Filhas mudam até o jeito de seus pais pensarem, confirma estudo

O tratamento do pai para uma filha é diferente do que para um filho, segundo estudo realizado na Universidade de Emory, EUA.

  • Uma pesquisa publicada no Behavioral Neuroscience evidenciou que a relação do pai com filhas ou com filhos é bem diferente. Reações cerebrais foram analisadas em alguns pais para que a pesquisa fosse realizada e apresentasse conteúdo suficiente para o resultado.

  • O estudo foi realizado nos Estados Unidos, na Universidade de Emory, em Atlanta, e pode ser caracterizado como regional. Porém, ele também pode servir de parâmetro para a conduta dos pais de outros países, pois a principal situação observada é do pai em relação ao gênero de seu filho ou filha.

  • A pesquisa

  • Realizada com 52 crianças, 30 meninas e 22 meninos de um e dois anos de idade e seus pais, o estudo foi realizado de forma moderna, não retirando os participantes de seu local de convívio para não sofrer nenhuma influência que um local como um laboratório oferece.

  • Um computador ficou durante todo o dia com o pai em um dia de semana normal, captando todos os sons que foram emitidos por ele em relação a seu filho ou filha. Uma varredura cerebral foi ativada cada vez que houve uma interação com a criança. Além deste dia, um final de semana também foi realizado o mesmo procedimento.

  • Foi percebido que o atendimento do pai ao filho ou à filha divergiu. Quando o filho gritava pelo pai ele não era atendido sempre, já com a filha o cuidado era maior e foram poucas as ocasiões em que elas não foram atendidas. Dessa forma, o estudo mostrou que os pais são mais atentos às necessidades das filhas que as dos meninos.

  • Na segunda etapa, os pais tiveram um acompanhamento neural enquanto visualizavam fotos de crianças, adultos e dos próprios filhos, tendo suas feições analisadas a cada pequena mudança.

  • Ao verem as fotos de suas filhas sorridentes, seus pais tiveram reações expressivas. Para os pais de meninos as reações foram mais intensas só por verem fotos de seus filhos sérios.

  • Um resumo seria que para as meninas seus pais são mais tolerantes e protecionistas, falam com elas de maneira mais calma e ainda aceitam mais as suas emoções. Para os meninos a competição é percebida, as falas são mais duras e uma certa indiferença a respeito dos sentimentos deles foi notada.

  • Algumas palavras foram mais usadas para as filhas como todos e muito, mostrando que seus pais estão preocupados com seu sucesso e buscam sempre incentivar o progresso. Também foi percebido que palavras relacionadas ao corpo como barrigaforam mais usadas para meninas. Para os filhos as palavras mais usadas foram orgulhovitória e superior, mostrando uma linguagem mais competitiva.

(famifi.com)