quinta-feira, 22 fevereiro, 2018

10 formas através das quais seu corpo manifesta a fibromialgia

A fibromialgia é um transtorno que, além de provocar dores musculares e fadiga, também pode nos afetar psicologicamente, já que se trata de uma doença crônica que pode chegar a ser incapacitante.

A fibromialgia é uma síndrome que se caracteriza pelo aumento da resposta do corpo diante de dores musculares e articulares.

Vem acompanhada de fortes episódios de fadiga, além de problemas digestivos, contínuas dores de cabeça e sensação de formigamento nas extremidades.

Sua causa exata ainda não foi definida, mas especialistas em saúde os relacionam a fatores genéticos, sedentarismo e a algumas doenças.

Ainda que se desenvolva de várias formas em cada caso, em geral os pacientes apresentam um aumento nos níveis de inflamação que, por sua vez, desencadeia outras reações.

O problema é que muitos tendem a confundi-la com outras doenças comuns e, já que não encontram um tratamento adequado, tendem a apresentar complicações.

Por essa razão, é importante conhecer como se manifesta e que sinais permitem suspeitar de seu desenvolvimento.

Confira os sinais da fibromialgia

1. Rigidez do corpo

Um dos problemas mais frequentes das pessoas afetadas por essa doença é a rigidez corporal, que sentem sobretudo nas primeiras horas após o despertar.

É uma sensação parecida à que sofrem os pacientes diagnosticados com artrite, já que pode dificultar o movimento.

2. Dificuldades de concentração

Este sintoma, conhecido como “névoa fibro”ou “névoa cerebral”, se manifesta como problemas de concentração e memória nos afetados pela fibromialgia.

A pessoa não consegue focar-se por completo em suas atividades e, algumas vezes, vivencia a perda de memória a curto prazo.

3. Sensação de esgotamento

A fadiga crônica ou o esgotamento físico e mental é outros dos sintomas comuns de quem está desenvolvendo esta síndrome.

A sensação de estar com o corpo todo pesado, somada ao estresse mental, impede a pessoa de realizar normalmente as atividades diárias e, por isso, gera uma sensação de cansaço, inclusive ao despertar ou realizar tarefas simples.

4. Dor em todo o corpo

Os pacientes diagnosticados com fibromialgia podem experimentar dor, leve ou intensa, que vai desde os pés até a cabeça.

Ela pode começar com pouca intensidade e ser intermitente, mas tende a se tornar uma sensação de dor “profunda, aguda e latejante”.

Afeta os ligamentos, músculos e tendões e, infelizmente, pode não responder facilmente aos efeitos dos analgésicos à venda no mercado.

5. Má qualidade do sono

Por causa dos sintomas físicos e mentais, as pessoas com esse problema têm dificuldade para ter um sono de boa qualidade.

Os neurotransmissores cerebrais apresentam alterações em seu funcionamento e, já que tardam mais para estimular o cérebro, afetam o período de descanso.

Por outro lado, o mal-estar corporal causado pela dor pode piorar com as posições ao dormir e, por sua vez, causar interrupções durante o sono.

6. Inchaço e formigamento

Uma forte sensação de dormência nas extremidades, assim como o incômodo formigamento, podem ser um alerta das etapas iniciais da fibromialgia.

Trata-se de uma sensação de “alfinetadas” nas mãos e pernas que, ainda que às vezes dure apenas alguns minutos, pode ser constante.

Esses sintomas podem aumentar durante a noite, durante o período de descanso, ou até quando ficamos na mesma postura por muito tempo.

7. Problemas digestivos

Os desequilíbrios nos processos inflamatórios do organismo causados pela fibromialgia podem andar de mãos dadas com sintomas digestivos parecidos aos provocados pela síndrome do intestino irritável.

Além disso, grande parte dos pacientes apresenta dores abdominais recorrentes, além de acúmulo de gases e refluxo gastroesofágico.

8. Sensibilidade ambiental

Frequentemente, os afetados com este problema apresentam sensibilidade e reações alérgicas diante de fatores ambientais, como o ruído e a poluição.

