sábado, 23 junho, 2018

5 DICAS PARA SER UMA BOA VENDEDORA

Trabalha com vendas e quer ter mais sucesso em 2012? O escritor e orientador de excelência pessoal, Luiz Cláudio Gomes, que vai lançar o livro “Ser Vendedor ou Estar Vendedor”, dá algumas dicas de como proceder e obter sucesso.

“Ser vendedor é amar vender, é procurar entender e conhecer cada cliente. Estar vendedor é ver o cliente como um número que vai pagar a sua conta de telefone quando compra, como um chato quando reclama e como um imbecil quando não quer comprar”, destaca Gomes.

1) Crie um diálogo – Ser um vendedor consultivo pode ser o diferencial na hora de fechar um negócio. Este tipo de vendedor é aquele que prevê um diálogo interativo, centrado nas necessidades do cliente.

Quando os concorrentes têm o mesmo nível, a qualidade da conversa do vendedor faz toda a diferença. Os tipos consultivos estabelecem diálogos eficientes, o que os leva a aprender mais e aprofundar os laços a cada conversa. Existem diversos outros tipos como: o carismático, que usa seu charme como arma de convencimento; o técnico, ótimo em conteúdo, mas fraco na orientação para o cliente; e ainda o “matador”, que faz qualquer coisa para fechar a venda, mesmo que isso signifique sacrificar um relacionamento.

2) Esteja Sempre Preparada Um bom vendedor está sempre se preparando – antes e depois de cada encontro com o cliente. Ação ideal: Inicie com um planejamento estratégico. Reflita sobre seus objetivos de longo prazo e estabeleça metas imediatas para a conversa que terá com o cliente. Avalie o resultado do contato e o ritmo de sua argumentação e acelere rumo ao fechamento da venda. Nunca se esqueça de abrir espaço para o cliente falar. O próximo passo é fazer a análise do cliente. Pense nos objetivos do cliente, sua situação, necessidades e critério de decisão. Finalmente, concentre-se na preparação técnica do produto. Mostre como sua linha de produtos atende às necessidades do cliente, antecipe as dificuldades e personalize o material.

3) Confie em suas habilidades O vendedor deve adquirir confiança em si mesmo e possuir seis principais habilidades: postura, relacionamento, questionamento, compreensão, posicionamento e verificação. É importante procurar sempre aperfeiçoar essas habilidades, avaliando-as uma por uma, e assim, sua performance será melhorada.

4) Não Receie a Rejeição A maior causa das falhas nas vendas é o medo da rejeição que, muitas vezes, representa um sinal da falta de confiança nas suas capacidades. Quem não tem uma atitude de vitória, tende a encarar a rejeição para o lado pessoal. Elimine este sentimento. O cliente que não aceita uma proposta está rejeitando uma transação e não a pessoa. Estar consciente desse fato ajuda o vendedor a manter-se calmo, paciente e persistente – três dos principais requisitos para uma boa venda. Quem compra um produto ou serviço deseja melhorar a sua situação, resolver um problema ou poupar dinheiro.

5) Sorria sempre – Se você tiver motivos para sorrir: Sorria. Se Não Tiver, Sorria. O motivo virá em seguida.

(Livany Salles/M de Mulher)

O medo da rejeição pode ser seu pior inimigo ou seu melhor aliado

Uma vez percebi lá dentro de mim este grande medo da rejeição. Um temor que não tinha nada a ver com falar em público ou fazer uma entrevista de emprego. Este grande medo surgiu quando eu devia expressar o que sentia ou o que uma das minhas melhores amigas realmente queria.

Eu ficava extremamente chateada quando estava sozinha e precisava dizer tudo aquilo que rondava a minha mente a uma velocidade que me causava tontura. Mas, pensando com os meus botões, eu tinha muito medo de fazer isso, medo de que ela não aceitasse o meu ponto de vista, de que ficasse chateada, de que me rejeitasse.

“Se você escolher não fazer algo por medo de ser rejeitado, está rejeitando a si mesmo… o mundo está te ignorando.”

-Jia Jiang-

Provavelmente todos nós, em algum momento, já tivemos consciência de ter este grande medo. Um medo que faz com que você se preocupe com a forma como os outros vão vê-lo. Em muitas ocasiões, este medo evita que enfrentemos as pessoas por medo do que elas vão dizer.

Seria ótimo eliminar este medo, mas você se imagina não sentindo isso nunca mais?Talvez isso tenha alguma consequência positiva que nos ajuda mais do que pensamos, talvez seja necessário experimentar esta sensação. Seria possível fazer com que o medo da rejeição se convertesse em um dos nossos melhores aliados?

Todos temos medo da rejeição

O medo da rejeição pode surgir quando tentamos declarar o nosso amor à pessoa que amamos. Isto pode fazer com que você não faça o que quer, que você se reprima e se cale. Uma situação que vai te enlouquecer e que pode desencadear ansiedade como consequência.

Mas por que temos medo dela? Se muitas vezes pensamos “bom, eu já não tenho essa pessoa, então não tenho nada a perder”, por que não nos atrevemos a tentar? Porque o nosso medo nasceu conosco, mas além disso, o aprendemos e, se tivermos uma autoestima baixa, até mesmo o intensificamos.

