quarta-feira, 21 fevereiro, 2018

Cuidados com os ouvidos devem aumentar durante o verão

Segundo especialista casos de infecção aumentam em mais de 80% neste período

As altas temperaturas que chegam com o verão são um convite para diversão e frescor em ambientes aquáticos, como piscinas e praias. Porém, além dos cuidados e alertas com a proteção solar, também vale a pena prestar atenção aos ouvidos, que são mais sensíveis em relação à entrada de água.

Segundo o otorrinolaringologista da Clínica Dolci em São Paulo, Dr. Eduardo Landini Lutaif Dolci, os casos de infecções no ouvido aumentam durante o verão, com 80,5% comparado a pouco mais de 19% do restante do ano. Ao mergulhar ou nadar, a água pode entrar na região e pessoas mais sensíveis podem ter problema com isso, já que o acúmulo de água no canal do ouvido pode causar a otite externa.

“O local fica úmido, o que facilita o crescimento de bactérias, provocando a dor de ouvido, que pode ficar bem forte após 3 ou 4 dias sem tratamento”, complementa o especialista.

Alguns sintomas como a sensação de entupimento, perda de audição temporária (enquanto durar a infecção), e zumbido (som tipo apito ou chiado no ouvido), caracterizam o problema. Ainda segundo o médico, para evitar isso é recomendável secar os ouvidos adequadamente após cada entrada na água. “Caso a água tenha entrado no ouvido e haja dificuldades para sair, movimente levemente a orelha ou deite de lado. Mas nunca utilize álcool, azeite ou qualquer outro líquido dentro dos ouvidos sem ter uma ordem médica: isto pode piorar o quadro ou causar outras lesões no ouvido”, finaliza o especialista.

(Minha Vida)

 

Avós que cuidam dos netos vivem até 10 anos mais, diz estudo

Conviver com os netos possibilita um risco de mortalidade 37% menor

Um novo estudo feito na Alemanha, mostrou que avós que cuidam de crianças tem mais longevidade, e podem chegar a viver 10 anos a mais, do que aqueles que não participam tanto da rotina das crianças.

Os pesquisadores analisaram a vida de 500 pessoas, entre 70 e 103 anos de idade, que foram acompanhadas pelo Estudo de Envelhecimento de Berlin por durante 19 anos. Eles observaram qual qual era a diferença na taxa de mortalidade entre os avós que ajudavam a cuidar dos netos, participando da educação deles, e dos avós que não tinham netos ou não conviviam com eles.

No entanto, a pesquisa não avós que têm a custódia das crianças e são os principais responsáveis por elas, já que a ideia era focar na figura dos avós como suporte dos pais das crianças.

Os resultados do estudo mostraram que conviver com netos e cuidar deles reduzia em 37% o risco de mortalidade. Metade do grupo dos avós presentes viveu por dez anos depois do início da pesquisa. Contudo, no grupo oposto, cerca de 50% deles só chegou a sobreviver mais 5 anos.

Os cientistas fizeram uma segunda análise com os idosos que não tinham netos, dividindo eles entre aqueles que ajudavam os filhos, seja com suporte emocional ou seja nas tarefas de casa, e aqueles que não tinham esse hábito (ou não tinham filhos).

Novamente, notaram uma média de sobrevida 5 anos maior do que entre os idosos que não mantinham esse laço. Contudo, os pesquisador não acreditam que idosos que não tem filhos ou netos, estão destinados a morrer mais cedo.

Durante a terceira etapa do estudo, eles investigaram exclusivamente esse grupo de idosos, percebendo que muitos deles se propunham a ajudar e apoiar amigos e vizinhos, criando um outro tipo de comunidade. Nesse caso, a sobrevida média foi de sete anos, em contraste com 4 anos entre os idosos que não mantinham essa relação colaborativa com os filhos.

Os pesquisadores consideram que conviver com a família ajuda os idosos fisicamente e psicologicamente. Além disso, acreditam que o estudo sustenta uma teoria evolutiva chamada Hipótese da Vovó, que tenta explicar porque os seres humanos vivem tanto tempo depois da sua fase fértil acabar.