O corpo experimenta sintomas parecidos aos das enxaquecas, já que reage de forma negativa diante do excesso de luz, dos ruídos fortes ou das substâncias químicas presentes em alguns produtos.

9. Sensibilidade à temperatura

Por causa das contínuas mudanças que o corpo experimenta por causa dos desequilíbrios inflamatórios, os pacientes com fibromialgia têm dificuldade de regular sua temperatura corporal.

Esse sintoma impede que, algumas vezes, descansem de maneira adequada, por causa do excesso de frio ou calor que sentem em repouso.

Além disso, as mudanças bruscas de temperatura podem gerar um maior impacto, já que a sensibilidade a elas é muito mais forte que em comparação a uma pessoa saudável.

10. Depressão

Algo muito difícil de ignorar nos pacientes com fibromialgia são os contínuos episódios de depressão que atravessam, por causa do desenvolvimento dos sintomas.

Infelizmente, esta doença tem um impacto notório na qualidade de vida e, por causa das limitações, a pessoa apresenta mudanças emocionais, como estados profundos de tristeza.

Entender o desenvolvimento da fibromialgia não é simples e requer ajuda médica, psicológica e familiar.

É fundamental levar em conta todos os seus sintomas para, no caso de suspeita, receber um diagnóstico o quanto antes e iniciar o tratamento.

(Melhor com Saúde)

Mexa-se: adote pequenas mudanças na rotina para sair do sedentarismo já

Apesar de o nosso corpo ter sido feito para o movimento – a gente evoluiu literalmente correndo atrás da nossa comida – estamos cada dia mais paradas, resolvendo nossas vidas na frente de uma tela. Além da indisposição constante, o sedentarismo também causa doenças crônicas e faz com que gastemos menos calorias, acumulando aquelas gordurinhas indesejáveis. Mas é possível aumentar as atividades físicas no dia a dia com pequenas mudanças – que dão um gás na sua rotina e ainda ajudam no emagrecimento a médio prazo. Coisas tão simples como dispensar o elevador. Confira as dicas das preparadoras físicas Carol Rizzi Di Domenico e Mariana Cabral e mexa-se!

Pedale no dia a dia

Já pensou em trocar o carro pela bicicleta? Além de ser uma prática sustentável, as pedaladas podem ser uma ferramenta prática e prazerosa para quem quer perder uns quilinhos sem estresse – lembrando que cada vez mais empresas oferecem bicicletário e vestiário. Pesquisa encomendada pela Organização Mundial de Saúde que mostrou que as pessoas que andam de carro tendem a pesar quatro quilos a mais do que aquelas que pedalam. Ótimo estímulo, concorda?

Escolha andar

Sempre que tiver oportunidade, troque o carro ou o transporte público pela caminhada. A dica é aproveitar aquela passada na padaria ou na farmácia, por exemplo, para esticar as pernas. Estacionar mais longe ou saltar do ônibus uma parada antes do que você está acostumada também são possibilidades.

– São medidas simples para começar aos poucos e ir aumentando a meta. Além de aumentar o seu gasto calórico, também vai fazer com que você se sinta ativa. O mais importante ao começar a se movimentar é a mudança na disposição para o dia a dia, que melhora substancialmente – explica Mariana.

Troque o elevador pela escada

Que tal adotar as escadas como parte da rotina? Essa, aliás, é uma das regras da dieta Dunkan, famoso método à base de proteínas. Quem a adota se compromete a deixar o elevador de lado para ter uma rotina equilibrada e ativa.

– É uma mudança positiva de hábitos que pode levar a uma melhora na saúde. Também ajuda a fortalecer a musculatura, mas vale lembrar que, como não tem progressão de carga, comum nos exercícios de musculação, esse processo estabiliza com o tempo – diz Carol.

Levante da cadeira

Passar muito tempo sentada não traz benefícios: além de provocar problemas na coluna e nos músculos, ficar horas nessa posição também pode fazer com que surjam varizes e varicoses.