Desde que nascemos, temos a necessidade de nos sentirmos parte de um grupo. Parte da nossa família, das pessoas da nossa mesma idade, da sociedade… Mas, à medida que crescemos e desenvolvemos a nossa personalidade, percebemos que somos diferentes e que certas atitudes não são “bem vistas” ou “bem aceitas”.

É normal que você dê importância à opinião dos outros. Mas se ao invés de ser um complemento, um ponto de vista diferente, ela se transformar no mais importante, na única razão e verdade, você tem muito trabalho a fazer.

É perigoso quando você tenta mudar para se parecer com os outros, para não destoar e para não olharem torto para você. Quando você faz isso sua autoestima cai e você sente que já não é o mesmo. É difícil conseguir ser alguém que não é, e é ainda mais complicado se esforçar por não aceitar a si próprio.

O medo é o seu aliado

No caso que acabamos de mencionar, o medo é o seu inimigo. Ele te limita, te paralisa e impede que você se arrisque, que seja você mesmo e que faça o que quer. Apesar disso, o medo da rejeição pode ser positivo quando estiver presente na medida certa.

  • Ele desperta: imagine que você tem que falar diante de um público e o seu medo da rejeição surge com mais força do que nunca. Este medo apareceu para te alertar de uma situação importante que te colocará à prova. Utilize-o ao seu favor para despertar o seu sono e obter energia. O medo irá motivá-lo para que a sua exposição seja a melhor que já fez.

  • Ele alerta: se o medo não aparecesse, você não teria consciência de que não dá a sua opinião por medo do que os outros podem pensar, que você não enfrenta determinadas situações porque acredita que irão julgá-lo… A sensação de medo pode ajudá-lo para que você indague a origem daquilo que está te imobilizando agora. Assim, você pode perceber certos problemas que se arrastam há algum tempo.

  • Ele adverte: o medo pode aparecer em uma situação para a qual você não está preparado. Por exemplo, você quer declarar o seu amor à pessoa por quem você se apaixonou, mas talvez lá no fundo você saiba que é cedo demais, que você não a conhece o suficiente e que inclusive há certas coisas sobre a pessoa que não se encaixam muito bem. O medo pode segurá-lo para que você espere um pouco mais.

“Com o medo, seu corpo está lhe dando combustível para que você aja, fuja ou fique paralisado. Você decide…”

-Pau Navarro-

O medo nem sempre nos proporcionará uma reação de fuga, pois podemos escolher como usar esta energia que nos invade quando o sentimos. Ele pode se transformar na nossa melhor fonte de motivação para enfrentarmos situações que de outra forma nunca enfrentaríamos. Você escolhe se o medo da rejeição irá paralisá-lo ou impulsioná-lo para a frente.

O que você vai perder por tentar?

(A Mente é Maravilhosa) 

 

Brasil é “patrimonialista” e “machista”, afirma Cármen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou hoje (26) que o fato de ocupar a chefia de um dos poderes da República não passa de um dado “circunstancial” num país cuja sociedade permanece em grande medida “patrimonialista, machista e muito preconceituosa com a mulher.

As declarações foram dadas durante um seminário sobre as mulheres na Justiça, realizado na Embaixada da França, em Brasília. Compunham a mesa a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e a advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça.

Cármen Lúcia respondeu a uma felicitação do embaixador da França, que destacou que o Brasil é um dos poucos países com mulheres ocupando quatro cargos de cúpula no Judiciário. Além das três que compunham a mesa, ele contou ainda a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz.

Cármen Lúcia ressaltou que a presença de mulheres na cúpula do Judiciário pouco teria significado para além de uma coincidência histórica numa sociedade “que não se acostumou que o nome autoridade não se declina, não tem sexo”. Ela revelou já ter sido barrada, por exemplo, de entrar na casa de amigos por funcionários que esperavam por um homem, jamais imaginando a possibilidade de que a presidente do Supremo fosse uma mulher.

A ministra lembrou que a presença de mulheres na cúpula do Judiciário brasileiro não se reflete nos números do Judiciário, que tem muito menos juízas e procuradoras mulheres do que homens. Tampouco, disse, se reflete na representação política, ressaltando a baixa presença feminina no Congresso.

Cármen Lúcia, Grace Mendonça e Raquel Dodge foram unânimes em destacar a imposição de uma vida quase “monástica” às mulheres que almejem cargos de liderança. De acordo com elas, há um constrangimento constante da sociedade brasileira para que a mulher priorize as relações afetivas e a família, acima da própria realização pessoal, o que não ocorre, nem de perto, em relação aos homens.

“O simples querer feminino é encarado como uma forma de ousadia”, disse Grace Mendonça. “Ainda que ocupando um cargo que tenha uma percepção de autoridade, ainda somos vistas, sim, com estranheza”.

Em sua fala, Cármen Lúcia fez questão de destacar que a face mais grave desse constrangimento social em relação à mulher se expressa no feminicídio.

“Continua havendo mulheres mortas, e não apenas pelos companheiros , mortas por uma sociedade que não vê que a mulher não é a causadora do feminicídio, que é um homicídio causado somente por ela ser mulher”, disse.