Na natureza isso não é comum pois, evolutivamente falando, nossa função é a reprodução e a manutenção da espécie. Portando, os avós que ajudam a cuidar dos filhos mudam esse paradigma: uma mãe menos ocupada com um bebê pode voltar a se reproduzir mais rápido e gerando uma prole ainda maior.

(Minha Vida) 

 

7 coisas que podem fazer você acordar mais bonita

Sua pele também fica cansada depois de uma noite mal dormida. Saiba como evitar esse problema

Que bom seria se pudéssemos ter o famoso “sono da beleza” todas as noites, não é mesmo? Infelizmente, o estresse do dia a dia, a falta de tempo e alguns maus hábitos nos impedem de ter a quantidade e a qualidade ideais de sono.

Você já deve ter reparado que, depois de uma noite mal dormida, não é só a sua cabeça que não funciona muito bem: todo o seu corpo fica meio esquisito, incluindo a pele. Ela pode ficar mais ressecada ou mais oleosa, cheia de marcas e até mesmo com um certo inchaço – isso sem falar nas olheiras.

Felizmente, existem alguns truques que você pode seguir para melhorar a qualidade do seu sono e acordar mais bonita na manhã seguinte:

1. Usar fronhas de seda

Olha só que luxo: dormir com uma fronha de seda ajuda a preservar a umidade natural do cabelo e da pele, fazendo com que você acorde ainda mais radiante. Além disso, esse tecido não forma vincos e não deixa marcas no seu rosto.

2. Investir em hidratantes noturnos

Uma pele desidratada e sem uniformidade no tom pode fazer você aparentar ser mais velha do que realmente é. Por isso, é importante escolher um bom hidratante noturno, que costuma ter textura mais densa, e aplicá-lo no rosto e no pescoço de forma a repor a água e os nutrientes perdidos durante o dia.

3. Apostar nas máscaras capilares noturnas

Cabelos ressecados, quebradiços e sem brilhos podem se beneficiar de máscaras próprias para o uso noturno. Ao deixar o produto agindo por tanto tempo, de preferência com uma touca para não sujar a cama, basta lavar o cabelo ao acordar e sair por aí com as madeixas renovadas.

4. Parar de levar o celular para a cama

Não apenas o celular, mas qualquer eletrônico com tela emite um tipo de luz que interfere na produção de melatonina, o hormônio que nos ajuda a relaxar e a pegar no sono. Dessa forma, quando você faz uma maratona de Netflix na cama antes de dormir, essa luz faz seu corpo achar que ainda é dia, atrapalhando sua noite de descanso.

Por isso, vale a pena pensar duas vezes se realmente vale a pena ficar na cama stalkeando as amigas da irmã do seu crush em vez de desligar o celular e ir dormir de uma vez.

5. Hidratar-se no decorrer do dia

Dormir com o corpo desidratado vai prejudicar todos os seus órgãos, inclusive a pele, que pode ficar ressecada ou cheia de marcas. Por isso, é importante evitar o consumo de substâncias que estimulam a perda de água, como cafeína, bebidas alcoólicas ou refrigerantes.

Não é uma boa ideia deixar para beber um monte de água logo antes de dormir, ou você vai ter que sair da cama às 3h para ir ao banheiro. Porém, é essencial garantir pelo menos 2 litros durante o restante do dia. Além disso, consumir frutas e vegetais nas refeições ajuda a manter o organismo hidratado durante a noite.

6. Tirar a maquiagem antes de dormir

Essa dica é clássica, por isso não poderíamos deixá-la de fora. Dormir com maquiagem pode causar irritações e alergias, deixando você com a pele vermelha, coçando ou inchada no outro dia. Ainda, em longo prazo, esse hábito acelera o surgimento das rugas e linhas de expressão.

Um truque para quando você chegar em casa absolutamente morta e não tiver forças para ir até a pia do banheiro: tenha sempre lencinhos removedores de maquiagem ao lado da cama, assim você consegue tirar pelo menos o mais grosso.

7. Usar uma máscara de dormir

As máscaras de dormir não servem apenas para você poder descansar em um voo longo: elas são uma boa alternativa para disfarçar a claridade que vem da rua e impedir que você acorde se alguém acender as luzes na sua casa.

