciona cautela e cuidado. O problema do medo é quando ele te paralisa, aí ele se torna patológico. Quando o medo paralisa a pessoa a ponto de não conseguir enfrentá-lo, é preciso tratá-lo. O medo de dirigir pode esconder outras inseguranças. Por causa disso, a dificuldade para superar o problema é ainda maior. Existem vários graus de amaxofobia (medo de dirigir).  Pessoas  com fobia de túnel , pontes  ou determinadas rotas temidas. Alguns não passam  nos seus exames de direção para adquirir uma carteira de habilitação. Alguns até mesmo podem conseguir tirar a habilitação, mas se recusam a dirigir. Em casos extremos, uma pessoa pode até ter pavor de ser um passageiro no veículo. Na clínica tenho orientado casos de bloqueios devido a medos que começam em momentos traumáticos ou até mesmo coisas que vem desde a infância. Sobre traumas Freud diz o seguinte:

O ego se sente desamparado, atordoado e abandonado à sua sorte diante de um aluvião de excitações demasiado poderosas para que os processos mentais do ego possam-nas manejar.

Ou seja, existem conteúdos mentais tão fortes que impedem o Eu de controlar os pensamentos racionalmente.Nessas horas analisar a situação psicologicamente pode ser muito positivo. O autoconhecimento pode nos libertar de crenças negativas inconscientes e nos permitir superar limites. Qualquer pessoa pode ser capaz de desenvolver bem sua habilidade de conduzir um veículo, se perfeiçoando através da prática.Se você se encontra nessa situação de medo ou bloqueio na hora de dirigir, seja qual for o motivo, me acompanhe que vou te passar algumas dicas para te ajudar a lidar positivamente com essa situação. Por mais simples que possam parecer, minha experiência clínica me mostrou que tais dicas são pontos chave na maioria dos casos com fobia de dirigir.

1
NÃO PENSE MUITO! 

Isso mesmo! Se você tem medo de dirigir certamente vai pensar muito antes de tomar a decisão de enfrentar o medo.E tome cuidado!  Seu mecanismo de defesa te sabotará para você se esquivar do processo de enfrentamento do medo, com pensamentos negativos e catastróficos para que assim você se boicote. Lembre-se seja mais forte que sua maior desculpa!

2
SELECIONE SUAS CARONAS 

Se for a primeira vez que você decide iniciar o processo de aprendizagem, procure cercar-se de pessoas que te apoiem, te incentivem e que te ajudem a superar seus medos. Pessoas que nos fazem sentir bem são propulsoras e coadjuvantes do nosso sucesso.

Você provavelmente já colocou alguém para lhe acompanhar nessa tarefa: marido, amigo, pai. Lembre-se se não for para ajudar que não atrapalhe. Certifique-se que seu carona vá te estimular e não te desmotivar.

3
PROGRAME SEU APRENDIZADO E TREINO

Se você já encontrou alguém para te ajudar ou se decidiu enfrentar sozinha programe um dia para começar. Melhor dia para executar essa tarefa é no domingo e lembre-se da dica 1.

4
FAÇA TREINOS CURTOS

Em uma manhã de domingo, ou qualquer outro dia calmo, pegue o carro e dê uma volta no quarteirão. Não se preocupe com o tempo e com a perfeição em executar essa tarefa. Leve uma garrafa de água e uma toalha para enxugar o rosto ou as mãos quando estiver ansiosa. Faça isso pelos próximos dias até se sentir mais segura e confiante. Quando estiver mais tranquila, passe para a próxima dica.

5
SEJA RESILIENTE
NÃO SE ENTREGUE FÁCIL

Se errar continue tentando se permita errar pois através do erro e possível o aprendizado, provavelmente para aprender a andar de bicicleta você caiu. O ser humano leva cerca de um ano e meio para aprender a andar, algo natural da evolução humana e quanto tempo acha que levará para aprender a dirigir!