(Terra)

Sete cuidados para prevenir o câncer

Especialistas indicam hábitos capazes de evitar os tipos mais comuns da doença

O tratamento contra o câncer é um dos mais desgastantes. Família e paciente sofrem durante meses, às vezes por vários anos, até controlar a doença. Fatores genéticos são historicamente conhecidos como causas do problema, a novidade da Medicina mais recentemente é o peso que seus hábitos têm no desenvolvimento de um tumor. “Manter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos fazem bem para a saúde de maneira geral e isso inclui a prevenção de vários tipos de câncer”, afirma o oncologista Hezio Jadir Fernandes Jr, diretor do Instituto Paulista de Cancerologia (IPC). “O segredo está em identificar os cuidados específicos para cada tumor”.

Veja as dicas dos especialistas para diminuir os riscos dos principais tipos da doença.

Câncer de mama

Tipo de câncer mais comum em mulheres, com exceção do câncer de pele, o câncer de mama corresponde a 28% dos tumores no sexo feminino. Segundo a oncologista Ana Ramalho, coordenadora da divisão de atenção oncológica do INCA, os exames preventivos, como a ressonância da mama e a mamografia, têm um papel importante na prevenção e devem ser feitos uma vez a cada dois anos, após os 40 anos de idade. “Quando a mulher chega aos 50, deve realizar pelo menos um desses exames anualmente, além de fazer o autoexame de toque toda a semana”, afirma a especialista.

Outro hábito simples tem se mostrado eficaz na hora de prevenir o câncer de mama. “Para as mulheres que estão pensando em ter filhos, um bom conselho é amamentar o bebê pelo menos durante o primeiro ano de vida. Estudos mostraram que esse hábito, além de trazer inúmeros benefícios para o bebê, pode diminuir em até 5% as chances de ter câncer de mama”, explica.

Câncer de próstata

De acordo com o último levantamento feito pelo Instituto Nacional de Câncer, o câncer de próstata é o segundo tipo que mais atinge homens, correspondendo a 30% dos casos registrados. “Fazer o exame de toque retal ou ultrassom da próstata, anualmente, a partir dos 40 anos é fundamental”, afirma o urologista José Roberto Colombo, especialista do Minha Vida.

Outra medida apontada pelo o especialista é aumenta a ingestão de tomates, principalmente em versão quente, como no molho vermelho. “O tomate tem uma substância chamada licopeno que, além de dar a cor avermelhada à fruta, também age como preventivo contra o câncer de próstata”.

Câncer de pulmão

Esse tipo de câncer é o mais comum de todas as neoplasias malignas e apresenta um aumento de 2% ao ano na incidência mundial. “Aproximadamente 90% de pacientes que foram diagnosticados com câncer de pulmão fumam ou já fumaram. Esse dado já mostra que a melhor maneira de se prevenir é não fumar ou largar o cigarro o mais rápido possível”, afirma o oncologista Artur Katz, do Hospital Sírio Libanês, líder da pesquisa Câncer de Pulmão: a Visão dos Pacientes.

De acordo com o pneumologista Ricardo Meirelles, da Divisão de Controle de Tabagismo do INCA, a região sul do Brasil é onde o câncer de pulmão afeta mais pessoas. “É lá também que o hábito de fumar e consumir outros produtos derivados do tabaco é mais comum”, explica.

Cavidade oral e laringe

Mesmo que os casos desse tipo de câncer sejam mais comuns em homens, as mulheres também precisam ficar atentas e evitar alguns hábitos que causam diretamente a doença. “Os principais fatores de risco para o câncer da cavidade bucal são o fumo, o consumo de álcool e infecções bucais por HPV. Sozinho, o tabagismo é responsável por cerca de 42% das mortes por esse tipo de câncer. Já o alcoolismo intenso é responsável por 16% das mortes”, afirma o oncologista Fernando Luiz Dias, coordenador da seção de cabeça e pescoço do INCA.

O tabagismo e o consumo de álcool têm efeitos ainda mais devastadores juntos. “Estudos apontam que, juntos, o fumo e a bebida aumentam em 30 vezes o risco para o desenvolvimento do câncer da cavidade oral e laringe”, diz o oncologista Fernando Luiz Dias.

Colo do útero

Tirando o câncer de pele não melanoma, o câncer de colo de útero é o que apresenta maior percentual de prevenção e cura. “Para diminuir esse tipo de câncer, dois hábitos se mostram bastante eficazes: o uso de preservativos e fazer o exame Papanicolau todos os anos”, afirma o oncologista Hezio Jadir Fernandes Jr, diretor do Instituto Paulista de Cancerologia (IPC).

Segundo o especialista, o vírus do papiloma humano (HPV), é um dos principais causadores do câncer de colo de útero. Para se proteger, basta usar preservativos e controlar o número de parceiros sexuais. “O começo da vida sexual está cada vez mais precoce. Isso favorece o aparecimento do vírus do papiloma humano e, consequentemente, o câncer de colo de útero”, explica. Como a vacinação contra HPV ainda não está disponível a todos, o uso do preservativo ainda é a melhor forma de prevenção.