– Quando você se levanta, nem que seja por alguns minutos, o aumento do fluxo sanguíneo já manda mais nutrientes e oxigênio para seus músculos. E é a circulação sanguínea que vai ajudar a prevenir as varizes – afirma Carol.

Não pare no fíndi

Aproveite os finais de semana para fazer programas ao ar livre, como caminhar pela vizinhança ou dar uma pedalada ao entardecer. Assim, você descobre lugares novos, curte aquela sensação boa de ficar ao ar livre e, de quebra, dá um check em dois dias da semana com atividades físicas prazerosas.

Caso você queira aproveitar uma sobremesa diferente ou uma refeição daquelas bem indulgentes, compensa gastando umas calorias a mais.

(Revista Donna)

Um probiótico pode ser a chave para combater cólica em bebês

Produto já comercializado no Brasil é apontado por estudo mundial como aliado contra esse perrengue entre os pequenos

cólica é uma das respostas mais frequentes a uma pergunta comum de pais e mães: por que meu bebê chora tanto? Agora a boa notícia: divulgada esta semana, uma revisão de quatro estudo anteriores aponta que há um probiótico especialmente eficaz contra esse baita incômodo. E ele já está disponível no Brasil.

As pesquisas escolhidas para integrar a investigação foram realizadas no Canadá, na Austrália, na Polônia e na Itália. Todas analisaram os efeitos do chamado Lactobacillus reuteri, e de uma substância sem qualquer efeito (placebo). No total, 345 bebês com cólica foram incluídos.

Os pequenos que tomaram o remédio tiveram quase duas vezes mais chance de parar de chorar em comparação com os que ingeriram o placebo. As melhorias foram ainda mais evidentes entre crianças alimentadas com leite materno.

Essa é, aliás, a única dificuldade enfrentada pelo estudo. Entre os bebês que não são amamentados, não é possível dizer ao certo se a estratégia é tão eficaz assim. Trata-se de algo que, segundo os estudiosos, ainda precisa ser investigado.

A questão dos probióticos

Em resumo, probióticos são micro-organismos vivos que, uma vez dentro do corpo, atuam em benefício da saúde. Eles estão presentes em leites fermentados, iogurte, kefir e em suplementos, por exemplo.

Acontece que cada espécie desses bichinhos é associada a diferentes vantagens. O tal Lactobacillus reuteri já havia inclusive sido indicado pela ciência como possível alternativa às cólicas nos pequenos – mas só agora se consolida como resposta efetivamente válida para o problema.

Em artigo publicado no periódico Pediatrics, a líder dessa revisão de estudos mais recente, Valerie Sung, enfatiza que, entre os probióticos, o único com eficácia comprovada é, de fato, o Lactobacillus reuteri. Mas atenção: a dosagem ideal precisa ser indicada caso a caso, por parte de um pediatra.

(Revista Saúde)

 

Cuidados com os ouvidos devem aumentar durante o verão

Segundo especialista casos de infecção aumentam em mais de 80% neste período

As altas temperaturas que chegam com o verão são um convite para diversão e frescor em ambientes aquáticos, como piscinas e praias. Porém, além dos cuidados e alertas com a proteção solar, também vale a pena prestar atenção aos ouvidos, que são mais sensíveis em relação à entrada de água.

Segundo o otorrinolaringologista da Clínica Dolci em São Paulo, Dr. Eduardo Landini Lutaif Dolci, os casos de infecções no ouvido aumentam durante o verão, com 80,5% comparado a pouco mais de 19% do restante do ano. Ao mergulhar ou nadar, a água pode entrar na região e pessoas mais sensíveis podem ter problema com isso, já que o acúmulo de água no canal do ouvido pode causar a otite externa.

“O local fica úmido, o que facilita o crescimento de bactérias, provocando a dor de ouvido, que pode ficar bem forte após 3 ou 4 dias sem tratamento”, complementa o especialista.