Além disso, existem máscaras recheadas com ervas aromáticas, como camomila ou lavanda, que ajudam a relaxar e a pegar no sono. Dessa forma, se você acordar mais descansada, sua pele certamente estará mais bonita e saudável. Boa noite!

(Dicas de Mulher) 

 

7 coisas que você deve saber antes de doar sangue

Seu sangue pode salvar a vida de bebês que ainda nem nasceram, você sabia?

A doação de sangue é um tema que costuma se tornar mais frequente em nossas vidas quando ocorre um grande desastre com muitas vítimas ou quando alguém do nosso convívio precisa de uma transfusão.

Porém, a necessidade dos bancos de sangue é permanente: todos os dias, muitas pessoas precisam de transfusões porque sofreram acidentes, passaram por cirurgias complexas, estão enfrentando doenças como a leucemia e linfomas ou fazem tratamento quimioterápico.

Por isso, se você atende aos requisitos, é muito importante fazer doações frequentes (até 4 doações por ano para homens e 3 para mulheres) e incentivar as pessoas ao seu redor a fazer o mesmo. Confira 7 informações que você deve saber antes de se dirigir ao banco de sangue mais próximo:

1. Você vai passar por uma triagem para sua própria segurança

Depois de fazer seu cadastro no banco de sangue, você vai passar por uma triagem para avaliar dados como peso, altura, temperatura, pulsação e pressão arterial e determinar se você tem boas condições gerais de saúde.

Além disso, é feita uma dosagem da hemoglobina para verificar se você não tem anemia – caso você esteja anêmica, a doação não será realizada para proteger a sua saúde. Nos bancos de sangue mais modernos, estão disponíveis aparelhos que permitem fazer essa dosagem sem a punção digital – que pode ser um pouco dolorida.

2. Você vai responder a perguntas um tanto íntimas

Na triagem, você também vai passar por uma entrevista confidencial sobre seus hábitos em relação ao uso de medicamentos, drogas ilegais e comportamento sexual. É muito importante ser o mais honesta possível para proteger você mesma e também um possível receptor.

Por exemplo, pessoas que já fizeram uso de drogas injetáveis ou que tenham doenças como hepatite B e C, AIDS e Sífilis, entre outras, não podem doar sangue definitivamente. Já quem fez uma tatuagem precisa esperar 12 meses para fazer a doação. Pessoas que têm piercings na cavidade oral ou genital só podem doar um ano depois de removê-los.

3. Você pode declarar anonimamente que seu sangue não deve ser utilizado

Se você sabe que seu sangue não deve ser utilizado por algum motivo ou se você tem dúvidas sobre a viabilidade dele, o mais indicado é ser honesta com o entrevistador. Porém, caso você fique com vergonha, ainda existe uma oportunidade final e anônima de alertar o banco de sangue.

Trata-se do voto de autoexclusão, que é feito em uma máquina. Na tela, você lerá uma mensagem com as condições que inviabilizam a utilização do sangue, como abuso de álcool, uso de drogas, passagem pelo sistema prisional e comportamento sexual de risco. Em seguida, você deverá escolher o botão que indica se seu sangue pode ser utilizado para transfusão ou não.

Como essa informação só é vinculada ao seu sangue em uma etapa futura, quando você já está bem longe do banco de sangue, o procedimento de doação ocorre normalmente. Dessa forma, não há risco de você ser exposta diante de seus acompanhantes ou dos funcionários do local.

4. Não vai doer tanto assim, mas você vai sentir uma picadinha

Vamos ser sinceras: sim, você vai sentir uma picadinha quando a agulha para coletar sangue for colocada no seu braço, mas esse desconforto é passageiro. Depois disso, a doação em si é indolor.

Se você tem problemas em ver sangue, peça ao técnico para cobrir o local onde a agulha está inserida, assim você evita qualquer mal-estar.

5. É importante fazer um lanche depois da doação

Os lanchinhos que estão disponíveis para os doadores não são apenas um agrado, mas sim uma forma de ajudar seu organismo a repor o volume que foi retirado. Como a doação é de cerca de 450 ml de sangue, é necessário se hidratar muito bem para compensar essa redução.