Já o exame Papanicolau é a maneira mais eficiente de encontrar esse tipo de câncer no estado inicial. “Nessa fase, o problema é facilmente tratado. Por isso, as mulheres que tem vida sexual ativa devem fazer esse exame esse exame pelo menos uma vez por ano”, explica o oncologista.

Câncer de pele

Considerando todas as variações possíveis, o câncer de pele é o mais comum, tanto em homens como em mulheres. Por outro lado, ele também é o que possui o maior índice de cura, se descoberto em estágio inicial, e o mais fácil de prevenir. “O câncer de pele está diretamente ligado à exposição demasiada ao sol. Por isso, as duas melhores maneiras de se prevenir estão ligadas a este hábito”, explica o dermatologista Claudio Mutti, especialista em cirurgia oncológica pélvica pelo Instituto de Controle do Câncer.

Segundo o dermatologista o protetor solar é o maior aliado na prevenção do câncer de pele. A aplicação deve ser feita cerca de 30 minutos antes da exposição ao sol e o produto deve ser aplicado no corpo todo, especialmente nas áreas mais expostas ao sol, como face, pescoço, colo e braços. “É nessas áreas que o câncer de pele é mais frequente”, explica.

Outra medida importante é evitar sair no período de pico do sol, entre 10 e 16 horas. “Mesmo usando protetor solar, é importante evitar se expor aos raios solares nesse período de sol forte”, explica Claudio Mutti.

Cólon e reto

“Uma alimentação balanceada, com baixo teor calórico, rica em frutas, fibras e legumes, associada a hábitos saudáveis como a prática de atividade física, pode reduzir 37% desse tipo de tumor”, diz o nutricionista Fábio Gomes, especialista da área de nutrição do INCA. O especialista ainda lembra que a ingestão excessiva e prolongada de bebidas alcoólicas também pode ser um fator de risco para esse tipo de câncer.

(Minha Vida)

Jovens têm interesse em sexo a três, mas poucos estão fazendo, diz pesquisa

Apesar de 64% dos entrevistados responderem que tinham interesse no sexo a três, apenas 13% deles relataram já ter tido a experiência

Parece que as pessoas mais novas estão bem interessadas em experimentar o sexo a três. É o que diz o estudo feito pela Universidade de New Brunswick, do Canadá, que descobriu que os jovens estão pensando e falando mais abertamente sobre sexo a três do que as gerações passadas. Apesar disso, são poucos os que estão tendo essa experiência sexual na vida real.

Para chegar ao resultado, foram entrevistados 300 estudantes de graduação heterossexuais, entre 18 e 24 anos de idade, que responderam se eles estavam interessados em fazer sexo a três e se eles já tinham feito antes. Apesar de 64% dos entrevistados responderem que tinham interesse no sexo com três pessoas, apenas 13% relataram já ter tido a experiência.

Os estudantes do sexo masculino demonstraram mais interesse no ménage à trois ​​do que as mulheres, mas eles estavam duas vezes mais interessados ​​em ter um trio com duas outras mulheres do que com outro homem e uma mulher. Já as estudantes do sexo feminino estavam abertas a qualquer opção de três pessoas: com mais dois homens ou com mais um homem e uma mulher.

Para os pesquisadores, isso é resultado de uma repulsa acerca do relacionamento entre dois homens, enquanto há um encorajamento para que mulheres tenham experiências sexuais com outras mulheres. Este também pode ser o motivo pelo qual os millenials não estão realmente tendo o ménage à trois que eles sonham, porque eles estão preocupados com a possível repercussão. “Isso mostra a maneira como a nossa sociedade vê as relações entre pessoas do mesmo sexo”, diz Thompson, pesquisador principal, ao “Daily Mail”.

Conhecidos ou não?

Tanto os homens como as mulheres disseram que prefeririam fazer um trio com pessoas que conheciam. Enquanto os homens mostravam interesse, as mulheres estavam menos interessadas em adicionar uma terceira pessoa à relação sexual primária – provavelmente devido à preocupação de que o parceiro possa preferir a outra mulher.

Agora, os pesquisadores estão interessados ​​em fazer mais estudos para analisar as motivações para ter sexo a três, desde a perspectiva de cada pessoa até as coisas que as impedem de realizar suas fantasias.

(Delas) 

Alimentos para perder barriga: tomate é a aposta da vez

Fruta é rica em nutrientes, ajuda a acabar com o inchaço abdominal e cabe em diversas receitas. Nutricionista dá dicas de consumo; confira

Tomate é uma fruta rica em licopeno e conhecida como uma aliada da pele bonita e saudável. Mas esse item também está na lista de alimentos para perder barriga. E com os dias mais quentes da primavera e o verão se aproximando, que tal usar esse alimento como um amigo da dieta?

Segundo Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, o tomate faz parte dos alimentos para perder barriga porque contém bons nutrientes, ajuda a acabar com o inchaço na região abdominal e ainda traz uma sensação de saciedade por mais tempo. Ela detalha os benefícios dessa fruta, ensina receitas e combinações práticas para seu dia a dia e ainda diz o que você deve evitar para não arruinar a dieta.