6
PASSE A MARCHA
E AUMENTE SEU PERCURSO

Essa é a hora de aumentar percurso: agora são dois quarteirões. Continue nesse trajeto até ter total domínio e segurança da direção. Se você ainda tiver medo do carro desligar no meio do caminho, treine bastante o ponto da embreagem e só siga para a próxima etapa quando  sentir mais segurança.

7
SUPERE NOVOS OBSTÁCULOS

Agora você já pode dar uma volta pelo seu bairro e continuar nesse caminho até se sentir mais segurança. Aos poucos, coloque pequenos obstáculos, como uma paradinha na padaria ou na manicure. Logo você pode expandir seu trajeto para outros pontos da cidade, sendo independente.8
ACREDITE EM VOCÊ, POXA!

Como você pode acreditar que vai falhar e ficar se bloqueando se você tem toda capacidade possível para lidar com essa nova situação??E mesmo se não conseguir de primeira, poderá tentar outra vez e tentar quantas vezes for necessário, até sentir-se seguro. Vamos encarar como aprender um novo idioma: é tudo diferente, mas ao mesmo tempo excitante e nos faz querer aprender ainda mais. E mesmo se erramos, não há problema nenhum nisso, afinal, não nascemos falando em outra língua. Faz parte do processo de aprendizagem!

9
SE FOR PRECISO
MUDE DE AUTOESCOLA

Se você já tentou uma vez, com pessoas ou instituições que não te deixaram à vontade, que te deram insegurança. Se for esse o caso busque uma nova instituição, novas pessoas, novos ares, proporcionando assim uma nova experiência.E se pensarmos como um roteiro de uma nova viagem? Precisamos escolher um novo destino, lugares à visitar, hotéis onde ficar… Alegre-se com essa nova aventura!

10
APRENDA A SUPERAR
OS PENSAMENTOS SABOTADORES

 

Se ainda bater aquela dúvida, tenha em mente todos os benefícios que você mesmo terá em dirigir. Faça uma lista de vantagens:

  • Pense na autonomia

  • Na possibilidade de realizar viagens e passeios

  • Na liberdade, em poder sair quando e como quiser

  • Na qualidade de vida

  • Em conseguir colocação em cargos ou concursos que exijam ou necessitem de CNH

  • e em toda a satisfação que você adquirirá.

  • Poder levar filhos na escola lhes proporcionando orgulho.

Um ego mais amadurecido tem condições de utilizar defesas mais estruturadas. Quando temos uma meta decidida fica mais fácil pra mente se organizar.

ORIENTAÇÃO
PARA SUPERAÇÃO DE MEDO DE DIRIGIR

Ao longo de 7 anos, tenho ajudado pessoas a se superarem e o resultado tem sido bastante satisfatório não só no campo do trânsito, mas na vida como um todo, pois dirigir, remete liberdade e independência, e algumas pessoas não estão plenamente preparadas para isso.

Gostaria de finalizar este artigo com três questionamentos sobre sua vida: Como está o volante da sua vida?
Quem está assumindo o volante da sua vida?

Sua vida está na direção certa e este o caminho foi você escolheu?

Reflita, pois o volante do carro está relacionado ao volante da vida: você pode assumir ele e mudar o rumo da sua vida.

 

Como fazer os melhores investimentos em ano de eleições

Ano de eleições não é atribulado apenas para a política – a economia também sofre, e muito, com tanta incerteza. Com isso, encontrar os melhores investimentos pode ser um desafio, especialmente para investidoras com pouca prática.

De acordo com economistas, diversos fatores mostram que teremos um cenário de muita volatilidade, que fica ainda pior se considerarmos a maneira que o Brasil está conduzindo sua política e a incerteza sobre os candidatos.

“Os investimentos refletem essa incerteza, com ativos ora valorizando ou desvalorizando”, comenta Eleonora Braude, planejadora financeira certificada pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros.

Quando falamos em volatilidade, falamos também em instabilidade. Então, você vai precisar de muita racionalidade e calma na hora de escolher seus investimentos.

Porém, não pense que você vai poder se dar ao luxo de colocar toda sua grana em um lugar só. Diversificar investimentos é o segredo para não apenas rentabilizar mais, mas também proteger seu patrimônio de crises, oscilações e riscos.