Tome bastante água, chás e sucos e aceite os biscoitinhos salgados – eles são importantes para ajudar seu organismo a reter os líquidos nesse primeiro momento.

6. Seu sangue pode ajudar pessoas que ainda não nasceram

O sangue que você está doando hoje pode ser destinado a uma transfusão intrauterina para bebês que ainda nem nasceram, mas que já apresentam uma grave anemia fetal causada por uma infecção pelo parvovírus ou incompatibilidades com o fator RH da mãe, entre outros motivos.

7. Menores de idade podem doar a partir dos 16 anos

Se você tem 16 ou 17 anos e gostaria muito de doar sangue por algum motivo especial, saiba que esse procedimento é permitido na presença de seus pais ou responsáveis legais. Existe uma lista de documentos e exigências que vocês devem atender, por isso vale a pena consultar o hemocentro antes de ir até lá.

Por exemplo: caso um deles não possa comparecer, é necessário ter em mãos um termo de autorização assinado com firma reconhecida em cartório e cópia simples de seus documentos. Embora haja certa burocracia, esse gesto sempre será muito bem-vindo e pode salvar muitas vidas.

(Dicas de Mulher) 

Suco de cenoura detox

Ingredientes:

1 cenoura

½ maço de salsinha

Suco de 4 laranjas

2 fatias de abacaxi

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva.

Empadão de atum e queijo

Ingredientes

  • 1 xícara (chá) de azeite de oliva

  • 3/4 xícara (chá) de leite

  • 3 unidades de ovo

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo

  • 1 colher (sopa) de fermento químico em pó

  • 2 unidades de tomate sem pele e sem sementes picados

  • 2 latas de atum sem óleo

  • 200 gramas de queijo mussarela cortada em cubos

  • 4 colheres (sopa) de requeijão

  •  salsa (ou salsinha) picada a gosto

  • sal a gosto

  •  pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo

Prepare a massa no liquidificador.

Bata o azeite, o leite, os ovos, o sal, a pimenta, a farinha e o fermento.

Em uma tigela, misture o tomate, o atum, a mussarela e a salsa.

Em uma forma de 22 cm de diâmetro, coloque metade da massa, o recheio, o requeijão e cubra com o restante da massa.

Asse em forno, preaquecido, a 200 ºC durante 40 minutos ou até dourar.

Dicasubstitua o atum por 200 gramas de linguiça calabresa picada e frita.

(Claudia)

Alho negro é aposta do momento para ajudar a emagrecer; veja como usar

De acordo com o endocrinologista Pedro Assed, esse alimento é um ótimo termogênico e tem ação antioxidante; veja como inclui-lo na dieta

Alho é um alimento que está em 99% das casas e serve de temperos para os mais diversos preparos culinários. Ele já um item com bons nutrientes para a saúde – alguém tem uma avó que já indicou um cházinho com esse produto para combater gripes e resfriados – e, agora, ganha força em uma versão turbinada. É o alho negro, que segundo o endocrinologista Pedro Assed é a aposta do momento das dietas.

O médico, que também é membro da SBEM e mestre em endocrinologia pela UFRJ, afirma que o alho negro é um ótimo termogênico, tem ação antioxidante e traz diversos benefícios para a saúde. Além disso, não é tão ardido quanto o alho tradicional, apresentando um sabor adocicado e, por isso, fica muito agradável em diversas receitas.

Como é feito o alho negro?

Esse alimento nada mais é do que o alho tradicional depois de passar por uma fermentação, na qual é exposto a uma temperatura de 65ºC em um ambiente de umidade controlada por um longo período. Ele ganhou esse nome pela cor que apresenta após a fermentação.

O produto está ganhando força no mercado de alimentos naturais e já pode ser encontrado em lojas especializadas. De acordo com Assed, até seria possível preparar esse alho em casa, mas o processo é trabalhoso e bastante demorado. “Seria necessária uma estufa, sem contar o fator tempo – que é outro agravante. Após selecionar as melhores cabeças do alho comum, é preciso colocá-las em uma estufa por cerca de um mês e meio. Após esse período o alho fermenta sozinho”, explica o endocrinologista.