Benefícios do tomate para perder barriga

Entre os nutrientes que ajudam na questão da boa forma presentes nessa fruta estão: licopeno, betacaroteno, vitamina C, carotenoides e folato. “Os antioxidantes (licopeno, carotenóides, vitamina C) auxiliam no emagrecimento de modo geral como parte de estratégias nutricionais com esse foco. Isso se dá por esses compostos favorecerem o bom funcionamento das células, bom baixa caloria e um bom teor de fibras”, detalha a nutricionista.

Entretanto, Renata alerta que não há alimento milagroso, que consiga combater apenas a gordura abdominal. “O emagrecimento se dá como um todo no nosso organismo”, ressalta.

Adeus, inchaço

Uma queixa muito comum quando o assunto é barriga é o inchaço na região abdominal. Ele pode ser provocado por diversas causas, como retenção de líquido e problemas na digestão. O tomate contribui nesses dois pontos, de acordo com Renata.

É um alimento rico em fibras e, por isso, ajuda para o bom funcionamento do intestino. Além disso, contém potássio, que contribui para eliminar o excesso de líquido retido no organismo e, consequentemente, reduzir o volume abdominal. Ainda tem um efeito diurético, já que é composto de 90% de água.

Saciedade em alta

Pela quantidade de fibras e nutrientes, a fruta também faz com que se sinta saciado por mais tempo sem adicionar muitas calorias na dieta, já que é um alimento de baixo valor calórico. Renata ainda diz que o tomate “estabiliza os níveis de açúcar no sangue, aumenta o metabolismo e reduz o colesterol”.

Pele bem cuidada

E, claro, o tomate é um aliado para quem busca uma pele bonita e saudável porque o licopeno ajuda a proteger a pele da ação do sol e combate os radicais livres por ter ação antixodante. Já a vitamina C é ótima para a produção de colágeno, sem contar que ajuda na cicatrização e na renovação da pele. 

As melhores maneiras de consumir tomate

Para Renata, a versão tomate cereja é uma ótima pedida para um snack saudável para receber amigos em casa ou mesmo para quando bater aquela fome fora de hora (veja receitas com esse item abaixo). 

O modo de preparo pode variar de acordo com seus objetivos. O tomate in natura, por exemplo, é ótimo para saladas e sanduíches naturais e, quando consumido dessa maneira, preserva as quantidades de vitamina C, nutriente facilmente perdido com o calor. Já os molhos da fruta e outros preparos quentes ajudam no aproveitamento do licopeno, que é ativado com o calor. 

Ainda na lista de alimentos para perder barriga, vale incluir no preparo do tomate alguns itens termogênicos. “Combinar compostos funcionais como pimenta e cúrcuma ajuda a enriquecer ainda mais os pratos com os tomates e favorecer seus benefícios. A pimenta, por ter ação termogênica, é bem interessante para quem busca perda de peso”, afirma a nutricionista. 

Para quem está tentando perder barriga e peso, não vale combinar o tomate com uma massa de farinha integral ou aquela pizza com muito queijo e recheios gordurosos esperando um milagre. Renata também diz que é melhor evitar combinações que levem farofa ou molhos com amido. 

Dica

Um cardápio sugerido por Renata para incluir o tomate em todas as refeições é bem simples: omelete com queijo magro e tomates picados no café da manhã, tomates na salada no almoço e no jantar, e a fruta como item do recheio de um sanduíche no lanche da tarde. 

Salteado de tomate cereja

1 colher de sopa de manteiga 
5 a 6 folhas de manjericão fresco 
300 gramas de tomate cereja 
Sal e pimenta a gosto

Em uma panela, derreta a manteiga. Acrescente os tomates inteiros e o manjericão. Cozinhe por cerca de 30 segundos. Tempere com sal e pimenta a gosto. Retire da panela logo que a casca dos tomates comece a enrugar e sirva quente.

(Delas) 

 

 

Como fazer um jardim de inverno pequeno?

O jardim de inverno é um espaço de relaxamento e que oferece contato com a natureza no interior da casa.

Como fazer um jardim de inverno pequeno? Quais plantas combinam com este ambiente? Existe a necessidade de móveis? – estas são algumas perguntas comuns quando se trata desta divisão da casa. O jardim de inverno tem conquistado cada vez mais importância no projeto de casas moderna, afinal, ele cumpre o seu papel de levar um pouco da natureza para dentro da residência.

O jardim de inverno, também conhecido como jardim interno, é um espaço de tranquilidade e relaxamento. Ele normalmente exalta a beleza do paisagismo, mas também se destaca como um espaço perfeito para ler um livro, namorar ou bater papo com algum amigo.

decoração do jardim de inverno precisa ser capaz de combinar beleza e praticidade, ainda mais quando o espaço é limitado. O ambiente pequeno precisa ser decorado apenas com o essencial, caso contrário, pode tornar a área ainda mais apertada.

Como fazer jardim de inverno pequeno?

Confira a seguir algumas dicas de jardim de inverno e aprenda a fazer o seu:

Escolha o local

O jardim de inverno pode ser montado em diferentes locais da casa, como sala, quarto, cozinha, corredor, embaixo da escada e até mesmo banheiro. A aérea normalmente é fechada por portas de vidro, que permitem observar o jardim mesmo não estando nele.