Alguns sintomas como a sensação de entupimento, perda de audição temporária (enquanto durar a infecção), e zumbido (som tipo apito ou chiado no ouvido), caracterizam o problema. Ainda segundo o médico, para evitar isso é recomendável secar os ouvidos adequadamente após cada entrada na água. “Caso a água tenha entrado no ouvido e haja dificuldades para sair, movimente levemente a orelha ou deite de lado. Mas nunca utilize álcool, azeite ou qualquer outro líquido dentro dos ouvidos sem ter uma ordem médica: isto pode piorar o quadro ou causar outras lesões no ouvido”, finaliza o especialista.

(Minha Vida)

 

Suco de cenoura detox

Ingredientes:

1 cenoura

½ maço de salsinha

Suco de 4 laranjas

2 fatias de abacaxi

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva.

5 dicas para beber mais água em 2018

Pequenas mudanças podem te ajudar a cuidar melhor da sua saúde no ano que se inicia

Hábitos simples também podem proporcionar grandes transformações à nossa saúde. E se você colocou como meta para 2018 cuidar melhor de você, começar a beber mais água pode ser uma boa forma de obter bons resultados. Isso porque a água compõe mais de 60% do organismo humano e participa de praticamente todas as funções do nosso metabolismo.

Seu consumo é essencial a todos os tecidos corporais e fundamental no transporte e diluição de diversas substâncias, além de macro e micronutrientes, participando também do processo de digestão, absorção e excreção. A água auxilia ainda a eliminação de toxinas e filtração renal.

Da mesma forma, quando a ingestão de água é insuficiente, o organismo pode apresentar sintomas de desidratação, caracterizados por sede exagerada, boca e pele seca, olhos fundos, diminuição da sudorese, cansaço, dor de cabeça, tontura e, em bebês, moleira afundada. Em casos graves, a desidratação pode evoluir para queda da pressão arterial, perda de consciência, convulsões, coma, falência de órgãos e morte.

De acordo com a nutricionista Cintya Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão, não é necessário sentir sede para beber água. ?Em condições normais a sede é um bom lembrete da necessidade de beber água, porém em situações especiais, como por exemplo, transpiração excessiva ou clima quente, a sensação de sede pode não acompanhar a necessidade elevada?, alerta

Provavelmente você já deve ter ouvido que o ideal é beber em média de 1,5L a 2,0L de água por dia. A médica especialista em longevidade e medicina preventiva Esthela Conde explica que um adulto saudável deve ingerir em torno de 35 ml de água por quilo. Sendo assim, digamos que seu peso seja de 65kg. Para você saber q quantidade ideal de água para você ingerir diariamente, é necessário multiplicar o seu peso pela quantidade de “mls” indicada. Fica assim: 65×35. E o resultado dá 2.275. Logo a quantidade de água indicada para você beber diariamente é de 2.275 ml´s de água.

A seguir você encontra dicas simples para colocar em prática o seu plano de beber mais água em 2018:

Dê um toque de sabor à água

Muita gente tem dificuldade em beber água por preferir líquidos que tenham sabor. Se você pertence a esse grupo, uma forma de começar a beber água sem traumas é adicionar um toque de sabor a ela. Você pode fazer isso acrescentando frutas à água. De acordo com a nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Cintya Bassi é possível adicionar pedaços de frutas como melancia, limão, maçã laranja, morango; hortelã ou ainda canela em pau, cravo e gengibre.

Use a tecnologia a seu favor

Nem sempre a memória dá conta de lembrar que é necessário beber água. Quando isso acontece, é possível recorrer à tecnologia.Uma forma é colocar um aviso no seu celular a cada meia hora por exemplo.

Tenha sempre uma garrafinha de água com você

Como não é sempre que estamos perto de um bebedouro ou de um filtro de água, é importante ter sempre a mão uma garrafinha d’água. Esse hábito ajuda a manter sempre em mente que é necessário beber água regularmente e também ajuda a trazer saciedade ao organismo, pois mantém o estômago relativamente preenchido. Além disso, também é possível estipular momentos para beber água ao longo do dia, como antes de almoçar, em jejum, nos intervalos entre as refeições e antes de dormir.