Benefícios do alho negro

A diferença mais facilmente notada desse alimento para o alho tradicional está no paladar. Durante o processo de fermentação, o sabor ardido é retirado graças à exposição da casca a longos períodos de calor e umidade. “Com isso, são eliminados alguns compostos do alho comum, em especial aqueles que conferem o gosto extremamente picante e causam mau hálito”, detalha Assed.

O processo ainda dá, digamos, uma turbinada no alimento. “O aquecimento também aumenta a concentração de alcina, que é o ingrediente ativo do alho”, fala o médico. Ao final, ele é contribui com diversos fatores, como por exemplo:

– melhora da proteção contra doenças crônicas, pois a alcina é um poderoso antioxidante e aumenta as defesas do corpo contra o estresse oxidativo;

–  aumento da resistência do sistema imunológico, em especial dos sistemas respiratório e digestório, ajudando assim na prevenção de infecções bacterianas e virais;

–  prevenção do câncer, já que o composto S-allycysteine, que se forma após a caramelização do alho, impacta diretamente na formação das células cancerígenas do organismo;

– controle do diabete porque as altas concentrações de alcina permitem um controle eficaz dos níveis de açúcar no sangue. Os ingredientes ativos do alho negro ajudam a retardar a liberação de insulina no corpo;

– é considerado um anti-inflamatório natural por inibe prostaglandinas – mediadores inflamatórios

– contribui ainda para uma melhora da saúde cardíaca. Estudos apontam que esse item é eficaz na redução dos níveis de homocisteína na corrente sanguínea, responsável por danificar as paredes dos vasos sanguíneos.

E por que esse alimento ajuda na dieta?

De acordo com o endroconogista, o benefício para quem busca a boa forma está na ação termogênica desse alho fermentado. “O alho negro aumenta a temperatura corporal, o que estimula o sistema nervoso e acelera o metabolismo basal de quem o consome. Desta forma, o corpo queima mais calorias e, consequentemente, perde mais gordura corporal”, detalha.

Além disso, o consumo desse item ajuda a combater a gordura nos órgãos. Assed explica que ele contribui para que seja liberada uma enzima no fígado que inibe a produção de gordura, o que proporciona a redução do colesterol, a diminuição da gordura hepática e uma menor deposição de gordura em outros órgãos.

Como consumir o alho negro?

A indicação do endocrinologista para aproveitar ao máximo o alimento é consumir o produto in natura, ou seja, cru. Uma sugestão é picá-lo e adicioná-lo a saladas. “O ideal seria consumir um dente por dia, devido aos benefícios nutricionais, mas de acordo com a receita essa a quantidade pode variar para dar o sabor desejado”, completa Assed.

Não há riscos em usar esse alho em preparos quentes, mas isso pode comprometer alguns nutrientes. “Se for refogado ou submetido a altas temperaturas, as enzimas importantes deste alimento se desnaturam”, alerta o médico.

Pedro Assed ainda afirma que o alho negro tem uma boa durabilidade, podendo ser armazenado por mais de três meses na geladeira. Com isso, também se torna uma aposta prática para a dieta de 2018.

(Delas) 

 

Como proteger os animais de estimação do barulho dos fogos de artifícios

Os fogos de artifício são uma tradição da passagem de ano. Entretanto, o barulho que os fogos emitem pode prejudicar cães e gatos. Além de causar danos à audição dos bichos, o barulho das explosões pode resultar em ataques de pânico e traumas. 

Todo Réveillon, a aluna de medicina veterinária da Uece Alexia Félix tem que redobrar os cuidados com seus dois cachorros idosos. Bruce e Tuf, de 10 e 15 anos, respectivamente, sofrem com o medo dos fogos. “Eles nunca se acostumaram com os barulhos. O Bruce é o pior, ele se treme muito e fica desesperado pra ficar com alguém”, conta a estudante. 

Alexia relata ainda que a família não costuma sair de casa na noite da virada para ficar com os animais. Segundo a veterinária Raquel García, essa atitude é a mais correta. Ela atenta para os perigos que os animais correm nessa época do ano. “Uma coisa que para nós dura segundos, para o animal pode gerar efeitos graves”, afirma. Para evitar estresses tanto para cachorros e gatos quanto para os donos, Raquel dá dicas de como proteger os pequenos contra os fogos.