A área reservada para o jardim de inverno pode ser aberta ou coberta por um teto de vidro. Até a claraboia deixa o ambiente com um visual bem interessante. O ideal é favorecer a entrada de luz natural para garantir a sobrevivência das plantas.

Defina as plantas

A vegetação é essencial para o jardim de inverno. As plantas mais indicadas são aquelas que se adaptam facilmente ao interior da residência. Entre as espécies recomendadas, vale destacar: lança de São Jorge, comigo-ninguém-pode, palmeiras Raphis, antúrio e lírio da paz. Se o morador não quiser cultivar plantas, ele pode fazer uma horta.

Eleja os móveis

Para se tornar mais aconchegante, o jardim de inverno pode ganhar alguns móveis, como é o caso da namoradeira, dos bancos, das mesinhas com cadeiras e das poltronas. No entanto, como o ambiente é pequeno, é recomendado não exagerar na quantidade de itens mobiliários.

Personalize com elementos decorativos

Alguns cuidados com a decoração são capazes de deixar o jardim de inverno mais bonito, como é o caso da instalação de deck de madeira no chão ou mesmo da montagem de caminhos com pedriscos. A parede pode ganhar um acabamento com canjiquinhas ou outro material com ume pegada mais rústica.

decoração do jardim de inverno pequeno também pode contar com fontes de pedra, lareira ecológica e vasos.

Use bem o espaço

Uma técnica interessante para aproveitar espaço do jardim de inverno é aproveitando o espaço livre nas paredes. As plantas podem ser organizadas verticalmente em uma estrutura de madeira.

Agora que você já sabe como decorar jardim de inverno pequeno, coloque as dicas em prática e monte um cantinho delicioso na sua casa.

(Casa e Festa)

Como rótulos ligados à maternidade afetam a carreira de líderes políticas

Entrevistas com líder partidária na Nova Zelândia, que foi questionada sobre a população ter o direito de saber se uma candidata a premiê pretende sair de licença-maternidade, evidenciam estereótipos enfrentados por elas ao decidir ter ou não filhos.

Uma série de entrevistas a que foi submetida a neozelandesa Jacinda Ardern reabriu a polêmica mundial a respeito do papel da maternidade entre as líderes políticas.

Ardern, de 37 anos, foi eleita líder do Partido Trabalhista da Nova Zelândia na terça-feira e, na mesma noite, foi questionada se sentia que tinha de escolher entre ter filhos ou progredir na carreira.

“Não tenho problemas em responder essa pergunta porque tenho sido muito aberta em discutir esse dilema, enfrentado por muitas mulheres”, afirmou. “Minha posição não é diferente da mulher que equilibra três empregos ou que pode estar na posição de conciliar diversas responsabilidades.”

Mas os questionamentos não pararam. Na manhã de quarta-feira, Ardern voltou a ser questionada – agora, se a população tem o direito, ao escolher um premiê, de saber se seu líder tirará licença-maternidade.

“Se você é o empregador em uma empresa, precisa saber que tipo de mulher está empregando”, questionou o entrevistador. “A pergunta é: é válido uma primeira-ministra sair em licença-maternidade enquanto estiver no cargo?”

Ardern, visivelmente irritada com a pergunta, disse que as mulheres têm o direito de manter seus planos de maternidade no âmbito privado e que não podem ser discriminadas por isso por seus empregadores.

“É totalmente inaceitável, em 2017, que mulheres tenham que responder esse tipo de pergunta no ambiente de trabalho”, respondeu a política. “Ter ou não filhos é uma decisão da mulher e isso não deve predeterminar se ela receberá ou não oportunidades de trabalho.”

‘Estéril’

Filhos – ou a ausência deles – são frequentemente alvo de debates quando se trata de mulheres na política.

Ali perto da Nova Zelândia há um exemplo recente disso: a ex-premiê da Austrália, Julia Gillard, que chegou a ser chamada de “deliberadamente estéril” por um senador da oposição e de “uma ateia ex-comunista sem filhos” por um rival de seu próprio partido.

Em um editorial, o jornal Sydney Morning Herald escreveu que “a persona midiática (de Gillard) não cumpria as expectativas de alguns eleitores: uma mulher solteira, sem filhos, que dedica sua vida a sua carreira”.

Gillard costumava reagir a esse tipo de ataque. Em resposta ao líder da oposição, ela disse: “Se ele quer saber qual a cara da misoginia na Austrália moderna, ele precisa de um espelho”.

A cientista política britânica Jessica Smith, do Birkbeck College, em Londres, pesquisa paternidade, gênero e política. Ela afirma que, apesar das mudanças de papéis na sociedade, a ideia que se sobressai das mulheres é de que elas são mães.

“O estereótipo de mulheres como cuidadoras ainda é a lente pela qual elas são vistas”, diz Smith à BBC. “Há também (a ideia) de que, se uma mulher não teve filhos, ela sacrificou (a maternidade) pela carreira.”