Priorize o consumo de água

Se a sua meta é aumentar o consumo de água, é necessário fazer algumas modificações. Uma delas é tentar substituir bebidas açucaradas (como refrigerantes e sucos industrializados) por água, pois essas bebidas costumam ser ricas em açúcar e calorias vazias, que não possuem nutrientes. Uma forma de ter mais motivação para fazer essa troca é conhecer os benefícios que a água pode trazer ao seu corpo, como controlar a pressão sanguínea, proteger o coração, melhorar o funcionamento do organismo, aumentar a resistência física, limpar o organismo, proteger o corpo contra pedra nos rins e até mesmo proteger os olhos.

Consuma alimentos ricos em água

A alimentação também é uma forma de contribuir para a hidratação do organismo. A nutricionista Cintya indica alimentos como pepino, melão, melancia, morango, abobrinha e tomate. Vale ressaltar que apenas o consumo desses alimentos não é suficiente para suprir a quantidade de água que necessitamos diariamente. Lembra do cálculo que fizemos lá em cima? Por isso é importante equilibrar o consumo de água com a alimentação.

(Minha Vida) 

6 benefícios de comer abacate na gravidez

Nutróloga aponta as propriedades da fruta que são benéficas para a mãe e para o bebê

Manter uma alimentação equilibrada durante a gravidez é essencial para garantir a saúde da mãe e do bebê.

Enquanto alguns alimentos devem ser evitados, por não fazerem bem, outros são mais indicados. Um deles é o abacate, rico em gorduras boas como Ômegas 3, 6 e 9, e que possui vários outros benefícios.

De acordo com a nutróloga Cristiane Braga Kanashiro, da Clínica Due, a fruta pode ser consumida pura ou utilizada no preparo de alimentos salgados ou doces, como sorvetes e vitaminas.

Ela afirma ainda que além dos benefícios específicos do abacate para as grávidas, há também diversos benefícios gerais. Por isso qualquer pessoa pode consumi-lo.

Veja alguns:

1. Melhora a digestão

A nutróloga explica que, por ser rico em fibras, particularmente em pectina, o abacate auxilia no bom funcionamento do trânsito gastrointestinal e evita a constipação. “Se o intestino não funciona bem, a gestante tem risco aumentado de doença hemorroidária”, explica.

2. Garante a saciedade

Esse fator faz com que seja indicado para driblar a fome exagerada, pois, ao aumentar a sensação de saciedade, faz com que se coma menos. “A progesterona aumenta a sensação de fome, fazendo com que muitas vezes a grávida coma mais do que deve. Porém, o aumento de peso excessivo durante a gestação pode acarretar em problemas para o bebê, com risco de diabetes gestacional. Então esse equilíbrio ao comer é importante”, diz.

3. Reduz o colesterol ruim

Rico em gorduras ‘do bem’, como ômega 3, 6 e 9, e ácido oleico, o abacate reduz o LDL. “O LDL-colesterol é a gordura ruim que se deposita nas artérias e pode formar placas. Assim, tê-lo em concentrações baixas é bom para proteger o coração e os vasos”, afirma a nutróloga.

4. Aumenta a imunidade

“A fruta possui vitaminas do complexo B, principalmente B6, além de vitaminas E e C. Todas elas favorecem a melhora da imunidade”, explica a profissional.

5. Deixa o bebê mais inteligente

A ingestão de gorduras do tipo ômega pela mãe durante a gestação aumenta a função cognitiva dos bebês, podendo gerar um bebê mais inteligente. “Há estudos recentes que comprovam o aumento do QI dos bebês associado à ingestão materna desses ômegas”, conta Cristiane.

6. Ajuda a dormir melhor

Especula-se que comer abacate antes de deitar estimule a produção de melatonina, mas ainda não há comprovação científica. “Dormir bem é importante porque durante o sono vários hormônios são produzidos, assim como a restauração cerebral”, explica.

A nutróloga diz que o abacate pode ser consumido de qualquer forma e a qualquer hora. “Uma pequena porção antes de dormir favorece a síntese de hormônios do bem”, garante.