Truque do pano
Esse artifício consiste em um estilo de amarração com panos utilizada em cães. A técnica foi criada por uma profissional da área veterinária chamada Linda Tellington Jones. Uma tira de tecido é envolvida o torso do animal em pontos específicos. Segundo Raquel, o cão costuma se sentir “abraçado”, diminuindo a sensação de pânico. O resultado não é o mesmo para gatos, que podem se sentir mais nervosos por estarem presos pelos panos. A técnica é de fácil reprodução e pode ser aprendida na internet por meio de tutoriais.

Sedar os animais somente com indicação médica
Algumas pessoas recorrem a medicamentos para diminuir o sofrimento dos animais nessa época. A veterinária afirma que é necessário um cuidado maior se calmantes forem administrados. Ficar em casa com o animal é recomendado, pois o efeito do remédio somado ao medo pode causar reações inesperadas em cachorros e gatos. Além disso, o uso desses medicamentos não deve ser feito sem a recomendação de um veterinário.

Manter ambientes fechados
Devido ao pânico, alguns animais podem tentar fugir. Por isso, é importante certificar-se de que os ambientes da casa estão bem fechados. Também é indicado os bichos ficarem em locais cobertos porque os barulhos ficam mais abafados dessa forma. Deixá-los presos em quintais ou varandas pode agravar a situação de medo. 

Lembrar da presença do dono
Se sair de casa for indispensável, é importante preparar a casa para que os pets não se sintam tão sozinhos. Colocar a televisão ligada, deixar uma roupa que tenha o cheiro do dono ou deixar luzes ligadas na casa pode ser um jeito de deixar os cachorros e gatos mais confortáveis. Simular a presença de alguém pode fazer com que a ansiedade e o sentimento de insegurança dos animais diminua.

(O Povo On Line) 

5 dicas para beber mais água em 2018

Pequenas mudanças podem te ajudar a cuidar melhor da sua saúde no ano que se inicia

Hábitos simples também podem proporcionar grandes transformações à nossa saúde. E se você colocou como meta para 2018 cuidar melhor de você, começar a beber mais água pode ser uma boa forma de obter bons resultados. Isso porque a água compõe mais de 60% do organismo humano e participa de praticamente todas as funções do nosso metabolismo.

Seu consumo é essencial a todos os tecidos corporais e fundamental no transporte e diluição de diversas substâncias, além de macro e micronutrientes, participando também do processo de digestão, absorção e excreção. A água auxilia ainda a eliminação de toxinas e filtração renal.

Da mesma forma, quando a ingestão de água é insuficiente, o organismo pode apresentar sintomas de desidratação, caracterizados por sede exagerada, boca e pele seca, olhos fundos, diminuição da sudorese, cansaço, dor de cabeça, tontura e, em bebês, moleira afundada. Em casos graves, a desidratação pode evoluir para queda da pressão arterial, perda de consciência, convulsões, coma, falência de órgãos e morte.

De acordo com a nutricionista Cintya Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão, não é necessário sentir sede para beber água. ?Em condições normais a sede é um bom lembrete da necessidade de beber água, porém em situações especiais, como por exemplo, transpiração excessiva ou clima quente, a sensação de sede pode não acompanhar a necessidade elevada?, alerta

Provavelmente você já deve ter ouvido que o ideal é beber em média de 1,5L a 2,0L de água por dia. A médica especialista em longevidade e medicina preventiva Esthela Conde explica que um adulto saudável deve ingerir em torno de 35 ml de água por quilo. Sendo assim, digamos que seu peso seja de 65kg. Para você saber q quantidade ideal de água para você ingerir diariamente, é necessário multiplicar o seu peso pela quantidade de “mls” indicada. Fica assim: 65×35. E o resultado dá 2.275. Logo a quantidade de água indicada para você beber diariamente é de 2.275 ml´s de água.