Smith afirma que famílias se tornaram cada vez mais importantes na política, à medida que nos tornamos “mais interessados nas personalidades dos políticos”. Mas ela faz a ressalva de que “homens parecem conseguir escapar das discussões sobre família, ao contrário das mulheres”.

Na Alemanha, o cenário é um pouco distinto. A chanceler (premiê) Angela Merkel costuma ser chamada, de modo afetuoso, de “mutti” (mãe) por muitos alemães, mas ela própria não tem filhos biológicos.

Não é de conhecimento público por que Merkel não teve filhos, e o assunto não é coberto pela imprensa – a Alemanha tem leis rígidas de proteção de privacidade.

Mas isso não impediu que oponentes políticos tentassem politizar o tema: em 2005, quando Merkel concorria contra seu antecessor, Gerhard Schröder, a mulher deste, Doris Schröder-Köpf, comentou que ela “não personificava, com sua biografia, as experiências da maioria das mulheres” – em uma clara referência à ausência de filhos.

O Reino Unido viveu episódio semelhante no ano passado, quando as políticas Andrea Leadsom e Theresa May disputavam a liderança do Partido Conservador – e, por consequência, do país.

Leadsom disse a um jornal que, por ser mãe de três filhos, “tinha um interesse muito real” no futuro do país, declaração que foi interpretada como uma alfinetada a May, que não tem filhos.

Mas o comentário pegou mal e, apesar de Leadsom ter pedido desculpas, acabou preterida – e May se tornou premiê. De qualquer forma, o episódio mostrou como a ausência de filhos pode ser usada contra uma política.

A mãe ‘típica’

Estereótipos comumente definem mulheres como mais “amáveis” que os homens, diz Smith, e a maternidade pode ajudá-las a formar essa imagem.

Na América Latina há exemplos disso: a ex-presidente Dilma Rousseff era chamada de “mãe do PAC”, o Programa de Aceleração do Crescimento, quando se projetava rumo à Presidência; a ex-primeira-dama argentina Evita Perón era frequentemente chamada de “mãe dos pobres”.

Atualmente, Smith diz que essa imagem maternal tem sido explorada por políticos à direita no espectro político, com o objetivo de se associarem a valores familiares tradicionais. Ela cita a “hockey mom” (“mãe do hóquei”) Sarah Palin, que concorreu à Vice-Presidência dos EUA em 2008 como a “típica mãezona”. Apesar da derrota, ela se projetou nacionalmente na ala mais à direita da política americana.

De volta à Alemanha, Frauke Petry é o mais recente exemplo de uma mãe cujos filhos são centrais para sua imagem.

A líder do partido populista de direita AfD participou da conferência partidária quando já estava no final da gravidez de seu quinto filho. Na semana passada, ela tuitou uma foto sua com o bebê recém-nascido, acompanhada da seguinte legenda: “Qual a sua razão para lutar pela Alemanha?”

E há também a ex-candidata à Presidência americana Hillary Clinton, que tentou suavizar sua imagem ao jogar luz sobre o fato de ser avó.

Obstáculos

Para algumas políticas, porém, a maternidade virou um obstáculo. No Japão, em 2009 a ministra encarregada de elevar as taxas de natalidade do país, Yuko Obuchi, disse que estava preocupada em como conciliar a maternidade com o trabalho.

Seis anos antes, a ministra russa Zumrud Rustamova percebeu, enquanto participava de uma reunião uma semana antes de dar à luz, que “as pessoas fingiam que tudo estava bem, mas secretamente não tiravam os olhos da minha enorme barriga”.

O excrutínio extra sobre a vida familiar da mulher costuma refletir a forma como os eleitores veem as candidatas mulheres.

“Eleitores reconhecem que há dois pesos e duas medidas (para mulheres na política), mas tomam parte disso ativa e conscientemente”, argumenta a Barbara Lee Family Foundation, organização americana que estuda questões de gênero na política.

“Eles demonstram ansiedade quanto ao trabalho político da mulher ficar em segundo plano em relação a seu papel doméstico e se perguntam quem está cuidando das crianças (enquanto a mulher trabalha). Se uma candidata não tem filhos, os eleitores temem que ela não seja verdadeiramente capaz de entender as preocupações das famílias.”

(Terra/Mulher) 

8 Dicas de Feng Shui para Home Office

Você trabalha em casa? Então aplique algumas técnicas de Feng Shui para melhorar a energia do home office.

Confira 8 dicas de Feng Shui para home office. Trabalhar em casa exige muita disciplina e requer um ambiente especial, que além de confortável, deve ser organizado para atrair prosperidade e potencializar ainda mais a capacidade de produzir.

As técnicas do Feng Shui são capazes de modificar a energia do ambiente, deixando o espaço mais harmônico, confortável e ideal para desempenhar alguma atividade lucrativa. As dicas são valiosas para quem começou a trabalhar em casa a pouco tempo, a disposição correta dos móveis e até mesmo os objetos decorativos do escritório, auxiliam a tornar o ambiente ainda mais profissional e facilita a concentração.

