Partida entre Palmeiras e Peñarol faz a Conmebol mudar o seu código disciplinar para 2018

Foto: Andres Stapff/Reuters
Foto: Andres Stapff/Reuters

Por: Globoesporte.com

Com certeza uma das partidas que gerou mais repercussão pela fase de grupos da Libertadores foi Peñarol x Palmeiras, no Uruguai, pois ao fim se construiu um cenário de briga, onde pela visão da Conmebol o Palmeiras teve grande papel de vilão, ganhando assim punições para o decorrer da competição. As punições aplicadas a Palmeiras e Peñarol pelo Tribunal de Disciplina da Conmebol foram consideradas tão absurdas – até internamente – que a entidade resolveu atualizar seu Código Disciplinar.

O documento atual é de 2014. O novo deve ser concluído ainda neste ano e suas mudanças passam a valer já para a Libertadores (e demais competições da Conmebol) a partir de 2018. A tendência é que o novo código seja mais duro com atos de violência e não permita penas tão brandas como a aplicada ao Peñarol.

As decisões do Tribunal de Disciplina, neste caso foram amplamente criticadas dentro da Conmebol, porque mancharam os esforços da confederação de mostrar-se uma entidade mais “moderna” e “transparente”. Ao mesmo tempo, ponderou-se que as penas aplicadas a Palmeiras e Peñarol estão de acordo com o Código Disciplinar, motivo pelo qual tomou-se a decisão de reformar o documento.

Após a briga generalizada no estádio Campeón Del Siglo, o Peñarol foi punico com um jogo de portões fechados e multa de US$ 150 mil. Ao Palmeiras, foi aplicada uma multa de US$ 80 mil e a proibição de ter seus torcedores presentes em quatro partidas como visitante.

O clube brasileiro recorre desta decisão e deve ter uma resposta de sua apelação na próxima sexta-feira. Além disso, o Palmeiras teve o volante Felipe Melo suspenso por seis partidas e multado em US$ 10 mil dólares, decisão que foi reformada na semana passada pela Câmara de Apelações – a pena foi reduzida pela metade: três jogos e multa de US$ 5 mil.