Você é uma mãe conectada? Saiba como isso pode ter beneficiar

Ser mãe na era digital pode ser muito bom ou te ajudar a ficar ainda mais perdida em meio à tanta informação. Um levantamento realizado pelo Google e publicado pelo portal Meio & Mensagem revelou que as principais pesquisas realizadas pelas mães brasileiras têm como foco principal a educação e a saúde.

O estudo apontou que, das 67 milhões de mães brasileiras – segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) -, 71% já estão conectadas à Internet e 68% possuem smartphones. A análise foi feita com dados internos do Google durante o mês de março e tem como base de comparação os anos de 2016 e 2017. A amostra considerou 800 mães nas faixas de 18-24, 25-34, 34-44 e 45-54 anos.

Ao todo, 75% das mulheres buscam informações na Internet sobre experiências reais da maternidade. Já o volume de buscas aumentou 85% após a descoberta da gravidez. Esses dados revelam o quão fácil é pesquisar por informações na era digital, principalmente em relação aos cuidados com os filhos.

“Se antes precisávamos nos deslocar com o filho no colo para buscar informações em uma biblioteca pública, hoje temos tudo o que queremos na palma da mão. Ou seja, a conexão hoje nos abre um leque de possibilidades, inclusive para as mães que desejam estar mais próximas da criação dos seus filhos, ou simplesmente para que você continue seus estudos no que for do seu interesse sem precisar sair de casa”, comenta Barbara Hannelore, especialista em desenvolvimento pessoal do projeto Arrase Mulher.

Acesso à informação é importante para você e para o seu filho

A gravidez é um momento de muitas mudanças e descobertas. Porém, sempre terá alguém a fim de te preparar para o que está por vir e ensinar ‘tudo o que você precisa saber’. Não há nada de errado levar em consideração os conselhos de quem tem mais vivência, mas essa é uma experiência única para cada pessoa.Ter acesso à informação de forma fácil e ágil é importante nesse momento da vida, principalmente para absorver diferentes opiniões e escolher as que mais se encaixam no seu caso. “Isso é essencial para as mulheres terem mais autonomia, agilidade e assertividade nas tomadas de decisão, resolução de problemas e administração do tempo. Às vezes, as pessoas querem que sejamos multitarefas e isso aumenta muito nosso nível de estresse. Então, tudo que possa facilitar nossa vida deve ser considerado”, pontua Adriana Schneider, especialista em desenvolvimento humano.Para a psicóloga Lidiane Silva, as mães se organizam não somente para cuidar ou administrar a casa e a vida dos filhos, mas também dominam a vida profissional, social e estudantil. “Através de conhecimento e novas informações é possível amenizar as inseguranças de dar conta de tudo e de todos. Essa informação adquirida é a base para a construção de um dia a dia mais organizado e eficaz.”

Mas cuidado: nem tudo pode ser online

Ter qualquer tipo de informação na palma da mão pode facilitar e muito o nosso dia a dia – principalmente com crianças em casa. Porém, também existem desvantagens no universo das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) quando o assunto é maternidade.“Saber onde o filho está, acompanhar a rotina escolar pelo celular ou mesmo o trajeto de deslocamento pode dar mais segurança, agilidade e tranquilidade. Porém, nada disso substitui a presença física e o contato direto. Ficar muito ‘conectada’ pode acabar nos desconectando de quem está ao nosso lado e esse mau exemplo é passado para nossos filhos”, ressalta Adriana.Além disso, é de extrema importância ter cautela quanto a veracidade das informações adquiridas na Internet, principalmente nas redes sociais. “Procure referenciais de vários especialistas e com opiniões diferentes de um determinado assunto. Observe como isso pode se encaixar na sua família e nas suas vivências diárias com seus filhos”, conclui Lidiane.

(Finanças Femininas)