Mas, apesar de todos esses benefícios, o consumo não deve ser exagerado. A recomendação máxima diária é de 100 gramas, pois, devido à grande quantidade de gorduras, há o risco de aumento do peso corporal.

(Dicas de Mulher)

Descubra como caminhar pode emagrecer mais do que academia

Com a rotina agitada, a melhor forma de perder os quilinhos extra é buscar a prática que gaste menos tempo do seu dia e mais calorias. Nesse sentido, um estudo da Escola de Economia de Londres, no Reino Unido, apontou que caminhar de forma acelerada pelo menos 30 minutos por dia é mais eficaz na perda de peso do que malhar ou praticar outros esportes.

A médica Grace Lordan, responsável pelo estudo, analisou os relatórios da Pesquisa Anual de Saúde da Inglaterra dos últimos quatro anos, com o foco em atividades que aumentem o condicionamento físico da população. Assim, ela identificou um padrão entre as pessoas que praticavam caminhada rápida todos os dias por no mínimo meia hora: elas tinham o Índice de Massa Corporal (IMC) menor e a cintura mais fina, sem gorduras localizadas, especialmente entre as mulheres e pessoas acima de 50 anos em geral.

Se esses motivos ainda não convenceram você a começar a caminhar, veja abaixo mais algumas razões para incluir essa atividade na sua vida:

1. Melhora a circulação

Um estudo feito pela USP, de Ribeirão Preto, provou que caminhar durante aproximadamente 40 minutos é capaz de reduzir a pressão arterial durante 24 horas após o término do exercício. Isso acontece porque durante a prática do exercício, o fluxo de sangue aumenta, levando os vasos sanguíneos a se expandirem, diminuindo a pressão.

2. Aumenta a sensação de bem-estar

Uma breve caminhada em áreas verdes, como parques e jardins, pode melhorar significativamente a saúde mental, trazendo benefícios para o humor e a autoestima, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Essex, no Reino Unido.

3. Diminui a sonolência

A caminhada durante o dia faz com que o nosso corpo tenha um pico na produção de substâncias estimulantes, como a adrenalina. Essa substância deixa o corpo mais disposto durante as horas subsequentes ao exercício. Somado a isso, a caminhada melhora a qualidade do sono de noite.

4. Controla a vontade de comer

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Exeter, na Inglaterra, sugere que fazer caminhadas pode conter o vício pelo chocolate. Durante a pesquisa, foram avaliadas 25 pessoas que consumiam uma quantidade de pelo menos 100 gramas por dia de chocolate. Os chocólatras tiveram que renunciar ao consumo do doce e foram divididos em dois grupos, sendo que um deles faria uma caminhada diária.

Os pesquisadores perceberam que não comer o chocolate, juntamente com o estresse provocado pelo dia a dia, aumentava a vontade de consumir o doce. Mas, uma caminhada de 15 minutos em uma esteira proporciona uma redução significativa da vontade pela guloseima.

(Minha Vida) 

 

Dez dicas para você driblar a ansiedade de fim de ano.

Todo o final de ano não muda é sempre a mesma correria, parece que queremos fazer tudo dos onze meses em Dezembro. Isso ocorre com os homens e mulheres. As mulheres ficam mais ansiosas, cerca de 80% que os homens.

É realmente uma loucura. “As vezes nem sempre o cliente tem razão”. Isso causa desgaste total e é lógico só faz aumentar o estress do dia-a-dia, que por sinal já vêm acumulando no decorrer de todos os meses anteriores.Isso só faz aumentar: a ansiedade, o desejo de parar com tudo e descansar, com isso acaba prejudicando a saúde.
É aquele momento em que entramos na contagem regressiva para parar e ter o descanso merecido.

Todo mês de dezembro é a mesma coisa. Além das obrigações cotidianas, ficamos sobrecarregados com a maratona para a compra dos presentes, as festas de encerramento, os preparativos para a viagem de Réveillon. Isso faz com que aquela sensação de ansiedade, que já nos aflige nos outros meses do ano, se agrave ainda mais, nesse período. 