A seguir você encontra dicas simples para colocar em prática o seu plano de beber mais água em 2018:

Dê um toque de sabor à água

Muita gente tem dificuldade em beber água por preferir líquidos que tenham sabor. Se você pertence a esse grupo, uma forma de começar a beber água sem traumas é adicionar um toque de sabor a ela. Você pode fazer isso acrescentando frutas à água. De acordo com a nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Cintya Bassi é possível adicionar pedaços de frutas como melancia, limão, maçã laranja, morango; hortelã ou ainda canela em pau, cravo e gengibre.

Use a tecnologia a seu favor

Nem sempre a memória dá conta de lembrar que é necessário beber água. Quando isso acontece, é possível recorrer à tecnologia.Uma forma é colocar um aviso no seu celular a cada meia hora por exemplo.

Tenha sempre uma garrafinha de água com você

Como não é sempre que estamos perto de um bebedouro ou de um filtro de água, é importante ter sempre a mão uma garrafinha d’água. Esse hábito ajuda a manter sempre em mente que é necessário beber água regularmente e também ajuda a trazer saciedade ao organismo, pois mantém o estômago relativamente preenchido. Além disso, também é possível estipular momentos para beber água ao longo do dia, como antes de almoçar, em jejum, nos intervalos entre as refeições e antes de dormir.

Priorize o consumo de água

Se a sua meta é aumentar o consumo de água, é necessário fazer algumas modificações. Uma delas é tentar substituir bebidas açucaradas (como refrigerantes e sucos industrializados) por água, pois essas bebidas costumam ser ricas em açúcar e calorias vazias, que não possuem nutrientes. Uma forma de ter mais motivação para fazer essa troca é conhecer os benefícios que a água pode trazer ao seu corpo, como controlar a pressão sanguínea, proteger o coração, melhorar o funcionamento do organismo, aumentar a resistência física, limpar o organismo, proteger o corpo contra pedra nos rins e até mesmo proteger os olhos.

Consuma alimentos ricos em água

A alimentação também é uma forma de contribuir para a hidratação do organismo. A nutricionista Cintya indica alimentos como pepino, melão, melancia, morango, abobrinha e tomate. Vale ressaltar que apenas o consumo desses alimentos não é suficiente para suprir a quantidade de água que necessitamos diariamente. Lembra do cálculo que fizemos lá em cima? Por isso é importante equilibrar o consumo de água com a alimentação.

(Minha Vida) 

Ano novo, casa com cara nova! 5 dicas para renovar a casa e brilhar em 2018

A arquiteta e colunista, Nara Grossi, traz algumas ideias para renovar a casa e começar o ano de energia nova

O novo ano está aí e sempre pensamos em como renovar a casa e nossa vida para mais uma etapa. Organizar, mudar os móveis de lugar, doar os objetos e roupas que não usamos mais… A palavra de ordem é renovação! Vamos rever aqui algumas dicas que trouxemos de como dar aquela levantada na decoração de sua casa de um jeito fácil.

1. Ocupe com plantas

Muitas e de espécies variadas, crie seu delicioso jardim! Abusar do verde é uma ótima maneira de renovar a casa , além de mudar o visual dos espaços, vai afetar também no seu bem-estar. O jardim em casa traz mais vida para o dia a dia.

2. Brinque com os quadros na parede

Para deixar as paredes cheias de personalidade, você pode emoldurar desenhos, fotos e até papéis pelos quais você tenha afeto. Faça uma composição de tamanhos e tipos de moldura e comece a pregar, ou mesmo reposicionar o que já tem em casa.

3. Tapetes para trazer charme e aconchego

Lisos, listrados ou estampados, os tapetes trazem a sensação de conforto. Eles preenchem os espaços trazendo a impressão de que a decoração da casa está mais completa. É só escolher qual estilo combina mais com você.

 4. Cortinas para filtrar a luz natural de um jeito gostoso

Cortinas em tecido de fibra natural são uma ótima pedida. O tecido, linho ou algodão, por exemplo, tem um toque confortável, gostoso e deixam os espaços mais aconchegantes.

5. Espelhos para refletir na medida certa

Os espelhos são capazes de transformar completamente um ambiente: ampliam os espaços, trazem o exterior para dentro de casa, iluminam e dão um super charme quando usados de maneira criativa e original. São uma ótima pedida para renovar a casa para o ano novo!

(Delas)