Como ter uma carteira com os melhores investimentos nas eleições

“Geralmente, quando observamos candidatos com uma forte agenda econômica e um plano de governo bem recebido pelo mercado, os ativos de renda variável tendem a reagir positivamente. Já quando o cenário é muito incerto, a renda fixa costuma prosperar porque o mercado começa a buscar mais segurança.”

Ou seja, fique de olho nas propostas de cada candidato, acompanhe as pesquisas de opinião, devore os noticiários e vote consciente – seu dinheiro também depende disso!Ao contrário do que se imagina, não é preciso ter uma bolada para diversificar os investimentos. No entanto, você precisa entender bem qual é seu perfil de investidora, quais são seus objetivos com o dinheiro, as características das aplicações disponíveis e o cenário da economia nacional. Parece muita coisa? Calma que vamos te ajudar!De acordo com Carol Sandler, fundadora do Finanças Femininas, você precisa responder a cinco questões antes de escolher seus investimentos:

 

  1. Qual é o meu objetivo para este investimento? – Você quer fazer um fundo de emergência ou poupar para a aposentadoria? Isso faz muita diferença na hora de definir o investimento correto para você.
  2. Qual é o prazo que tenho para realizá-lo? – 6 meses? 2 anos? 30 anos?
  3. Quanto dinheiro tenho disponível? – Muitas aplicações possuem um valor mínimo de investimento inicial.
  4. Quanto a aplicação custa? – Quais são as taxas? Tem cobrança de IR?
  5. Qual pode ser o retorno?

 

É normal que você tenha sonhos de curto prazo (uma viagem, por exemplo), médio (comprar um carro) e longo (ter uma aposentadoria tranquila). Sendo assim, sua carteira de investimentos deve refletir a multiplicidade dos seus objetivos. Para o curto prazo, são boas opções Tesouro Selic e poupança; médio prazo, CDBs e LCIs; longo, Tesouro IPCA+ e, para quem tem perfil arrojado, renda variável em geral.Se o seu dinheiro estiver espalhado por essas aplicações, ele estará mais protegido das possíveis oscilações causadas pelo período eleitoral.Nessa matéria você vê mais orientações da Carol para escolher os melhores investimentos. Outra dica valiosa é usar a tecnologia a seu favor: existem diversos aplicativos que comparam rentabilidade, taxas, liquidez e outras características de investimentos de renda fixa e variável, como o Renda Fixa e o Yubb. 

Renda variável está liberada?

Desde que você tenha o perfil – ou seja, sangue frio e tolerância a perdas – e isso condiga com seus objetivos pessoais, por que não? Mas saiba que você precisará de muita firmeza e jogo de cintura para lidar com as oscilações sem perder a cabeça.Aqui, entram ações, fundos de ações e multimercado. Se você nunca investiu em renda variável, os fundos imobiliários são um bom passo inicial.“Sugiro ter uma estratégia delineada, prevendo um cenário de ganhos e prevendo um cenário de perdas, assim como as atitudes que deverão ser tomadas caso um ou outro cenário se concretizar”, finaliza Eleonora.

(Finanças Femininas)

A mulher menstruada pode fazer ultrassom transvaginal?

Na hora de realizar certos exames ginecológicos de imagem, há dúvidas sobre o preparo e uma delas é quando a mulher fica menstruada e tem um ultrassom transvaginal para fazer. Nesse caso, precisa remarcar a data ou pode fazer mesmo no período menstrual?

 

 

De acordo com a especialista em diagnóstico por imagem, Dra. Luciana Chamié, a menstruação não atrapalha a realização do exame. “O exame de ultrassom transvaginal pode ser realizado durante o período menstrual. Para algumas mulheres, realizar o exame durante essa fase pode ser incômodo, mas não há qualquer contraindicação médica e nenhuma interferência no resultado”, afirma a especialista.

Dra. Luciana Pardini Chamié

Doutora em Radiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)