“Como se não bastassem o dia a dia agitado e a falta de tempo para o lazer, a aproximação do fim do ano nos leva a realizar um balanço de tudo o que conquistamos, uma espécie de auto-avaliação da vida pessoal, social, profissional e afetiva. Esse pode ser mais um fator gerador de ansiedade, se descobrirmos que ainda há muito por fazer pela nossa realização”, disse a psicóloga Lílian Lerner Castro, do Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo e presidente do comitê científico da Aporta (Associação dos Portadores de Transtorno de Ansiedade). 

Com tantas exigências, buscar a serenidade pode ser uma missão difícil. Porém, vale a pena perseguir essa meta. Afinal, quando a ansiedade se torna crônica, prolongada, outros problemas de saúde podem aparecer em decorrência dessa descompensação. 
“Não vivemos sem uma certa dose de ansiedade. É graças ao desconforto que ela gera em nós que saímos da inércia e partimos para a ação. 

Porém, ela passa dos limites quando sua intensidade ou seu tempo de duração são muito grandes, provocando, inclusive, sintomas físicos, como taquicardia, tremor das mãos, suor frio”, afirmou a especialista. 
O desequilíbrio fisiológico que caracteriza os transtornos ansiosos também pode levar a alterações na pressão arterial, desarranjos no sistema digestivo, problemas de coluna, entre outros. 
Então, se a idéia é passar bem longe de todas essas complicações, algumas mudanças de comportamento podem fazer toda a diferença. 

Confira 10 dicas para diminuir a ansiedade nesse período: 

01) Em vez de se culpar pelo que não realizou no ano que está terminando, estabeleça metas a curto e longo prazo para a nova etapa da sua vida. 
“Escreva tudo o que quer conquistar e os recursos que precisará movimentar para fazer acontecer aquilo que deseja. Faça um planejamento para o ano que vem, com calma. Essa pode ser uma excelente estratégia para baixar a ansiedade”, disse a psicóloga. 

02) Programe as compras de fim de ano com o máximo de antecedência possível. Quanto mais perto do Natal, mais tempo perderá no trânsito ou mesmo no interior das lojas, pois o movimento vai aumentando gradualmente. 

03) 
Pense no que vai comprar para cada pessoa antes de sair de casa. Assim, você vai direto às lojas que vendem os artigos de que precisa. 

04) Outra dica é fazer listas, para não correr o risco de esquecer ninguém e ter de enfrentar nova maratona no shopping ou nas lojas de rua. 

05)
 Adote práticas de relaxamento, como a meditação e a ioga. Uma simples respiração profunda, feita de modo bastante lento, pode ajudar a controlar a ansiedade num momento de forte tensão. 

06) Não adote as exigências externas como um padrão. “Vivemos num mundo em que as possibilidades de escolha são muitas, assim como as exigências. Porém, é preciso reavaliar, ter em conta o que nós esperamos de nós mesmos e não apenas as cobranças dos outros em relação ao nosso desempenho”, afirmou Castro. 

Também é importante respeitar seus limites. Se a família anda cobrando mais atenção do que você pode dar, por exemplo, tenha uma conversa sincera com eles e exponha suas condições, sem culpa nem vergonha. 
Negociar prazos no trabalho também é uma medida inteligente para evitar a sobrecarga geradora de ansiedade. Permita-se ser mais flexível com as demandas que vêm de fora, aceitando que jamais conseguirá dar conta de tudo, ao mesmo tempo. 

07)
 Reavalie os problemas e obstáculos antes de se desesperar por causa deles. “Na maioria das vezes, a pessoa ansiosa vê as dificuldades de um tamanho maior do que elas realmente são. Então, a saída é tentar raciocinar de forma realista, evitando aquele péssimo hábito de sofrer por antecedência”, disse a psicóloga. 