Dicas de Feng Shui para home office

Escolha um cômodo sem bagunça

Para se ter sucesso trabalhando em casa, é necessário escolher um espaço apropriado para o escritório, improvisar uma mesa no quarto de bagunça torna qualquer atividade ainda mais exaustiva. O ambiente deve ser livre de qualquer tipo de acúmulo ou barulho 

Posição da mesa

A mesa deve ser posicionada próxima a porta, lugar considerado ideal para trabalho no Feng Shui. No entanto, vale ressaltar que não se deve ficar de costas para porta, sem enxergar quem está entrando ou saindo do escritório, isso pode aumentar a sensação de aprisionamento e também bloquear energias capazes de contribuir com a prosperidade.

O poder do metal

Os metais atraem a estabilidade financeira, apostar em móveis feitos desse material, independente da cor, é uma ótima alternativa para prevenir o risco de ficar no vermelho. O exagero pode levar o ambiente a um verdadeiro desequilíbrio de energia, fato que pode impactar em outros aspectos e comprometer o trabalho. Mantenha os objetos no canto esquerdo do local.

Cores para melhorar a concentração

A decoração em tons de terra, como o vermelho, o bege, amarelo, laranja e marrons claros pode auxiliar na concentração e aumentar a sensação de determinação durante o trabalho. As cores podem ser inclusas no ambiente através da pintura de uma das paredes ou de objetos próximos a mesa de trabalho.

Água para melhorar a comunicação

No home office, a água deve ser representada através de objetos de vidro, fontes, espelho ou aquários. O elemento é importante para que o profissional consiga manter boa comunicação com clientes e sócios. É importante que fique posicionada sempre ao norte do escritório.

Objetos de madeira para trabalhar sempre motivado

A madeira é um dos cinco elementos essenciais para equilíbrio no feng shui, entre eles estão também a água, o fogo, a terra e o metal. A decoração com objetos de madeira, especialmente em tons de marrom e verde, faz com que a rotina de trabalho em casa seja leve e movida por inspiração. Além disso, a madeira é capaz atrair novas experiências, como parcerias lucrativas, viagens e maior número de clientes.

O vermelho para atrair sucesso

O bágua é uma espécie de mapa com formato octogonal, utilizado para aplicação do Feng Shui e que tem a cor vermelha como representante do sucesso. Portanto, a cor é indispensável no home office, devendo ter destaque na decoração de ateliês e consultórios de psicologia. O canto sul é o mais apropriado para abrigar o vermelho.

Formas arredondas

Mesas, cadeiras e objetos em formato arredondado ajudam na circulação da energia, enquanto que um escritório composto apenas por móveis de linhas retas leva a estagnação e a dificuldade de crescimento profissional.

E aí? Gostou das dicas de Feng Shui para home office? Coloque os conselhos em prática e melhore a energia do ambiente de trabalho.

(Casa e Festa) 

Sete dicas para não ter dores de cabeça na hora da mudança

Sete dicas para não ter dores de cabeça na hora da mudança 

Há quem diga que mudar de apartamento só não é mais estressante do que lidar com impostos e divórcio. O processo de encaixotar livros, roupas e utensílios domésticos costuma desgastar o corpo e mexer com antigas lembranças. Para não perder o sono e nem tempo, seja com preocupações ou memórias do passado, anote algumas dicas do Huffington Post que podem tornar essa passagem para uma nova etapa da vida quase divertida.

1. Faça uma lista de tudo o que precisa fazer

De duas a três semanas antes do grande dia, anote tudo o que você precisa fazer. Anote o número da empresa que contratou para a mudança, acerte com o síndico do prédio em que mora e o do que irá morar o horário da mudança.

2. Reúna caixas e fitas

Passe no supermercado mais próximo da sua casa atual e reúna o máximo de caixas que puder. Quanto mais, melhor.

3. Rotule todas as caixas

Isso pode ser um pouco entediante, mas é um passo super importante a tomar para ajudar a aliviar a carga ao desencaixotar as coisas na nova casa. Você não precisa empregar poderes psíquicos para adivinhar o que está em cada caixa.

4. Doe o que não usa mais

Quando estiver arrumando os seus pertences, não deixe de doar roupas velhas, móveis e acessórios que você sabe que não vai usar no novo local. Nada de apego! A iniciativa é uma oportunidade para um novo começo!

5. Faça uma mala com o que irá usar na primeira noite

Você pode não ser capaz de desencaixotar tudo em um dia. Na verdade, se estamos falando de mudança com menos estresse, você provavelmente não deveria fazer isso. Então, prepare uma mala cheia de roupas para o dia seguinte (ou dois ou três), além de escova de dentes e outros itens básicos para a sobrevivência no novo apê nos primeiros dias. Deixe o som separado também para poder usá-lo na nova casa.

6. Contrate a empresa da mudança com antecedência

Esperar até o último minuto para contratar a empresa da mudança não só irá causar ansiedade como pode sair mais caro. Marque a data com os profissionais pelo menos duas semanas antes.

7. Peça ajuda aos amigos

Com amigos por perto, a mudança pode ser menos estressante. Após carregar caixas e acompanhar o caminhão até a porta da nova casa, ligue o som, abra um vinho e comemore com os amigos. Afinal, a mudança é, sim, motivo de celebração!

Goiasnet.com /O Globo