08) Aprenda a lidar com as frustrações. Na prática, é o mesmo que transformar o que precisa ser modificado e simplesmente aceitar o que não pode ser mudado. “É necessário avaliar bem as situações que a vida nos apresenta. Em alguns momentos, não vale a pena lutar e sofrer por algo que foge à nossa responsabilidade ou às nossas capacidades. Nesse caso, o melhor a fazer é tentar se adaptar à realidade como ela é, para evitar o aparecimento de uma ansiedade completamente desnecessária”, afirmou a especialista. 

09)
 Concentre-se no presente. Estabeleça prioridades e dedique-se a uma atividade de cada vez. 

10)Faça o possível para dormir bem, se alimentar de maneira equilibrada e manter uma rotina de exercícios. Tudo isso vai garantir energia extra para as inúmeras atividades de que precisará dar conta neste período turbulento. 

(Administradores.com)

Estudo indica que vasectomia melhora libido, ereção e orgasmo dos homens

Homens que realizaram a vasectomia disseram ter relações sexuais com mais frequência

Devido à falta de informação, muitos homens acreditam que a vasectomia pode causar impotência e diminuir a libido. No entanto, um recente estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, descobriu que os homens têm mais desejo sexual após serem vasectomisados.

A pesquisa, feita com 294 casais, mostrou que 12,4% dos homens tiveram relações sexuais com mais frequência depois de fazer a vasectomia, enquanto apenas 4,5% relataram ter menos tempo. Entre os participantes, 4 de 10 afirmaram que a vida sexual em casal melhorou significativamente com a cirurgia.

Os homens que passaram pela vasectomia disseram ter um aumento na libido, ereções e orgasmos de melhor qualidade. Além disso, os benefícios também foram notados pelas mulheres, que relataram um aumento na excitação sexual depois que seu parceiro teve a operação.

De acordo com os investigadores, essa descoberta pode estar associada com o fato de que após a vasectomia os homens se sentem mais relaxados por não existir mais o perigo de uma gravidez indesejada da parceira.

Em 2015, uma pesquisa realizada pela Universidade de Stanford, na Califórnia, constatou que homens vasectomizados tiveram 5,9 vezes relações sexuais por mês, em comparação com 4,9 vezes dos que não realizaram a cirurgia.

Embora a vasectomia seja uma cirurgia muito simples, que leva apenas 15 minutos e não oferece nenhum risco a saúde, os homens continuam a fugir da operação. Na Inglaterra, o número de homens que buscaram a cirurgia caiu 2/3 nos últimos 10 anos: nos últimos dois anos, apenas 10.880 vasectomias foram realizadas, em comparação com 29.344, em 2005 e 2006. Nos Estados Unidos os números são ainda menos, apenas um em cada 10 homens realizam vasectomias, segundo informações das Nações Unidas, de 2015.

Em entrevista ao site DailyMail, especialista indicaram que a maioria dos homens não fazem a cirurgia pois ainda desejam ter mais filho, especialmente aqueles que já estiveram casados ou em uma relação duradoura. “Cerca de um em cada dez homens com vasectomia vai querer reverter mais tarde. O divórcio, o novo casamento e o encontro com alguém mais jovem são invariavelmente os motivos de reversão”, disse Frank Chinegwundoh, consultor urologista do Bart’s Hospital, em Londres.

“Mas é preciso lembrar que, enquanto a vasectomia é um procedimento rápido e direto, realizado em geral com o anestésico local, a reversão é mais trabalhosa, levando até duas horas, realizado com anestesia geral ou sedação profunda”, explica John Lemberger, um consultor cirurgião urológico com base em Nottingham.

Quais as vantagens da vasectomia?

Atualmente, a cirurgia é oferecida em serviços públicos e também por meio dos convênios médicos, tem baixo índice de complicações e custa menos do que uma laqueadura (procedimento feito nas mulheres).

Na cirurgia de vasectomia, é realizada uma ou duas pequenas incisões no escroto para cortar os ductos deferentes por onde passam os espermatozoides. O homem continua ejaculando, produzindo líquido seminal e secreção prostática, só que sem a presença de espermatozoides.

(Minha Vida)